“Já se esperava início caótico do governo” com reflexo no mercado, diz CEO da Genial Investimentos

Rodolfo Riechert diz não acreditar que será um período de forte entrada de capital estrangeiro e destacou quais serão as boas opções de investimento

Estadão Conteúdo

(Shutterstock)

Publicidade

A primeira semana do mercado financeiro no novo governo de Lula (PT) foi turbulenta. Na segunda e terça-feiras, o Ibovespa fechou em queda, à medida que investidores reagiam com pessimismo às primeiras sinalizações da nova gestão. Falas contra o Teto de Gastos e a retirada da Petrobras (PETR3;PETR4) do plano de privatização do governo, por exemplo, entre outras falas consideradas polêmicas, intensificaram a volatilidade.

No meio da semana, porém, o humor virou. Houve declarações na direção de maior estabilidade fiscal e contra a interferência na Petrobras; sinalizações que fizeram o índice de referência da B3 encerrar com altas de 1,12%, 2,19% e 1,23% na quarta, quinta e sexta-feiras, respectivamente. No acumulado, o Ibovespa cedeu 0,70%, encerrando a primeira semana de 2023 aos 108.963,70 pontos.

As movimentações em direções variadas ilustram o que Rodolfo Riechert, CEO da Genial Investimentos, considerou como um início de governo “caótico, mas esperado”. Ele diz não acreditar que será um período de forte entrada de capital estrangeiro e destacou quais serão as boas opções de investimento.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Na primeira semana do governo Lula, o Ibovespa teve pregões mistos: ora de queda acentuada, ora de altas. Que leitura o sr. faz?

Não deveríamos analisar apenas essa primeira semana, já que o mercado vem acompanhando o novo governo desde novembro, quando a eleição foi decidida. Mas olhando só para essa semana, diria que foi um início bem caótico, mas esperado. Os discursos depois da posse são até menos relevantes nesse sentido, porque o governo foi eleito por uma determinada plataforma e nesse primeiro momento tem de seguir isso. O antigo governo era muito pautado pela economia, tinha até um superministro. Nesse governo, são as pautas sociais. E obviamente o mercado gosta muito mais daquele que foi eleito com foco na agenda econômica.

Qual é o principal temor do mercado em relação ao Lula 3?

Continua depois da publicidade

Me chamou a atenção que, quando o Lula subiu a rampa, subiram junto todo tipo de personagem que deveria representar a sociedade brasileira. Mas faltou um empresário classe média alta que emprega um monte de gente e está preocupado com o desenvolvimento; e isso não está presente no discurso do novo governo. Quando o mercado vê que a pauta social justifica qualquer tipo de coisa, parece que não vai dar muito certo. É esse discurso que ainda parece antagônico. Para o pobre, a justiça social. Para o empresário, o imposto de renda. Não deveria ter esse tipo de confronto, o ideal é uma sociedade única desenvolvendo o País.

O target da Genial para o Ibovespa em 2023 é um dos mais baixos do mercado (109 mil pontos). Quais fatores levam a essa visão mais conservadora da Bolsa?

Levamos em consideração alguns temas. Primeiro, é um governo que está se dizendo gastador. Se isso acontecer, não vamos ter uma queda da inflação, porque é mais dinheiro em circulação. Isso provavelmente fará com que os juros não caiam no ano que vem. O segundo evento é que a Bolsa é muito impactada pelas commodities e estamos vendo uma desaceleração global, que faz reduzir a demanda e deveria fazer com que os preços dos insumos caiam. Isso impacta a Vale, a Petrobras e empresas de papel e celulose. O outro grande setor, que seriam os bancos, pode sofrer com a alta da inadimplência, causada pela continuidade dos juros altos e o crescimento baixo da economia. É um ciclo que hoje se mostra mais negativo. Vai ter pouco interesse para tomar grandes posições aqui, ainda mais com o atual patamar da renda fixa, fica difícil de competir. Por isso, acreditamos que o fluxo vai ser baixo e o nosso cenário é a Bolsa encerrar 2023 mais ou menos no patamar onde está.

Enquanto a volatilidade perdurar, quais são as melhores oportunidades de investimento?

No Brasil, a oportunidade sempre esteve em uma carteira mais diversificada. Mas para o investidor pessoa física hoje existem títulos de renda fixa que são relativamente curtos, de empresas boas, que não têm impostos no rendimento, um negócio quase imbatível em termos de aplicação. O cara mais animado poderia olhar para a aplicação nas DIs longas, um papel IPCA +6% ou +7%, por exemplo, parece no longo prazo algo maravilhoso a se fazer. Na Bolsa, sempre tem empresas que me parecem baratas, mas para ser um bom investimento vai ter que ganhar quase 14% na renda fixa. Quem não tem investimentos internacionais deveria colocar um pouco de dinheiro em dólar.