JPMorgan vê petróleo a US$ 80 no longo prazo e lista efeitos na economia e em ações do Brasil

Banco cita aumento da importância do petróleo no PIB brasileiro; para ações, cita cautela com Petrobras e coloca PRIO como preferida

Felipe Moreira

(Getty Images)

Publicidade

O JPMorgan projeta que os preços do petróleo devam permanecer em uma média de US$ 83 por barril em 2024 e US$ 75 por barril no próximo ano. O banco espera que as adições à demanda diminuam de 1,9 milhão de barris em média para 1,6 milhão em 2024 e 1 milhão em 2025. Com isso, a narrativa deve ser mais impulsionada pela oferta, uma vez que os preços elevados estimularam a produção. O crescimento da oferta vem principalmente de fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+), com os Estados Unidos sendo um forte contribuinte, seguido por Canadá, Guiana e Brasil.

A médio e longo prazo, por outro lado, o banco acredita que os preços do petróleo devam ficar em torno de US$ 80 por barril porque: 1) a transição energética deve impor barreiras ao crescimento da oferta; 2) as empresas têm menor acesso a capital para investir na abertura e manutenção de campos de petróleo e 3) as empresas, especialmente as listadas, comprometeram-se a aumentar a remuneração aos acionistas por meio de recompras de ações e dividendos, consumindo assim parte do Fluxo de Caixa Livre (FCF).

Além disso, as empresas estão investindo na transição energética, o que retira dinheiro do negócio principal. Como consequência desses três efeitos principais, o JPMorgan vê as empresas de petróleo com menos dinheiro para gastar na manutenção e no aumento da capacidade de produção.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Efeito no Brasil

O JPMorgan destrinchou o efeito das perspectivas para o petróleo em várias áreas da economia brasileira e para as ações da B3. Sobre a inflação, o banco espera que os preços da gasolina devam subir porque o ICMS (imposto estadual) deverá ter elevação em fevereiro.

Já sobre o PIB, o JPMorgan ressalta que o petróleo correspondeu a 3% da atividade em 2021, mas este número provavelmente é maior hoje. Se a previsão de produção da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) estiver correta para este ano (um aumento de 15%), poderá acrescentar 0,5% ao PIB.

O efeito na balança comercial pode ser significativo. “Em geral, o Brasil não estava associado ao ciclo do petróleo porque há menos de 10 anos o país era um importador líquido de petróleo, mas agora tornou-se um importante exportador. O saldo no setor para o Brasil foi um superávit de quase US$ 30 bilhões em 2023, correspondendo a quase um terço dos US$ 100 bilhões do superávit comercial recorde. No futuro, o petróleo poderá tornar-se um protagonista ainda maior no na frente externa, considerando que a produção cresce ao mesmo tempo que cresce o refino local, junto com fontes alternativas de energia”, avalia. Assim, afirma que o petróleo se tornará o novo agro no que diz respeito às contas externas.

Continua depois da publicidade

O petróleo também é um importante impulsionador das receitas. Por exemplo, em 2022, o mercado esperava um resultado primário negativo e houve o primeiro superávit primário em anos, e uma parcela significativa dele foi relacionada ao petróleo.

Para o ambiente de condução dos preços pela Petrobras, o banco espera que os preços globais diminuam um pouco e, quando isso acontecer, será mais fácil, política e socialmente, gerir os preços na bomba. “A parte complicada, não apenas no Brasil, mas na maioria dos países, é quando os preços sobem substancial e rapidamente, que é um ambiente que não prevemos”, avalia.

No geral, o banco americano possui uma visão otimista para as ações no Brasil (overweight, exposição acima da média, em América Latina), devido a taxas de juros mais baixas como catalisadoras dos mercados, valuation barato, destino atrativo para fluxos estrangeiros (como em 2023, como alternativa à China em momentos de otimismo de risco). A situação fiscal é sempre uma questão, mas os investidores já se mostram cientes desse risco.

Especificamente sobre o setor de petróleo, o banco disse preferir as empresas juniores porque as histórias bottom-up (em que se analisa a empresa específica, dando menos espaço para o macro) são interessantes, mas mantendo uma visão mais neutra para o setor em geral por causa de Petrobras (PETR4). A principal escolha do banco é a PRIO (PRIO3), uma vez que a empresa se desvinculou em certo grau, tornando-se a mais sênior das empresas juniores de petróleo, aumentando a produção com um histórico sólido e grande potencial para o futuro. Analistas também disseram gostar da 3R Petroleum (RRRP3), “uma empresa menos madura e altamente descontada”.

Em relação à Petrobras, o banco mantém classificação neutra, embora reconheça que a ação parece barata. Mas, especificamente no setor de petróleo, o rendimento e os dividendos são de extrema importância – e há incerteza em torno disso.

“A empresa teve muitas boas notícias em 2023, mas isso já foi incorporado”, destacam os analistas. “O fator positivo agora é que, com o petróleo permanecendo nos níveis atuais, a pressão e as manchetes negativas sobre a Petrobras diminuem”, completam.

A expectativa está no montante dos dividendos extraordinários a serem pagos. Considerando 2024 como base, o banco espera US$ 11 bilhões como mínimo a ser pago, o que representa um rendimento de cerca de 10%. Consideramos seu FCF total como um teto potencial para dividendos, que deve estar próximo de US$ 24 bilhões (rendimento de 23%). “O potencial para dividendos extraordinários, portanto, parece alto”, comenta o banco. “No entanto, há um fator adicional: a administração criou uma conta de reserva de dividendos, que pode absorver parte desse caixa adicional em vez de ser pago aos acionistas como dividendos.”