Bolsas mundiais

Índices futuros americanos e bolsas europeias operam sem sentido definido à espera de resultados de bancos

Já as bolsas asiáticas fecharam em sua maioria com altas nesta terça após dados da balança comercial da China

Por  Equipe InfoMoney -

Os índices futuros americanos e as bolsas europeias operam sem sentido definido nesta terça (13) pela manhã, com investidores à espera da divulgação de resultados do segundo trimestre de bancos dos Estados Unidos.

Na segunda, o Dow subiu 126,02 pontos, a quase 35 mil pontos. O S&P ganhou 0,3% e o Nasdaq, 0,2%. JPMorgan e Goldman Sachs, que serão os primeiros a reportarem nesta terça, antes da abertura dos mercados, fecharam a segunda com altas de 1,4% e 2,3%, respectivamente. Bank of America, Citigroup, Wells Fargo e Morgan Stanley também fecharam o dia em altas.

No primeiro trimestre, a receita dos bancos subiu 138%, e a expectativa é de que a alta seja em torno de 100% no segundo trimestre. Espera-se que o S&P registre o crescimento mais forte em receita desde o quarto trimestre de 2009. Uma eventual frustração das expectativas quanto aos resultados dos bancos e suas guidances (documentos com previsões e planos) podem também levar a quedas dos mercados.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, deve ir ao Congresso americano nesta semana para fazer atualizações sobre a política monetária. Ele vem afirmando que as políticas expansionistas do Fed devem se manter intactas até que haja mais progresso em direção a suas metas para emprego e inflação.

As bolsas asiáticas fecharam em sua maioria com altas nesta terça, após a divulgação de dados indicando alta de 32,2% nas exportações da China em junho em comparação com o mesmo período do ano anterior. A alta é muito maior do que a previsão de analistas ouvidos pela agência internacional de notícias Reuters, de 23,1%.

As importações chinesas subiram 36,7% na mesma comparação, frente à expectativa de alta de 30%.

Na China continental, o Shanghai composto subiu 0,53%; em Hong Kong, o índice Hang Seng, sobe 1,63%; no Japão, o Nikkei fechou com alta de 0,52%; e na Coreia do Sul, o Kospi subiu 0,77%.

Na Europa, o índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus oscila negativamente em 0,08%, com destaque negativo para ações do setor de saúde, que recuam 0,8%, enquanto que ações do setor de telecomunicações avançam 0,5%.

Também na Europa, investidores aguardam pela divulgação de resultados de grandes bancos dos Estados Unidos. A fabricante de carros VW deve divulgar nesta terça uma atualização de sua estratégia.

Na segunda, a Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou que a maior parte das pessoas vacinadas infectadas pela variante delta de Covid não desenvolvem sintomas. Mas alertou que as hospitalizações estão aumentando em algumas partes do globo, principalmente naquelas em que a taxa de vacinação é baixa e em que a variante delta, que é especialmente contagiosa, está se propagando.

Veja o desempenho dos principais indicadores às 6h30 (horário de Brasília):
Estados Unidos
*Dow Jones Futuro (EUA), -0,05%
*S&P 500 Futuro (EUA), +0,01%
*Nasdaq Futuro (EUA), +0,2%
Europa
*FTSE 100 (Reino Unido), +0,14%
*Dax (Alemanha), -0,11%
*CAC 40 (França), -0,25%
*FTSE MIB (Itália), -0,34%
Ásia
*Nikkei (Japão), +0,52% (fechado)
*Shanghai SE (China), +0,53% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), +1,63% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), +0,77% (fechado)
Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, +0,742%, a US$ 74,65 o barril
*Petróleo Brent, +0,71%, a US$ 75,69 o barril
*Bitcoin, -2,67%, a US$ 33.236,67
Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com alta de 3,29%, cotados a 1.225,0 iuanes, equivalente hoje a US$ 189,42 (nas últimas 24 horas).
USD/CNY = 6,47

Entre no grupo do InfoMoney no Telegram para ter acesso a este conteúdo e faça parte de uma comunidade de mais de 170 mil pessoas que acompanham a plataforma.

O Telegram do InfoMoney oferece gratuitamente uma cobertura em tempo real do mercado financeiro. Traz também análises e as principais notícias que movimentam as Bolsas, aqui e no exterior.

Compartilhe