“Joesley Day”; Ibovespa afunda 8,8% e dólar tem maior alta em mais de 14 anos após “bomba” no governo Temer

Reação negativa sinaliza a preocupação com a capacidade de Temer manter a governabilidade após o escândalo que explodiu na noite de quarta

Rodrigo Tolotti

Publicidade

SÃO PAULO – O Ibovespa acelerou as perdas na última hora de pregão após o presidente Michel Temer anunciar em coletiva que não irá renunciar ao cargo. Temer iniciou o discurso às 16h11 e encerrou às 16h16 (horário de Brasília). Nesse meio tempo, o Ibovespa mergulhou de 62.288 pontos para 61.600 pontos, enquanto o dólar futuro saltou de R$ 3,343 para R$ 3,394 (variação de 1,5%) nos mesmos cinco minutos.

Com isso, o benchmark da bolsa brasileira fechou a sessão desta quinta-feira (18) com forte queda de 8,80%, aos 61.597 pontos. O volume financeiro foi de R$ 24,434 bilhões. Este é a maior queda diária desde 22 de outubro de 2008, quando o Ibovespa afundou 10,18%.

Já o dólar comercial disparou 8,52%, cotado a R$ 3,4008 na venda – maior alta desde 5 de março de 2003 -, ao passo que o contrato futuro de dólar com vencimento em junho avançou 8,14%, sinalizando cotação de R$ 3,403.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Enquanto isso, os contratos de juros futuros com vencimento em janeiro de 2018 dispararam 107 pontos-base, a 10,07%, ao passo que os DIs com vencimento em janeiro de 2021 avançaram 177 pontos, a 11,39%.

A reação negativa do mercado sinaliza a preocupação com a capacidade de Temer manter a governabilidade após o escândalo que explodiu na noite de quarta-feira (17) com o vazamento da delação feita pelo dono da JBS, Joesley Batista, envolvendo o nome do atual presidente. Para analistas do mercado financeiro, a renúncia de Temer poderia acelerar o processo de restabelecer a governabilidade no País.

As apostas de que Temer poderia renunciar ganharam força após ele mesmo ter dito que a governabilidade estava “insustentável”, segundo fontes anônimas revelaram para vários veículos de comunicação. Contudo, assessores próximos de Temer sugeriram que ele desistisse da ideia de renunciar.

Continua depois da publicidade

“O pior cenário seria Temer ficar sangrando no governo, sem governabilidade. O melhor cenário é ele renunciar e assim saímos daquele cenário de agonia que vivemos com Dilma”, afirma um operador que não quis se identificar. 

Vale destacar que, logo na primeira hora de pregão, o índice acionou o mecanismo de circuit breaker e ficou trinta minutos congelado. Os investidores precificaram os maiores riscos de queda do peemedebista e subsequente suspensão na tramitação da agenda de reformas do governo.

Em breve pronunciamento, Temer negou qualquer possibilidade de abandonar o cargo e que não teme delação. O peemedebista é alvo de uma denúncia e já foi autorizada abertura de inquérito para investigar sobre suposto envolvimento em compra de silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha e o operador Lúcio Funaro.

“No Supremo, mostrarei que não tenho nenhum envolvimento com esses fatos. Não renunciarei. Repito: não renunciarei. Sei o que fiz e sei a correção dos meus atos. Exijo investigação plena e muito rápida para os esclarecimentos ao povo brasileiro”, afirmou o presidente. Veja tudo sobre o pronunciamento clicando aqui.

Destaques da Bolsa

Do lado acionário, o cenário foi de grande pessimismo e fortes quedas, com exceção das exportadoras, que se salvaram com a disparada do dólar. Somente 8 das 58 ações do índice registraram alta, com destaque para Fibria e Suzano, que subiram entre 8% e 10%. Apesar do movimento mais tímido, chamou atenção também as ações da Vale, que fecharam no positivo, após queda de mais de 7% na mínima do dia.

Do outro lado, as ações dos bancos apareciam entre as maiores quedas do Ibovespa, mas distantes das mínimas do dia, com o Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander, afundando entre 10% e 15%. No caso do BB, que viveu o maior estresse no setor financeiro, a queda chegou a 25%.

As maiores baixas, dentre as ações que compõem o índice Bovespa, foram:

 C?d. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 ELET3 ELETROBRAS ON 12,55 -20,97 -40,57 131,36M
 BBAS3 BRASIL ON 27,08 -19,91 -3,32 923,96M
 CMIG4 CEMIG PN ED 7,15 -18,84 -4,74 195,95M
 GOAU4 GERDAU MET PN 3,93 -17,09 -18,13 213,17M
 RAIL3 RUMO S.A. ON 8,58 -16,94 +39,74 282,63M

As maiores altas, dentre os papéis que compõem o índice Bovespa, foram:

 C?d. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 FIBR3 FIBRIA ON ED 32,25 +11,48 +3,61 311,10M
 SUZB5 SUZANO PAPELPNA 13,93 +9,86 +0,73 228,39M
 EMBR3 EMBRAER ON 15,40 +2,67 -2,91 178,04M
 KLBN11 KLABIN S/A UNT N2 16,10 +1,64 -7,61 126,58M
 VALE5 VALE PNA 25,55 +0,43 +20,88 1,43B

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN 34,68 -12,05 2,42B 471,81M 138.294 
 PETR4 PETROBRAS PN 13,15 -15,76 1,91B 546,89M 167.478 
 VALE5 VALE PNA 25,55 +0,43 1,43B 660,44M 87.745 
 BBDC4 BRADESCO PN 27,30 -13,11 1,41B 317,41M 109.322 
 BVMF3 BMFBOVESPA ON 18,77 -8,44 939,51M 213,72M 85.708 
 BBAS3 BRASIL ON 27,08 -19,91 923,96M 225,31M 64.382 
 ABEV3 AMBEV S/A ON 18,75 -4,53 854,54M 249,04M 99.563 
 PETR3 PETROBRAS ON 14,39 -10,62 758,72M 117,64M 81.183 
 ITSA4 ITAUSA PN 9,10 -9,63 547,44M 144,93M 68.465 
 VALE3 VALE ON 26,86 +0,07 538,64M 149,66M 52.069 

* – Lote de mil ações
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão)
IBOVESPA

Rodrigo Tolotti

Repórter de mercados do InfoMoney, escreve matérias sobre ações, câmbio, empresas, economia e política. Responsável pelo programa “Bloco Cripto” e outros assuntos relacionados à criptomoedas.