Moedas Globais: dólar cai ante maioria de divisas rivais, no aguardo de CPI e após fala de diretor do Fed

John Williams disse esperar que a postura restritiva seja mantida "por algum tempo" até que os objetivos da instituição sejam alcançados

Estadão Conteúdo

Publicidade

O dólar caiu ante boa parte das moedas rivais nesta quarta-feira, em uma jornada de ímpeto limitado na véspera da divulgação da inflação ao consumidor (CPI) nos Estados Unidos.

O índice DXY, que mede a variação da divisa americana ante seis rivais fortes, fechou em baixa de 0,20%, a 102,362 pontos. No fim da tarde em Nova York, o dólar subia a 145,79 ienes, enquanto o euro avançava a US$ 1,0965 e a libra, a US$ 1,2731.

A mediana de analistas consultados pelo Projeções Broadcast sugere leve aceleração do CPI à taxa anual de 3,2% em dezembro, após avanço de 3,1% em novembro. Para o núcleo, a expectativa é de uma desaceleração a 3,8% no mês passado.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O dado deve ajudar a balizar as apostas do mercado para os próximos passos do Federal Reserve (Fed). Atualmente, a curva futura aponta chance majoritária de cortes de juros a partir de março, com uma redução acumulada de 150 pontos-base até o fim do ano, conforme sugere a plataforma de monitoramento do CME Group.

Para o Brown Brothers Harriman (BBH), essa precificação ainda precisa ser ajusta “significativamente”, diante dos sinais de solidez da economia dos EUA. “Até que isso acontece, o dólar permanece vulnerável”, avalia.

Hoje à tarde, o presidente do Fed de Nova York, John Williams, disse esperar que a postura restritiva seja mantida “por algum tempo” até que os objetivos da instituição sejam alcançados.

Continua depois da publicidade

O analista Marc Chandler, da Bannockburn, afirma que o iene emergiu como uma exceção ao movimento recente do câmbio, com ganhos em seis das oito sessões anteriores. Segundo ele, a tendência reflete a avaliação de que o Banco do Japão (BoJ) terá que começar a apertar a política em algum momento deste ano, possivelmente em abril.

Na Argentina, o dólar blue avançou a 1.150 pesos argentinos no mercado paralelo, em novo recorde nominal, de acordo com o jornal Ámbito Financiero. A Bloomberg informou, com base em fontes, que o governo do presidente Javier Milei fechou acordo com o Fundo Monetário Internacional que desbloqueará US$ 3,3 bilhões ao país.