Morgan Stanley está pessimista com moedas emergentes em meio ao risco China

A mudança de uma posição anteriormente neutra do banco resultou, em parte, da nova visão sobre o yuan offshore

Bloomberg

Publicidade

Bloomberg — O Morgan Stanley está retornando à visão de bear market (pessimista) para as moedas de mercados emergentes, citando preocupações como os riscos ao crescimento da China e seus efeitos não apenas para o yuan mas também para uma economia global já enfraquecida.

A mudança de uma posição anteriormente neutra do banco resultou, em parte, da nova visão sobre o yuan offshore, o que levou o gigante de Wall Street a uma posição vendida, dadas as expectativas de que os riscos de crescimento continuem a ser um foco, conforme nota da equipe de estrategistas liderada por James Lord. “A fraqueza da CNH (yuan offshore) e a fraqueza macroeconômica da China devem se espalhar para o restante dos mercados emergentes.”

O Morgan Stanley faz parte de um grupo de grandes bancos que reduziram recentemente as previsões para o crescimento econômico da China em 2023, após uma série de dados decepcionantes e a falta de estímulos fiscais ou monetários potentes.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O yuan já caiu quase 6% em relação ao dólar neste ano, aproximando-se de seu nível mais fraco desde 2007, apesar dos esforços crescentes de Pequim para sustentar a moeda.

As moedas asiáticas, particularmente o dólar de Cingapura, o baht da Tailândia, o won da Coreia do Sul e o ringgit da Malásia, parecem estar mais expostas a uma desaceleração do crescimento da China, enquanto outras moedas de economias emergentes, incluindo a rupia indiana e a lira turca, podem estar mais bem posicionadas, de acordo com os estrategistas do Morgan Stanley.

Em relação ao crédito soberano, Panamá, Zâmbia, Angola e Equador podem ter a maior exposição negativa a um enfraquecimento da economia chinesa, dados os vínculos comerciais e a sensibilidade de seus títulos ao desempenho do yuan offshore. “Não esperamos uma recuperação significativa no sentimento em relação às perspectivas da China no curto prazo”, escreveram os estrategistas, citando a baixa confiança do setor privado, a desalavancagem no setor imobiliário e questões de longo prazo, desde a dívida até a demografia.

Continua depois da publicidade

O Morgan Stanley não é o único banco de Wall Street que prevê a fraqueza do yuan. O Goldman Sachs  também espera que a queda do yuan se estenda com exportações fracas, consumo interno lento e pressões deflacionárias, de acordo com uma nota escrita por estrategistas liderados por Danny Suwanapruti.

De qualquer forma, as medidas de apoio do banco central chinês vão moderar o ritmo de depreciação do yuan, disse o Goldman Sachs. “Uma das principais preocupações do mercado é se o enfraquecimento do yuan estimulará fluxos significativos de saída de capital. No entanto, as reservas cambiais são altas, os ativos externos dos bancos comerciais foram reforçados e o PBOC [BC da China] restringiu os canais de saída de capital.”

© 2023 Bloomberg L.P.