Juros: Taxas recuam alinhadas à queda dos retornos dos Treasuries

O mercado manteve um olho também no noticiário fiscal.

Estadão Conteúdo

(Getty Images)

Publicidade

Os juros futuros fecharam a sessão em baixa, alinhados ao sinal das taxas dos Treasuries. A agenda doméstica esteve limitada, mas o noticiário fiscal ficou no radar numa semana de grande expectativa para as votações no Congresso.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2025 encerrou em 10,415%, de 10,438% no ajuste de sexta-feira, e a do DI para janeiro de 2026 caiu de 10,16% para 10,08%. O DI para janeiro de 2027 terminou com taxa de 10,21% (de 10,33% na sexta-feira) e a do DI para janeiro de 2029, em 10,63% (mínima), de 10,76%.

Após as taxas terem encerrado a semana passada com alta moderada a partir dos vértices intermediários, o mercado hoje testou maior exposição ao risco, autorizada pelo cenário internacional ameno e emitindo sinais que endossam a ideia do fim de alta de juros nos Estados Unidos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

As vendas de moradias novas no país tiveram inesperada contração em outubro e o índice de atividade empresarial regional do Federal Reserve (Fed) de Dallas caiu a -19,9 em novembro de -19,2 pontos em outubro. Os retornos dos Treasuries, já em queda antes dos dados, aprofundaram o ritmo. Novas mínimas viriam à tarde, após o leilão dos papéis de 5 anos, ainda que com demanda abaixo da média. No fim da tarde, a taxa da T-Note de dez anos estava abaixo de 4,40%.

“O exterior deve dar a tônica da semana para o mercado de juros, com a agenda norte-americana bastante carregada”, afirma Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco Mizuho, destacando que na quinta-feira sai o índice de preços dos gastos com consumo (PCE, em inglês), medida favorita de inflação do Federal Reserve.

O mercado manteve um olho também no noticiário fiscal. Pela manhã, saiu a arrecadação de outubro, de R$ 215,6 bilhões, levemente acima da mediana das estimativas de R$ 212,6 bilhões, mas o maior interesse do investidor é na agenda de votações do Congresso na semana. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), confirmou que estão previstas para amanhã as votações em plenário do projeto de lei que prevê a taxação dos fundos de alta renda e offshores e do texto que regulamenta a tributação das apostas esportivas.

Continua depois da publicidade

Outro tema caro ao mercado é a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre os precatórios. A corte iniciou julgamento que vai decidir se governo poderá abrir crédito extraordinário ainda em 2023 para quitar R$ 95 bilhões em precatórios. O julgamento foi suspenso por um pedido de vista do ministro André Mendonça, mas já há maioria para autorizar a medida. O relator Luiz Fux e os ministros Luís Roberto Barroso, Edson Fachin e Cármen Lúcia votaram para atender o pedido da Advocacia-Geral da União (AGU). Os ministros Dias Toffoli e Alexandre de Moraes anteciparam seus votos após Mendonça pedir vista, mais cedo. O julgamento continua suspenso e ainda faltam os votos de quatro ministros.

A autorização encaminhará uma solução sobre o futuro do pagamento de precatórios vista como satisfatória para a equipe econômica. Embora não atenda integralmente ao pedido da Fazenda, a alternativa dá a chance de o governo Lula quitar o passivo gerado pela ‘PEC dos Precatórios’ e terminar o primeiro ano de mandato com o problema melhor endereçado.

“A solução dada pelo relator, o ministro Luiz Fux, parece ir na linha de tirar os pagamentos da regra fiscal sem alterar a contabilização das despesas, o que me parece positivo”, disse o sócio fundador da Oriz Partners e ex-secretário do Tesouro Carlos Kawall.