Juros futuros sobem na contramão do exterior em dia de ajustes após 4 sessões de queda

Investidores ficam à espera de dados e eventos econômicos importantes para o restante da semana

Reuters

(Pexels)

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – Após quatro sessões consecutivas em queda, as taxas dos DIs passaram por ajustes e fecharam em alta nesta segunda-feira, na contramão do exterior, onde os rendimentos dos Treasuries cediam, com investidores à espera de dados e eventos econômicos importantes para o restante da semana.

Pela manhã, o Tesouro informou que o governo central registrou em 2023 déficit primário de 230,535 bilhões de reais, o que representa um rombo de 2,1% do Produto Interno Bruto do Brasil, após o superávit pontual de 0,5% do PIB em 2022.

Composto pelas contas de Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social, o governo central teve no ano passado o segundo pior déficit primário da série histórica iniciada há 26 anos. O déficit primário reflete a diferença entre receitas e despesas, sem contar os gastos com juros da dívida pública.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O resultado negativo foi em grande parte resultado da quitação de precatórios pelo governo, no valor de 92 bilhões de reais em dezembro, após o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir que o teto criado pelo governo do então presidente Jair Bolsonaro para esses pagamentos era inconstitucional.

Apesar do forte resultado primário negativo, o impacto na curva de juros brasileira nesta segunda-feira, conforme alguns profissionais, não foi tão direto. Isso porque o mercado já esperava pelo forte resultado negativo em função do pagamento de precatórios e, na prática, o déficit já estava no preço.

Assim, o que se viu nesta segunda-feira foi certa recomposição de posições, após a curva a termo fechar nas quatro sessões anteriores.

Continua depois da publicidade

A taxa para o contrato de janeiro de 2027, por exemplo, havia cedido cerca de 20 pontos-base em quatro dias, para nesta segunda-feira se recuperar em 5 pontos-base.

Este ajuste de posições ocorreu antes da divulgação de dados econômicos importantes no Brasil e no exterior e da chamada “superquarta”, quando o Federal Reserve e o Banco Central brasileiro decidirão sobre suas taxas de juros.

No caso do Fed, a expectativa é de manutenção dos juros na faixa de 5,25% a 5,50% ao ano, mas investidores estarão atentos a pistas sobre quando a instituição iniciará o ciclo de cortes — em março ou em maio.

No Brasil, a perspectiva é de novo corte de 0,50 ponto percentual da taxa básica Selic, hoje em 11,75% ao ano, com o BC mantendo o horizonte de novas reduções de meio ponto percentual nas reuniões seguintes de política monetária.

Perto do fechamento desta segunda-feira a curva a termo precificava 98% de chances de o corte da taxa básica Selic na quarta-feira ser de 0,50 ponto percentual.

No fim da tarde a taxa do DI para janeiro de 2025 estava em 9,975%, ante 9,955% do ajuste anterior, enquanto a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 9,665%, ante 9,619% do ajuste anterior.

Já a taxa para janeiro de 2027 estava em 9,84%, ante 9,786%, enquanto a taxa para janeiro de 2028 estava em 10,115%, ante 10,052%. O contrato para janeiro de 2031 marcava 10,53%, ante 10,477%.

No exterior, além da expectativa em torno da decisão do Fed, as atenções recaem sobre o possível anúncio nesta semana de novos leilões de títulos do Tesouro dos EUA, o que também pode impactar a curva de juros norte-americana.

Às 16:38 (de Brasília), o rendimento do Treasury de dez anos –referência global para decisões de investimento– caía 6,30 pontos-base, a 4,0969%.

No Brasil, sem impactos da curva, o ministro da Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou nesta segunda-feira que o debate sobre reoneração da folha de pagamentos continua como parte da agenda prioritária para o novo ano legislativo. Segundo ele, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, segue discutindo o tema com os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).