Em mercados

Ibovespa inicia pregão em alta e acompanha mercado norte-americano

Crise europeia continua em foco após proposta de taxação sobre transações financeiras e Finlândia aprovar expansão do EFSF

SÃO PAULO – O Ibovespa inicia o pregão desta quarta-feira (28) em alta de 0,72%, aos 54.308 pontos, indicando o terceiro pregão seguido no campo positivo, assim como os principais contratos futuros sobre índices de ações nos EUA.

Por outro lado, os mercados europeus registram queda, uma vez que as agências internacionais noticiaram após o fechamento de terça-feira que sete dos países membros da Zona do Euro exigem maiores perdas ao setor privado no segundo pacote de resgate à Grécia, conforme acordado em 21 de julho.

Assim, o Ibovespa, que marcava alta de 1,5% às 16h00 (horário de Brasília) de terça-feira, repentinamente iniciou uma trajetória de queda e encerrou o pregão com uma variação positiva mais modesta, de 0,32%.

Ações
As ações que se destacam na ponta positiva do Ibovespa são as ordinárias da BR Malls (BRML3, R$ 19,20, +2,78%),  da B2W Varejo (BTOW3, R$ 16,19, +2,15%), da MMX Mineração (MMXM3, R$ 7,64, +2,00%), da Brookfield (BISA3, R$ 5,72, +1,96%) e da Usiminas (USIM3, R$ 21,58, +1,89%).

Análises
O analista gráfico da Gradual Investimentos, Régis Chinchila, destaca a leve recuperação de terça-feira, quando o índice voltou a testar a resistência de 55.100 pontos, ao passo que o suporte imediato permanece aos 51.900 pontos. "Somente um rompimento gera maior pressão na compra", complementa.

Enquanto isso, a diretora de câmbio da AGK Corretora, Miriam Tavares, alerta que o "foco dos mercados globais segue nas declarações provenientes da Europa".

Imposto sobre transações financeiras
Por outro lado, de modo a amenizar a crise, a Comissão Europeia propôs nesta quarta-feira um imposto sobre todas as transações financeiras que envolvam um país membro da União Europeia, de modo a arrecadar cerca de € 57 bilhões anuais, montante que seria repartido entre a União Europeia e os países membros.

No entanto, a intenção do projeto, que será apresentado à cúpula do G-20 em novembro, é que ele se torne global, sendo que deverá ser votado pelos membros da União Europeia para, se aprovado, entrar em vigor em 2014.

Troika retorna à Grécia na quinta-feira
O cenário internacional também deve ser pautado pelas expectativas com o retorno da Troika (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional) à Grécia na quinta-feira, mesma data na qual o parlamento alemão votará a ampliação do EFSF (Fundo Europeu de Estabilização Financeira) nos moldes do acordo de 21 de julho, enquanto a chanceler Angela Merkel sinaliza que, desde então, a necessidade de financiamento da Grécia pode ter aumentado.

Enquanto isso, a agenda de indicadores econômicos continua pouco movimentada, com destaque para a frustração com o número de pedidos e entregas de bens duráveis nos EUA, cujo recuo de 0,1% em agosto contraria a expectativa de elevação de 0,1%. Por aqui, as atenções ficam por conta dos números semanais do fluxo cambial.

 

Contato