Comentário de Bolsa

Marcado por tragédia e “onda Marina”, Ibovespa tem melhor mês desde janeiro de 2012

Índice termina o mês com ganhos de quase 10%; no radar desta sexta-feira está o PIB decepcionante e os possíveis efeitos sobre a candidatura Dilma, além da expectativa pelo Datafolha

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O Ibovespa chegou a perder forças durante a manhã, mas voltou a ganhar forças e caminha para fechar esta sexta-feira (29) com alta de 1,65%, aos 61.288 pontos em uma sessão marcada pela divulgação do PIB (Produto Interno Bruto) do 2º trimestre, que colocou o Brasil em recessão técnica, e pela espera pelo Datafolha. Com isso, o índice fechou o mês de agosto com alta de 9,78%, sendo o melhor mês da Bolsa desde janeiro de 2012. Além disso, o Ibovespa chegou ao terceiro mês seguido de alta, sendo que o benchmark ficou no positivo em 5 dos últimos 6 meses.

Neste pregão, o grande destaque ficou para o PIB do segundo trimestre, que ficou abaixo do esperado pelo mercado, com queda de 0,6%, enquanto os investidores aguardam o Datafolha, que sairá hoje à noite no Jornal Nacional. As sinalizações são de que, com o PIB pior do que o esperado, a candidatura de Dilma Rousseff seja ainda mais pressionada. Conforme aponta a Rosenberg Consultores Associados, uma atividade ruim agrava o mais o cenário negativo para a candidata petista à reeleição e mostra a potencialização do “efeito Marina”.

Nos EUA, seguem os temores sobre os conflitos na Ucrânia, o que levou os principais índice a fecharem sem uma direção única. Na última quinta-feira, a Ucrânia acusou a Rússia de invadir o país após uma nova ofensiva na cidade de Novoazovsk, enquanto o presidente ucraniano afirmou que tropas da Rússia entraram em seu país em apoio a rebeldes pró-Moscou, em uma nova escalada do conflito separatista que já dura cinco meses. Ainda ontem, os EUA acusaram abertamente a Rússia de enviar forças de combate para a Ucrânia e ameaçaram endurecer as sanções econômicas.

Destaques de ações
Diante das expectativas eleitorais, as ações de bancos, com destaque para o Banco do Brasil (BBAS3) e Bradesco (BBDC4) tiveram fortes ganhos, de mais de 3%, enquanto a Petrobras (PETR3PETR4) se valorizou 3%. Com isso a petrolífera fechou agosto entre os maiores ganhos do Ibovespa, com alta de 22%, sendo seu melhor mês desde dezembro de 2007.

No radar corporativo, mais uma vez o holofote do mercado ficou para as “teles”. A espanhola Telefónica, dona da Vivo (VIVT4), disse que a operação e integração da operadora de banda larga da GVT com negócios no Brasil será rentável desde o primeiro dia, em um acordo que pode proporcionar sinergias mínimas de 4,7 bilhões de euros. As ações da Vivo registraram o maior ganho do índice, de mais de 8%. 

Segundo a companhia, a transação com deve ser concluída em meados de 2015 e colocará a subsidiária brasileira da Telefónica como a principal operador integrado com a maior quota de mercado em termos de receitas e números de acessos no mercado brasileiro. A oferta da Telefónica pela GVT foi de 7,45 bilhões de euros, dos quais 4,66 bilhões serão pagos em dinheiro e o restante ao equivalente a 12% das ações da empresa combinada.  

Enquanto isso, a MMX teve uma sessão bem volátil em seu último dia no Ibovespa. Além da saída da carteira teórica, a mineradora nomeou o diretor Ricardo Werneck como diretor presidente e de relações com investidores, em substituição a Carlos Gonzalez, que renunciou aos cargos, segundo fato relevante divulgado ontem. A terceira, e última, prévia da nova carteira do Ibovespa foi apresentada hoje de manhã e além da saída da mineradora, a Brookfield também foi retirada do índice, enquanto a Marcopolo é a novidade a partir de segunda-feira.

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 VIVT4 TELEF BRASIL PN47,85+9,07+11,76108,68M
 ELET3 ELETROBRAS ON8,15+5,30+46,3537,17M
 BBAS3 BRASIL ON EDR34,99+5,20+47,56518,36M
 CSAN3 COSAN ON46,50+4,61+18,64110,40M
 PETR3 PETROBRAS ON22,14+3,22+43,41610,18M

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 JBSS3 JBS ON10,12-3,25+16,55104,86M
 ENBR3 ENERGIAS BR ON11,30-1,99+6,9018,16M
 CSNA3 SID NACIONAL ON9,82-1,41-31,7158,94M
 KLBN11 KLABIN S/A UNT N211,37-1,30n/d33,44M
 ELPL4 ELETROPAULO PN N210,30-1,25+15,156,60M

PUBLICIDADE

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 CódigoAtivoCot R$Var %Vol1Vol 30d1Neg 
 PETR4 PETROBRAS PN23,35+2,411,30B991,01M59.040 
 BVMF3 BMFBOVESPA ON13,50+3,13624,39M141,30M27.915 
 PETR3 PETROBRAS ON22,14+3,22610,18M295,07M35.174 
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN40,36+2,28544,82M381,75M22.975 
 BBAS3 BRASIL ON EDR34,99+5,20518,36M214,97M25.035 
 VALE5 VALE PNA25,97-0,61490,08M361,27M44.318 
 BBDC4 BRADESCO PN40,84+2,48437,90M254,52M21.896 
 ABEV3 AMBEV S/A ON16,30-0,18316,77M187,04M22.226 
 KROT3 KROTON ON67,05+2,90273,12M140,40M9.146 
 CIEL3 CIELO ON41,96+1,28266,28M152,54M12.424 

* – Lote de mil ações
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão) 

Tragédia marca o mês
O início de agosto não chegou a registrar nenhuma grande surpresa para o mercado, que continuava seguindo praticamente apenas o noticiário eleitoral, onde algumas pesquisas eleitorais ainda animavam os investidores em alguns pregões, mesmo que com menos força que no início do rali. Enquanto isso, o final da temporada de resultados também impactou algumas sessões da Bovespa.

Já no ambiente externo, a piora de conflitos militares e a expectativa sobre a alta de juros nos EUA ficaram no centro do noticiário. Enquanto a Ucrânia e a Rússia seguiam o impasse sobre o domínio da região, os EUA e alguns países europeus anunciaram diversas sanções aos russos, mas isso levou ao aumento das tensões, principalmente após notícias dizerem que veículos russos teriam entrado na Ucrânia sem autorização.

Enquanto isso, o conflito na Faixa de Gaza e no Iraque também preocupavam. Nos últimos dias, após diversas tentativas fracassadas, os líderes do Hamas aceitaram um cessar-fogo ilimitado em Gaza, o que trouxe alívio para os mercados. Enquanto isso, os EUA seguem olhando para o Iraque, sendo que no início do mês os norte-americanos chegaram a fazer um ataque ao país, o que preocupou os investidores sobre um possível novo conflito.

A “virada” do jogo
O trágico acidente ocorrido no dia 13 de agosto com o candidato do PSB à presidência, Eduardo Campos acabou mudando completamente o cenário do mercado. Após alguns dias de choque, especulações começaram a indicar que Marina Silva seria a substituta e seria a candidata do partido para as eleições, o que trouxe um folego novo para as ações da Bolsa, que já não subiam tanto com o rali eleitoral.

Para se ter uma ideia, dos 9,78% que o índice subiu no mês, mais de 7% ocorreram após a morte de Campos. Muito desse otimismo com a mudança se deve ao que tem sido comprovado pelas pesquisas eleitorais, que mostram Marina Silva no segundo lugar na disputa eleitoral, com ampla vantagem sobre o terceiro colocado, Aécio Neves, enquanto em um possível segundo turno a candidata do PSB venceria contra Dilma Rousseff.

Boa parte da alta de agosto ocorreu apenas nesta última semana, com o Ibovespa impulsionado pelo desempenho de Marina Silva nas pesquisas Ibope e CNT/MDA, além do primeiro debate, ocorrido na terça-feira, onde muitos destacaram que a candidata se saiu muito bem contra seus adversários.

PUBLICIDADE