Bolsas mundiais

Índices futuros dos EUA caem com estímulo e alta dos juros dos títulos do Tesouro no radar; bolsas europeias sobem

Investidores se dividem entre alta do rendimento dos Treasuries e aprovação do pacote trilionário nos EUA

stocks mercado ações índices bolsa baixa queda crash sell
(Getty Images)

As bolsas mundiais têm desempenhos variados nesta segunda-feira (8). Investidores acompanham o avanço do pacote de estímulos no valor de US$ 1,9 trilhão no Congresso americano, e uma nova alta dos juros dos títulos do Tesouro com vencimento em dez anos.

Após subirem nas negociações de overnight, os índices futuros americanos caem pela manhã. As principais bolsas asiáticas fecharam em queda, e as bolsas europeias têm tendência de alta.

No sábado (6), o Senado americano aprovou o plano de estímulos promovido pelo governo de Joe Biden, no valor de US$ 1,9 trilhão, abrindo caminho para a extensão de benefícios a desempregados de US$ 300 semanais, uma nova rodada de pagamento de auxílio de US$ 1.400 à maioria dos cidadãos americanos, e fundos para governos locais e estaduais.

O plano também libera recursos para a testagem e distribuição de vacinas contra a Covid, auxílio-aluguel para famílias com problemas financeiros e verbas para auxiliar escolas do ensino primário a reabrirem.

Também inclui US$ 14 bilhões para auxiliar empresas de aviação a pagarem salários de seus funcionários.

Antes de votar, o senador Chuck Schumer, líder da maioria democrata no Senado, afirmou: “Nós vamos vencer essa praga terrível e vamos viajar novamente, mandar nossos filhos para a escola e ficarmos juntos de novo (…) Agora, nosso trabalho é ajudar nosso país a sair deste presente tempestuoso em direção a um futuro de esperança”.

A expectativa agora é de que a Câmara, que também é controlada pelos democratas, aprove a legislação nesta semana. A Câmara aprovou uma versão ligeiramente diferente há uma semana. O presidente Joe Biden deve assinar a lei antes de os programas voltados a desempregados expirarem, em 14 de março.

Os índices futuros americanos avançaram nas negociações de overnight. Mas passaram a cair pela manhã, acompanhando a nova alta dos juros dos títulos do Tesouro americano com vencimento em dez anos, que, assim como ocorrera na semana retrasada, ultrapassaram a marca de 1,6% pela manhã.

O temor de investidores é de que a alta da inflação, sinalizada pelo aumento dos juros com vencimento no longo prazo, leve o Fed a rever a sua política, potencialmente elevando os juros referenciais de curto prazo.

PUBLICIDADE

Além disso, há temor de que parte dos investidores migre do mercado de ações para o de títulos, considerado seguro por ser garantido pelo governo, que tem o poder de criar impostos para obter receita, caso necessário.

E de que juros mais altos dificultem a tomada de empréstimos por empresas que precisam de grande volume de recursos para crescer rápido, como aquelas do setor de tecnologia.

As bolsas asiáticas tiveram uma sessão mista, com os investidores também reagindo aos dados sobre emprego divulgados pelo governo dos Estados Unidos na sexta (5).

O Departamento de Emprego reportou que o número de vagas subiu 379 mil em fevereiro, e a taxa de desemprego caiu de 6,3% em janeiro para 6,2%. A expectativa era de que fossem criadas 210 mil vagas, e de que a taxa de desemprego se mantivesse estável.

Além disso o valor do barril de petróleo está no radar de investidores, após a Arábia Saudita afirmar que suas unidades petrolíferas foram alvo de ataques por mísseis e drones no domingo (7).

Um porta-voz militar houthi afirmou que é responsável pelos ataques. Na semana passada, a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e seus aliados produtores de petróleo afirmaram que manteriam a produção estável até abril.

Após os ataques, os índices futuros americanos de petróleo cru subiram 2,22%, a US$ 67,56 o barril, e o barril Brent teve alta de 2,28%, a US$ 70,94.

Apesar de a alta dos juros de títulos do Tesouro americano levar a certa apreensão, o índice Eurostoxx, que reúne 600 ações de empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, sobe 0,83%. O setor bancário lidera os ganhos, avançando 1,9%. O de serviços tem queda de 0,7%.

PUBLICIDADE

Veja o desempenho dos principais índices às 6h20 (horário de Brasília):

*S&P 500 Futuro (EUA), -0,84%
*Nasdaq Futuro (EUA), -1,83%
*Dow Jones Futuro (EUA), -0,37%
Europa
*Dax (Alemanha), +0,81%
*FTSE 100 (Reino Unido), +0,54%
*CAC 40 (França), +0,56%
*FTSE MIB (Itália), +1,12%
Ásia
*Nikkei (Japão), -0,42% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), -1,92% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), -1% (fechado)
*Shanghai SE (China), -2,3% (fechado)
Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, +0,68%, a US$ 66,54 o barril
*Petróleo Brent, +0,71%, a US$ 69,88 o barril
*Bitcoin, -2,10%, a US$ 49.658,62
Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com alta de 0,26%, cotados a 1143,5 iuanes, equivalente hoje a US$ 173,97 (nas últimas 24 horas).
USD/CNY = 6,53

 

Entre no grupo do InfoMoney no Telegram para ter acesso a este conteúdo e faça parte de uma comunidade de mais de 160 mil pessoas que acompanham a plataforma.

O Telegram do InfoMoney oferece gratuitamente uma cobertura em tempo real do mercado financeiro. Traz também análises e as principais notícias que movimentam as Bolsas, aqui e no exterior.