Iguatemi (IGTI11) tem mais um balanço positivo; destaques ficam para dividendos e guidance

Apesar de receita crescendo menos do que o esperado, inflexão do e-commerce e ganhos de margem tornaram resultado positivo para analistas; BBA e BBI veem lucro, dividendos e guidance como destaques

Vitor Azevedo

Publicidade

A operadora de shoppings Iguatemi (IGTI11) teve um resultado do quarto trimestre de 2023, divulgado na noite dessa terça-feira (20), considerado positivo pelos analistas, principalmente no que tange o Ebitda (Lucro Antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização, na sigla em inglês), espécie de lucro operacional, que superou o consenso. 

O time do Goldman Sachs, encabeçado por Jorel Guilloty, menciona que apesar de o Iguatemi ter trazido uma receita – de R$ 315,1 milhões – abaixo do consenso, o Ebitda foi destaque, com o e-commerce do grupo puxando o resultado para cima. “Essa divisão alcançou o ponto de equilíbrio no trimestre pela primeira vez, com R$4,7 milhões em Ebitda (margem de 13%) contra um Ebitda negativo de R$ 3,2 milhões no terceiro trimestre”, diz.  A divisão de shoppings, segundo eles, também trouxe uma melhoria na margem bruta de 650 pontos base na comparação anual, chegando a 87,6%.

Do lado da receita, eles explicam que o principal peso no resultado foram os descontos acima do que esperavam em aluguéis, ficando 4% abaixo do consenso, em R$ 251 milhões. A receita líquida total do Iguatemi foi de R$ 311 milhões, 7% abaixo do número projetado pelo banco americano. 

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Do lado operacional, o Itaú BBA vai na mesma linha. “As receitas líquidas ficaram ligeiramente abaixo da nossa estimativa, mas com um aumento de 9% ao ano. As despesas de SG&A [com vendas, gerais e administrativas, na sigla em inglês] na divisão de shoppings estavam quase em linha com nossa previsão, mas um resultado melhor na divisão de varejo, combinado com resultados imobiliários melhores do que o esperado (refletindo vendas de lotes de terreno pelo Iguatemi Campinas), impulsionaram o Ebitda”, explica a equipe do banco, liderada por Daniel Gasparete. 

Os destaques para o BBA, bem como para o Bradesco BBI, no entanto, ficaram para o lucro do Iguatemi, os dividendos de R$ 200 milhões e o guidance. A combinação entre Ebitda melhor do que o esperado e o recuo dos gastos com dívidas puxaram o número para cima.

“A empresa combinou indicadores positivos no geral, impulsionados por: um aumento na taxa de ocupação, um rendimento de dividendos proposto de 3%, forte crescimento da receita principal, e-commerce atingindo o ponto de equilíbrio, e guidance divulgado para 2024”, expõe o time do Bradesco BBI, encabeçado por Bruno Mendonça. 

Continua depois da publicidade

Para o guidance de 2024, a Iguatemi divulgou que pretende aumentar sua receita de shoppings de 4% a 8% e colocar sua margem Ebitda nesse segmento de 82% a 85% de 83,6% em 2023. Já a margem Ebitda total deve ficar entre 75% e 79%, de 75% no ano passado, e os investimentos, entre R$ 190 e R$ 230 milhões, contra R$ 199,3 milhões em 2023.

“Temos uma recomendação de compra para as ações da Iguatemi, impulsionada por expectativas de expansão da margem de Ebitda”, fala o Goldman. “Os números apoiam nossa estimativa de FFO (fundos de operações, termo que os investidores usam para descrever o fluxo de caixa de uma empresa imobiliária ou um fundo de investimento imobiliário) de R$ 660 milhões para 2024 (que está alinhada com o consenso), com uma redução projetada nos custos e despesas na divisão de varejo compensando o crescimento mais suave da receita principal para o segmento de shoppings”, diz o BBA.

Na teleconferência de resultados, realizada hoje, os executivos do Iguatemi deram mais detalhes de como a companhia pretende entregar um aumento de receita e de lucratividade. 

Do lado da receita, a companhia pretende expandir alguns ativos, com a demanda elevada, e menciona que a assinatura de contratos está em níveis recordes, bem como os preços cobrados. 

“O nível de desconto que temos hoje é menor do que tínhamos antes de entrar na recessão de 2015. Maturação dos ativos e demanda por espaços faz com que a gente tenha capacidade de chegar ainda mais longe”, falou Cristina Betts, CEO do Iguatemi. “Vamos escalar nos aluguéis e na ocupação, mas também em outras linhas. Vamos continuar buscando o ganho real em cima da correção”, completou Guido Oliveira, CFO.

Na frente de desinvestimentos, a Iguatemi mencionou que segue “lapidando seu portfólio” – considerando o bom momento do mercado. Na frente de investimentos, mesmo com a alavancagem recuando ao longo de 2023, a companhia defende que manterá sua racionalidade sem deixar de acompanhar possíveis bons negócios.