IPCA-15 no Brasil, PIB do 4º tri nos EUA e decisão de juros do BCE: o que acompanhar na semana

Tudo o que o investidor precisa saber antes de operar na semana

Camille Bocanegra

Publicidade

A semana passada foi marcada por dados de serviços e varejo no Brasil, que registraram alta no mês Nos EUA, a atividade econômica mostrou resiliência, com avanço nas vendas no varejo e na produção industrial. Nos próximos dias, o destaque fica para a divulgação dos primeiros dados de inflação de 2024, com IPCA-15. Lá fora, os indicadores de atividade dominarão agendas, com destaque para a primeira prévia do PIB do quatro trimestre nos EUA.

O dia mais movimentado da semana será a sexta-feira, que contará com a apresentação do IPCA-15 de janeiro. A estimativa do Bradesco para o dado é de 0,46% de avanço.

“Esperamos um aumento mensal de 0,40%, com aumento nos preços dos alimentos em casa e preços industriais (ainda refletindo o fim dos descontos da Black Friday). A taxa anual provavelmente cairá para 4,6%, ante 4,7% em dezembro. Vale destacar que o aumento mensal do IPVA é especialmente importante nesta divulgação, pois a variação se repetirá nos próximos 12 meses (esperamos um ganho mensal de 0,03%; 0,35% ao ano)”, considera a equipe econômica do Itaú.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Antes disso, a semana começa com o Monitor do PIB apresentado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), além dos dados semanais do relatório Focus e da balança comercial. Na terça-feira, a FGV trará o índice de preços ao consumidor (IPC) da semana e, no dia seguinte, o Banco Central divulga os dados semanais de Fluxo Cambial e a Confederação Nacional das Indústria (CNI) apresenta a Sondagem Industrial de dezembro.


Na quinta-feira, será apresentada a pesquisa de Sondagem do Consumidor, pela FGV, e a nota à imprensa sobre o setor externo, com dados de dezembro, pelo Banco Central. O Bradesco estima queda de US$ 1,8 bilhões no mês passado. Fechando a semana, a FGV divulgará o INCC-M de janeiro e os dados de sondagem de construção de janeiro. O setor será foco também dos números apresentados pela CNI de dezembro. O Banco Central trará nota sobre política monetária e operações de crédito.

Durante essa semana, mas ainda sem dia definido, serão divulgados os dados de arrecadação de impostos e contribuições de dezembro, com previsão de R$ 224,8 bilhões pelo consenso LSEG. Já o Itaú projeta o dado em R$ 229,5 bilhões. O Tesouro apresentará o resultado primário do Governo, com estimativa de déficit de R$ 119 bilhões pelo Bradesco, e o relatório mensal de dívida pública federal de dezembro.

Continua depois da publicidade

No campo político, com o Congresso ainda em recesso, o foco se volta para a MP 1202, que restabelece o pagamento de contribuições previdenciárias. A decisão final sobre o tema, no entanto, deverá acontecer apenas após o fim do recesso legislativo, em 1º de fevereiro. O governo negocia uma aprovação ao menos parcial mas o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, se posicionou de forma contrária na sexta-feira e garantiu que a proposta será rejeitada.

Temporada de resultados e PIB nos EUA e decisão de juros na Europa 

A semana será marcada pela divulgação de dados do PIB nos EUA e de atividade econômica ao redor do mundo. Na temporada de resultados de Wall Street, gigantes da tecnologia como Tesla, Microsoft, Verizon, IBM e Intel divulgarão seus resultados nos próximos dias.


Os EUA abrem a semana com a apresentação de indicadores antecedentes do Conference Board, com dados de dezembro. O destaque da semana ficará para o PIB do quarto trimestre, para o qual o consenso LSEG estima alta de 1,9% na comparação trimestral, e será apresentado na quinta-feira.

Na sexta, serão conhecidos os dados de rendimento pessoal de dezembro, com estimativa LSEG de alta de 0,3% na comparação mensal, e de gastos pessoais, com projeção LSEG de alta de 0,4% em relação à novembro. No mesmo dia, o Deflator do PCE de dezembro será divulgado pelo BEA.


O foco da semana, na Europa, será a decisão de juros pelo Banco Central Europeu na quinta-feira. A expectativa é que haja, pela terceira vez, manutenção em 4,50%. No mesmo dia, a Alemanha trará sua pesquisa de sentimento econômico de janeiro, com previsão LSEG de 86.

Antes, a Zona do Euro apresenta os números de confiança do consumidor de janeiro na terça-feira. No dia seguinte, o protagonismo será para os índices PMI S&P Global tanto composto quanto da indústria da transformação. A Alemanha, com estimativa LSEG de 44, o Reino Unido e o bloco europeu apresentarão seus números dos dois indicadores.