“Juniors oils” devem ter 4º tri pior na base sequencial, mas ainda forte: qual se destacará?

Recuo do preço do barril de petróleo deve pesar no resultado das companhias e destaque fica para operações

Vitor Azevedo

(Getty Images)

Publicidade

A PetroReconcavo (RECV3) é a primeira empresa brasileira do setor de óleo e gás a divulgar, nesta terça-feira (5), seu resultado do quarto trimestre, que deve ser mais um período positivo para o setor, mas mais fraco na base sequencial e com diferenças operacionais pesando nas companhias. A 3R Petroleum (RRRP3) torna seus números públicos no dia 6 e a PRIO (PRIO3) no dia 13.

O preço do petróleo durante o período que vai de outubro a dezembro do ano passado continuou em patamares elevados, apesar de ter caído frente ao mês de setembro, quando a tensão no Oriente Médio impulsionou o valor para cima. Levando em conta a média dos fechamentos de todos os dias do quarto trimestre, o barril Brent teve preço de US$ 82,85.

“Para o quarto trimestre deste ano, esperamos, em geral, resultados positivos para as ‘Juniors’, companhias produtoras de petróleo e gás especializadas na recuperação de campos maduros, com um cenário ainda favorável para o setor, mas sutilezas para cada empresa”, comenta o time do Itaú BBA, encabeçado por Monique Greco Natal. “Tivemos um ambiente ainda favorável para as produtoras independentes de petróleo, com um preço médio do petróleo de US$ 83 por barril (4% abaixo do trimestre anterior)”. 

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Com isso em vista, as diferenças entre os resultados das juniores ficarão, para os analistas, mais para o lado operacional – sendo que a PRIO deve ser o destaque positivo, apesar de sentir também o impacto do recuo do Brent. O BBA, por exemplo, expõe que a PRIO deve ter um “resultado limpo com números sólidos”, apesar de enxergar também uma queda das vendas pela companhia. 

“Deveremos ver números suaves para a PRIO em uma base trimestral, principalmente devido a offtakes [contratos de compra mínima garantida] mais fracos, com queda de 13% e apesar da produção estável. Vemos a receita líquida caindo 20%, também impulsionada pelos preços mais baixos do Brent”, diz a equipe da XP, liderada por André Vidal.

Os analistas do Bradesco BBI vão no mesmo sentido, falando do recuo dos offtakes ao comentar a PRIO. Eles, no entanto, são mais pessimistas ao falarem dos resultados do quarto trimestre, definindo-os como possivelmente “medíocres”.  “As quedas sequenciais relacionadas aos preços do petróleo, bem como a paralisação para manutenção de ativos, devem afetar os resultados da PetroRecôncavo, bem como os menores offtakes para a PRIO”, explicam.

Continua depois da publicidade

Sobre PetroRecôncavo, a XP explica que a interrupção temporária da produção de petróleo e gás natural associado à parada operacional no ativo industrial de Guamaré levou a produção a diminuir em 9% trimestralmente. 

Já a 3R, de acordo com a corretora, deve trazer um resultado melhor no seu segmento de exploração, com volume de produção e vendas de petróleo compensando o recuo do Brent. No entanto, no refino, a empresa deve sofrer pelo impacto das paradas de manutenção, com a refinaria Clara Camarão, por exemplo, tendo ficado parada durante todo o quarto trimestre. 

Com esses fatores, todas as três principais juniors devem ter a maioria dos números caindo na base trimestral. 

Para a PetroRecôncavo, o consenso da LSEG para a receita líquida é de R$ 727,5 milhões, queda de 2,7%, para o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês), de R$ 326,6 milhões, recuo de 13,4%, e para o lucro líquido, de R$ 183,9 milhões. O lucro líquido, no entanto, deve saltar 26%, para R$ 183,9 milhões, com ajuda dos menores gastos financeiros. 

Na mesma ordem, para a 3R, as projeções são de R$ 1,6 bilhão, menos 28,1%, R$ 691,9 milhões, menos 16,4%, e R$ 254,9 milhões, revertendo prejuízo do terceiro trimestre, 

Para a PRIO, a receita deve cair 24%, para R$ 3,04 bilhões, o Ebitda 28,3%, para R$ 2,2 bilhões, e o lucro, 27,1%, para R$ 1,18 bilhão.