Novos desafios

Lockdown em Xangai desacelera comércio de carne

Desafio de transportar alimentos dentro e nos arredores de Xangai, onde os moradores estão em isolamento, assinala problemas semelhantes em outras cidades

Por  Reuters -

PEQUIM (Reuters) – O lockdown prolongado em Xangai, centro financeiro da China, está desacelerando o normalmente crescente comércio de carne do país, com medidas rigorosas de Covid-19 causando bloqueios logísticos em toda a indústria de alimentos, em um sinal de maiores interrupções nos negócios.

O desafio de transportar alimentos dentro e nos arredores de Xangai, onde os moradores estão em isolamento domiciliar estressante de um mês, assinala problemas semelhantes em muitas outras cidades chinesas, pois Pequim persiste com sua controversa estratégia de zero Covid, apesar dos crescentes riscos para sua economia.

A China é o maior comprador de carne do mundo, tendo importado mais de 9 milhões de toneladas no ano passado, no valor de cerca de 32 bilhões de dólares. Xangai responde pela maior parte das importações.

Comerciantes se apoiam na localização ideal de Xangai para distribuir produtos em todo o país, mas desde que um surto de casos de Covid-19 forçou um bloqueio na cidade no final de março, a movimentação de produtos refrigerados ou congelados se tornou uma dor de cabeça cara.

“Descarregar contêineres está indo bem. O verdadeiro problema é a logística fora do porto, conseguir que caminhões e motoristas retirem o produto”, disse Soeren Tinggaard, vice-presidente do Pinggu Retail & Foodservice para o processador de carne suína Danish Crown.

Testes frequentes de Covid, longas quarentenas e tempo de espera para entrar em Xangai mantiveram muitos motoristas afastados, enquanto menos caminhões refrigerados estão disponíveis devido a requisitos especiais de licenciamento.

IMPORTAÇÕES PRESSIONADAS

Outros produtos alimentícios, incluindo laticínios e óleos comestíveis, também têm ficado presos no porto de Xangai, enquanto as importações de carne bovina para a cidade caíram 23% em março em relação ao ano anterior.

Em conjunto com outras cidades sob restrições da Covid-19, os dados sugerem que exportadores de alimentos como Brasil, Estados Unidos e Austrália estão enfrentando pressão em seu comércio com a segunda maior economia do mundo.

As exportações australianas de carne bovina para a China caíram 10% ano a ano em março, quando o lockdown havia acabado de começar, enquanto as importações gerais de carne suína caíram 70%.

As importações de carne suína podem cair até 30% este ano por causa dos problemas de logística, em comparação com uma estimativa anterior de 10%, disse Pan Chenjun, analista sênior do Rabobank.

A processadora de carne dos EUA Tyson Foods disse esta semana que desviou os embarques de carne para outros mercados até que a situação melhore. Exportadores brasileiros cancelaram embarques e pararam de reservar novas cargas, disse uma fonte à Reuters.

‘NOVO DESAFIO’ TODOS OS DIAS

Por enquanto, o consumo muito mais fraco devido às restrições da Covid está mantendo os preços sob controle, embora isso possa se tornar um problema quanto mais os bloqueios persistirem.

“Todas essas questões de logística estão adicionando custos à cadeia de suprimentos, o que acaba levando à inflação de alimentos”, disse Andrew Cox, gerente geral de mercados internacionais em Cingapura da Meat and Livestock Australia.

Alguns comerciantes estão redirecionando os produtos para outros portos na China, mas as entregas são lentas e, mesmo assim, os custos estão aumentando à medida que as cidades intensificam seus próprios protocolos contra a Covid.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe