Juros: Taxas curtas têm viés de alta e longas ficam estáveis em dia de IPCA-15

Na área fiscal, o superávit primário do Governo Central de R$ 18,277 bilhões em outubro ajudou a aliviar a ponta longa do DI

Estadão Conteúdo

(GettyImages)

Publicidade

Os juros futuros fecharam com viés de alta nos vencimentos de curto e médio prazos e estáveis no longo, com o mercado adotando uma postura mais defensiva na reta final dos negócios.

Em boa parte da tarde, porém os curtos ficaram perto da estabilidade e os longos recuavam, refletindo a agenda doméstica e o alívio na curva dos Treasuries.

O IPCA-15 de novembro superou a mediana das projeções, mas trouxe leitura favorável dos preços de abertura. Por isso, o dado não alterou o cenário de apostas para a política monetária e as taxas curtas acabaram oscilando entre margens estreitas. As longas se apoiaram nos Treasuries, na queda do dólar e no superávit primário do Governo Central acima da mediana das estimativas.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 20225 encerrou em 10,450%, de 10,40% ontem no ajuste, e a do DI para janeiro de 2026 passou de 10,07% para 10,13%. O DI para janeiro de 2027 terminou com taxa de 10,23%, de 10,21% ontem no ajuste, e a do DI para janeiro de 2029 fechou em 10,63% (de 10,64%).

Na primeira parte da sessão, os juros subiam em bloco, refletindo as reações iniciais ao IPCA-15 e o avanço das taxas americanas. Os yields respondiam à alta maior do que a esperada da confiança do consumidor nos EUA e com alguma cautela antes de discursos de dirigentes do Federal Reserve programados para o dia.

Mais tarde, as taxas nos EUA inverteram o sinal e passaram a cair após o diretor Christopher Waller dizer que está cada vez mais confiante de que a política monetária está em posição para retornar inflação à meta de 2%. Com isso, cresceu a probabilidade de juros estáveis na reunião do Federal Reserve em dezembro (93% para 99%) e a de corte de 100 pontos-base a partir de maio até dezembro de 2024. A taxa da T-Note de 2 anos rodava em 4,73% no fim da tarde, menor nível desde julho.

Continua depois da publicidade

Sobre o IPCA-15, após o susto inicial, o mercado foi digerindo melhor a inflação de 0,33% ao longo do dia. Apesar de ter subido acima da mediana das estimativas (0,30%), os preços de abertura agradaram. A surpresa foi atribuída a itens voláteis, como passagens aéreas e alimentação, o que não compromete a tendência de desinflação em curso, ainda que a ritmo lento. Em 12 meses, o IPCA-15 desacelerou a alta de 5,05% para 4,84%.

A economista-chefe do TC, Marianna Costa, afirma que, se a inflação seguir nesta trajetória, pode ganhar força um cenário alternativo de aceleração do ritmo de cortes da Selic nas reuniões do Copom do primeiro trimestre de 2024. Até porque o corte de 0,5 ponto está dado e o mercado normalmente busca alguma opção de ganho em caso de surpresa. “Já estamos perto do Copom (dia 10) e, a depender dos dados que sairão até lá, o cenário alternativo de queda de 0,75 tende a se consolidar, especialmente se esta dinâmica do IPCA for se repetindo. Talvez o BC não se sinta confortável para acelerar em dezembro, mas em janeiro é possível”, disse.

A diretora de Assuntos Internacionais do Banco Central, Fernanda Guardado, em evento hoje promovido pelo Morgan Stanley, reiterou a indicação de cortes de 0,5 ponto na Selic nas próximas reuniões e disse que a reavaliação do ritmo exigiria surpresas “relevantes”. Segundo a diretora, até agora o cenário se desenrola conforme a autoridade monetária esperava. Mas alertou que, a depender da evolução dos dados, ajustes podem ser feitos.

Na área fiscal, o superávit primário do Governo Central de R$ 18,277 bilhões em outubro ajudou a aliviar a ponta longa do DI, ao ficar acima da mediana das estimativas (R$ 15,5 bilhões), na esteira da surpresa positiva da arrecadação, ontem. “Por mais que a melhora possa ter sido pontual, não deixa de contribuir para o alívio”, disse Costa, lembrando que o clima fiscal melhorou depois da manutenção da meta fiscal no relatório final da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) a ser votado na Comissão Mista de Orçamento (CMO).