Méliuz (CASH3) frustra consenso e ações despencam 9,80%; companhia fala que crescimento está “só começando”

Segundo analistas, receita desacelerou e companhia viu seus gastos aumentarem com o desenvolvimento de novos produtos

Vitor Azevedo

Publicidade

A ação do Méliuz (CASH3) fechou em queda de 8,80% nesta terça-feira (16) – isso após divulgar, na noite de ontem, seu balanço do segundo trimestre de 2022. Analistas, de maneira geral, definiram os resultados como fracos e modestos, mas a companhia, em teleconferência realizada na manhã de hoje, defendeu que a receita está apenas “começando a crescer” e que o período foi marcado por gastos excepcionais.

“A Méliuz reportou uma receita de R$ 79 milhões, aumentando 45% no ano e desacelerando substancialmente em relação ao trimestre anterior”, abrem os analistas do Bradesco BBI sobre a companhia. “A receita cresceu menos do que as expectativas e a lucratividade se manteve sob pressão”.

O volume bruto total de mercadorias (GMV, na sigla em inglês), ficou em R$ 1,4 bilhão, alta de 24% no ano, mas também desacelerando frente os 66% de crescimento registrados entre janeiro e março. O faturamento do marketplace, por sua vez, foi de R$ 61,9 milhões, subindo 43% na mesma base, ante 85% do primeiro trimestre.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“O mercado viu os resultados como negativos, uma vez que a desaceleração do crescimento da receita e a dificuldade de rentabilidade apontam para um cenário desafiador à frente. Nesse contexto, vemos pouco espaço para uma reclassificação das ações, enquanto o mercado pode permanecer cético diante dos riscos de execução à frente”, destacou o BBI, que tem recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado) para o Méliuz, com preço-alvo em R$ 3,90.

O UBS BB vai no mesmo caminho – pontuando que a receita do marketplace ficou 7% abaixo da sua projeção, com GMV menor tirando o brilho do resultado da receitas de serviços, que cresceram 14% no ano e vieram em linha com o consenso, e do Picodi, 14% acima das projeções do banco.

A instituição financeira suíça tem avaliação neutra para a companhia e preço-alvo fixado em R$ 1,40.

Continua depois da publicidade

A XP Investimentos definiu os resultados como mistos, com visão mais otimista para a receita líquida, mas com mais gastos nos desenvolvimentos dos novos produtos. Mesmo assim, a corretora manteve sua recomendação de compra, com alvo de R$ 8 por papel.

“A companhia seguiu entregando um crescimento robusto de suas operações, por outro lado, custos e despesas cresceram, o que levou a um prejuízo líquido de R$ 28,2 milhões uma piora em relação ao esperado e na base anual”, explicam os analistas da corretora.

O Itaú BBA, por fim, foi mais pessimista, definindo os resultados como negativos.

“As despesas operacionais aumentaram para R$ 134 milhões, infladas por despesas de R$ 14 milhões relacionadas ao Bankly e por R$ 19 milhões de itens extraordinários. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) foi negativo em R$ 52 milhões, contra R$ 17 milhões negativos no primeiro trimestre e contra nossa estimativa de R$ 14 milhões negativos”, comentam os analistas do banco.

Contudo, o banco mantém recomendação outperform com valor justo em R$ 3,3.

Méliuz fala que receita apenas começou a crescer

Em seu encontro com investidores e analistas, o Méliuz buscou explicar seus números.

Quanto à receita, Davi Holanda, diretor responsável pelos serviços financeiros da companhia, defendeu que o crescimento está “só começando”, com a empresa ainda desenvolvendo uma série de seus novos produtos, como o próprio Bankly, o oferecimento de crédito e o cripto as a service.

Nesta frente, os executivos afirmaram ainda que boa parte dos maiores custos foram, justamente, oriundos dessas novas iniciativas.

De acordo com Luciano Valle, CFO do Méliuz, o trimestre foi consideravelmente impactado por despesas não recorrentes. “Parte vem do resultado do M&A [fusões e aquisições] do bank, com o reconhecimento de certas despesas, outra está mais relacionada a forma que reconhecemos nossos talentos. Neste trimestre tínhamos posição de ações em tesouraria, a custo de aquisição, e com parte delas reconhecemos nossos funcionários. Foi algo excepcional. Tirando esses dois efeitos temos os resultados normalizados”.

Nesta frente, o UBS aponta que sem as despesas de R$ 8,7 milhões com M&As e sem os R$ 10,2 milhões das ações fornecidas a funcionários, o Méliuz registraria uma prejuízo líquido de R$ 15,2 milhões.

O diretor executivo, Israel Salmen, defendeu que um breakeven não acontece do dia para a noite.

“Criei um comitê de eficiência operacional, com todas as editorias listando pontos para melhorar despesas e também receitas. Listamos 70 tópicos e fizemos uma ordem de prioridade”, explicou Salmen. “Anteriormente, fizemos um trabalho educacional com todo o time, basicamente treinando todos sobre o que é um Ebitda e o que podíamos fazer para melhorar o nosso resultado operacional. No momento atual, faremos algo parecido. Nosso time cresceu muito e as pessoas não receberam essa educação. Estamos trazendo esse trabalho de novo”.

O Itaú BBA e o UBS BB possuem recomendação neutra para as ações ordinárias do Méliuz, com preço-alvo em R$ 1,40.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.