Klabin (KLBN11): compra bilionária de ativos é positiva e reduz dependência de terceiros; units sobem 2,26%

Acordo de US$ 1,16 bi acelera o fornecimento próprio de madeira e é visto como gerador de valor para empresa

Felipe Moreira

Publicidade

A Klabin (KLBN11) anunciou na noite de quarta-feira (20) a compra de ativos florestais da Arauco no Paraná por US$ 1,16 bilhão. O valor bilionário da transação chama a atenção dos analistas, que projetam o que esperar para os ativos após a operação. Nesta quinta pós-transação, as units KLBN11 subiram 2,26%, a R$ 21,75.

De acordo com a XP Investimentos, o acordo acelera o próprio fornecimento de madeira da Klabin, que anteriormente se esperava que ocorresse plenamente apenas até ao final da década.

O investimento compreende a compra de 85 mil hectares de áreas florestais produtivas localizadas majoritariamente no Estado do Paraná e 31,5 milhões de toneladas de madeira em pé (volume esperado), além de máquinas e equipamentos florestais.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O time de análise da XP acredita que a aquisição gere valor (VPL, ou Valor Presente Líquido, estimado de R$ 1,5 bilhão, ou 6% do valor de mercado atual), com base em três pilares principais: (i) aceleração do fornecimento de madeira própria, reduzindo as necessidades de investimentos nos próximos anos; (ii) monetização do excesso de terra após a colheita da madeira; e (iii) redução dos custos caixa apoiada pela otimização dos custos logísticos.

Em relação à alavancagem financeira, a XP espera que os níveis de dívida líquida/Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) da Klabin aumentem para cerca de 4,0 vezes após a aquisição (abaixo do limite de 4,5 vezes da Klabin durante as fases de expansão), com a empresa desalavancando progressivamente até 2026 e 2027, quando projeta que a empresa atinja os mesmos níveis de alavancagem de 2,7 vezes de antes do projeto (após incorporar parte das vendas de terrenos e otimização de capex/custos).

O JPMorgan avalia a transação faz sentido comercial e é um seguro para os negócios da Klabin, pois reduz a dependência da empresa em relação a madeira de terceiros.

Continua depois da publicidade

Dos 85 mil hectares, a companhia utilizará a maior parte de sua floresta, deixando apenas cerca de 15 mil hectares com a empresa. Os cerca de 60 mil hectares restantes devem estar disponíveis para venda a médio e longo prazo. O projeto também inclui 31,5 milhões de toneladas de madeira em pé e maquinário florestal. A Klabin também compartilhou que, com essa aquisição, a autossuficiência em eucalipto, inicialmente prevista para 2029, deverá ser antecipada para 2024.

Após a colheita do ciclo atual de madeira, a Klabin ultrapassaria a meta de autossuficiência de 75% em seus próprios bosques em cerca de 60 mil hectares produtivos. A administração enfatizou que possui níveis sólidos de caixa para apoiar a aquisição e que a alavancagem deve aumentar entre 0,7 a 0,8 vez até 2024, aproximando-se da meta de 4,5 vezes nos ciclos de investimento.

No geral, o JPMorgan avalia a aquisição como positiva e espera uma reação positiva do mercado.

A XP Investimentos reitera recomendação neutra na Klabin, respaldado principalmente por níveis de valuation pouco atraentes (múltiplo EV/Ebitda 2024 de 7,4 vezes). O JPMorgan também mantém recomendação neutra e preço-alvo de R$ 24.