JPMorgan rebaixa Vale (VALE3) para neutra e vê rali superando fundamentos; Gerdau (GGBR4) é cortada por JP e Goldman

Analistas veem múltiplos das companhias a valores justos e não enxergam mais tantos catalisadores para as ações

Lara Rizério

Mineração da Vale em Minas Gerais (Mario Tama/Getty Images)

Publicidade

Após um forte rali com a tese de reabertura da China, as ações de mineradoras e de siderúrgicas, notoriamente da Vale (VALE3), tiveram uma “acomodação” nas últimas semanas. A Vale, após fechar a R$ 98 no dia 26 de janeiro, encerrou o pregão da véspera a R$ 88,72, ou uma queda de 9,5%, com muitos agentes de mercado já vendo como precificada a tese mais otimista de recuperação do gigante asiático.

Neste sentido, o JPMorgan reduziu a recomendação para os ativos da Vale, assim como os da siderúrgica Gerdau (GGBR4) e a holding Metalúrgica Gerdau (GOAU4), de equivalente à compra (overweight, exposição acima da média do mercado) para neutra. O preço-alvo para VALE3 é de R$ 93, para GGBR4 é R$ 32,50 e para GOAU4 é de R$ 13.

Os analistas do banco também mudaram a sua ordem de preferência no setor, sendo Ternium (cuja ação é negociada no mercado americano) agora a top pick, seguida por CSN (CSNA3), com maior potencial de valorização após aquisições no segmento de cimento e energia, Vale, Gerdau e Usiminas (USIM5).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Além do JP, o Goldman Sachs também cortou a recomendação de Gerdau para neutra (veja mais abaixo), o que leva a uma reação fortemente negativa dos ativos GGBR4 nesta sessão. Às 10h08 (horário de Brasília), os ativos GGBR4 chegaram a cair 5,78%, a R$ 29,34, para depois entrarem em leilão. Já a Vale registrava queda mais amena, de 1,10%, a R$ 87,74, às 10h13.

“Hora da parada”

Entre os segmentos de commodities, os analistas do JP destacam continuarem preferindo petróleo e gás ao minério e siderurgia. Já papel e celulose é o menos preferido.

O JP traçou um paralelo com a Fórmula 1 para rebaixar a recomendação de Vale e Gerdau. “Na Fórmula 1, mesmo estando na liderança, você sempre precisará fazer um ‘pit stop’ para se preparar para a próxima etapa da corrida. Tanto a Vale quanto a Gerdau tiveram corridas muito fortes nos últimos meses (+40% e +35%, respectivamente, desde as mínimas), e agora é hora de ir para o box, a nosso ver”, aponta o banco.

Continua depois da publicidade

Os analistas acreditam que haverá melhores oportunidades de entrada nessas ações em 2023, quando a reabertura da China se tornar um fator mais relevante para as commodities.

No caso de Vale, a equipe de análise aponta que o sentimento positivo com a reabertura da China superou os fundamentos do minério de ferro, uma vez que estes fundamentos não mudaram materialmente. A demanda por aço pela China tem sido fraca e os analistas esperam queda de 1,0% na produção anual.

Enquanto isso, a oferta de minério de ferro deve se recuperar sazonalmente à medida que as chuvas diminuem no Brasil. “Acreditamos que há muito sentimento positivo já precificado na cotação do minério e esperamos que os preços sejam corrigidos no segundo trimestre de 2023 (2T23)”, apontam os analistas. As ações da Vale seguiram o rali do minério de ferro e negociam agora a 4,8 vezes o EV/Ebitda (valor da empresa sobre o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) versus níveis justos de 4,5 a 5 vezes.

O banco projeta a commodity a US$ 95 a tonelada no ano de 2023, versus o preço spot de US$ 122 a tonelada. “No curto prazo, os resultados do 1T23 e potenciais anúncios de dividendos podem ser um catalisador para os preços das ações,
mas no médio prazo, o momentum do minério de ferro deve assumir o comando”, apontam.

No caso da Gerdau, a visão é de um ano de normalização. “A siderúrgica tem reportado bons resultados nos últimos anos e o tema para 2023 é a velocidade e o nível de normalização. Embora esperemos que os ganhos se estabilizem em patamares muito mais altos níveis do que os ciclos anteriores, o ímpeto de ganhos ainda é para baixo”, avaliam os analistas.

Os preços das ações também subiram e a Gerdau está sendo negociada atualmente a 4,0 vezes a 4,8 vezes o EV/Ebitda, versus os níveis justos de 4,5 vezes a 5 vezes. O banco vê potencial limitado de valorização aos preços atuais e, uma vez que o ímpeto de ganhos se deteriore, os preços das ações devem acompanhar. Enquanto isso, a reforma de alto-forno da Gerdau  deve pressionar ainda mais o fluxo de caixa livre da companhia.

Já para a Metalúrgica Gerdau, pagamentos extraordinários de dividendos são o principal ponto para os preços das ações no curto prazo.

Além do JPMorgan, o Goldman Sachs também rebaixou as ações da Gerdau de compra para neutro.

“Desde que foi adicionada à nossa ‘lista de compra’ em 9 de dezembro de 2021, a GGBR4 subiu 8% (versus alta do Ibovespa de 3%), superando o desempenho médio do setor de aço da América Latina em 35% e do setor de materiais básicos da região  em 16%. No entanto, agora acreditamos que risco/recompensa é mais equilibrado, vemos catalisadores positivos limitados a partir daqui”, apontam.

Mais especificamente, os analistas acreditam que a combinação de enfraquecimento da lucratividade em seus principais mercados (EUA e Brasil), juntamente com o aumento do investimento em capital, limitará a capacidade da empresa de retornar valor aos acionistas.

“Agora vemos a Gerdau entregando um rendimento de fluxo de caixa livre de 14-4% em 2023-2024 (ou 9% em uma base normalizada), o que vemos como garantido. Continuamos a reconhecer os interessantes catalisadores de valor de longo prazo da empresa (diversificação regional, qualidade de ativos e forte posição de balanço), mas vemos um potencial de valorização limitado”, avalia o banco.

O Goldman cortou ainda o preço-alvo de R$ 38 para R$ 31, de forma a refletir a expectativa de maior capex (investimentos em capital) e um ponto de partida mais baixo para margens na América do Norte.

O banco ainda ressalta que os preços domésticos do aço da Gerdau têm sido historicamente negociados com um prêmio de paridade de importação para o vergalhão turco, que geralmente segue os preços do vergalhão da China. No entanto, o vergalhão turco já está sendo negociado com um prêmio de 11% em relação aos preços da China (contra 4% de desconto historicamente) e, em um contexto de desaceleração da atividade ex-China em 2023, vê espaço limitado para ganhos adicionais.

Mesmo em um cenário de preços mais fortes na China, dado o prêmio atual, não está claro se isso se traduziria necessariamente em preços mais altos da commodity turca. Por outro lado, o recente terremoto na Turquia e a possível interrupção do fornecimento são um risco potencial de alta de curto prazo, avalia.

Lara Rizério

Editora de mercados do InfoMoney, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.