Mills (MILS3) lucra R$ 81 milhões no quarto trimestre, alta aual de 70,3%

Companhia divulgou seus números trimestrais nesta noite de terça-feira (19)

Felipe Moreira

Equipamento da Mills (MILS3) em operação (Divulgação)
Equipamento da Mills (MILS3) em operação (Divulgação)

Publicidade

A Mills (MILS3) reportou lucro líquido de R$ 81 milhões no quarto trimestre de 2023 (4T23), montante 70,3% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2022, informou a companhia nesta terça-feira (19).

A empresa atribui o resultado positivo ao crescimento do Ebitda e redução de imposto de renda e contribuição social, referentes a reversão retrospectiva do IR/CS diferido da SK Rental.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado totalizou R$ 190,9 milhões no 4T23, um crescimento de 31,1% em relação ao 4T22.

Continua depois da publicidade

A margem Ebitda ajustada atingiu 52% entre outubro e dezembro do ano passado, alta de 7,5 p.p. frente a margem registrada em 4T22.

Já o retorno sobre o capital investido (ROIC) foi de 25,6% no trimestre, baixa anual de 4 p.p..

A receita líquida somou R$ 367,3 milhões no quarto trimestre do ano passado, crescimento de 12,3% na comparação com igual etapa de 2022, resultado da maior receita de locação no período.

Continua depois da publicidade

O lucro bruto atingiu a cifra de R$ 233,7 milhões no quarto trimestre de 2023, um aumento de 10,2% na comparação com igual etapa de 2022. A margem bruta foi de 74,8% no 4T23, queda de 0,3 p.p. frente a margem do 4T22.

As despesas gerais e administrativas somaram R$ 73,9 milhões no 4T23, um recuo de 17,6% em relação ao mesmo período de 2022.

O resultado financeiro foi negativo em R$ 18,8 milhões no 4T23, comparado a R$ 8,0 milhões no 4T22.

Continua depois da publicidade

Em 2023, o valor total de investimentos totalizou R$ 598,5 milhões, sendo 92,5% para ativos de locação.

Em 31 de dezembro de 2023, a dívida líquida da companhia era de R$ 354,7 milhões, um aumento de 300,8% em relação ao mesmo período de 2022.

O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 0,5 vez em dezembro/23, alta de 0,3 p.p. em relação ao mesmo período de 2022.