Indo às compras

Marfrig relata, nos EUA, participação de 27,8% no total de ações da BRF

Aquisição pode consolidar a Marfrig como a maior acionista da BRF e também aproximá-la da cláusula de "poison pill" da companhia

carne frango
(Shutterstock)

A Marfrig Global Foods S.A. (MRFG3) relatou uma participação beneficiária de 27,8% na BRF (BRFS3) nesta segunda-feira, 7. O documento foi arquivado na Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, com uma data de evento de 20 de maio de 2021.

Com a compra, a empresa passará a deter até 226.010.428 papéis da produtora de alimentos. A aquisição pode consolidar a Marfrig como a maior acionista da BRF e também aproximá-la da cláusula de “poison pill” da companhia.

O estatuto social da BRF determina que qualquer acionista que se torne titular de 33,33% das ações da empresa terá de divulgar este fato e lançar, em até 30 dias contados a partir da aquisição mais recente, uma oferta pública de aquisição (OPA) para todos os demais acionistas. O preço da OPA embutiria um prêmio de 40% sobre a média de preço das ações da BRF nos 120 dias anteriores e também nos 30 dias anteriores.

Leia também: Quanto faturam e quais marcas têm BRF, JBS, Marfrig e Minerva? Quadro compara frigoríficos e explica preferências dos analistas

Em comunicado, na semana passada, a BRF ressaltou que continua sendo uma empresa sem controlador definido, com ações dispersas no mercado.

Além da Marfrig, seus maiores acionistas são o Petros, fundo de pensão dos funcionários da Petrobras, o JPMorgan, a Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, e a Kapitalo Investimentos.

A Marfrig começou a avançar no capital da BRF nas últimas semanas, inicialmente comprando uma fatia de 24,23% da empresa, dona das marcas Sadia e Perdigão. Uma parte dessas ações veio da Previ, que desmontou parte de sua posição na BRF, antes em 9%.

Em curso gratuito de Opções, professor Su Chong Wei ensina método para ter ganhos recorrentes na bolsa. Inscreva-se já.