Ibovespa tem maior fechamento em 11 meses após Fomc manter juros nos EUA

Bolsa chega aos 54 mil pontos com ajuda de sinalização do banco central da maior economia do mundo

Equipe InfoMoney

Publicidade

SÃO PAULO – O Ibovespa fechou em forte alta nesta quarta-feira (27), atingindo o seu maior patamar de fechamento desde 25 de maio de 2015, quando terminou a sessão com 54.609 pontos. Após abrir em alta e ameaçar zerar, o benchmark engrenou um forte movimento positivo em meio à reunião de política monetária dos Estados Unidos. O Fomc (Federal Open Market Committee) decidiu pela manutenção da taxa de juros dos Estados Unidos na banda entre 0,25% e 0,50%. A sinalização do comitê federal de mercado aberto dos EUA foi de que não há pressa para elevar os juros nas próximas semanas, segundo analistas. 

O benchmark da bolsa brasileira avançou 2,63%, chegando a 54.478 pontos. O volume financeiro negociado na Bovespa foi de R$ 8,326 bilhões. Enquanto isso, o dólar comercial fechou com leves ganhos de 0,15% a R$ 3,5217 na compra e a R$ 3,5243 na venda, ao mesmo tempo em que o dólar futuro para maio terminava o dia em queda de 0,21% a R$ 3,528. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2017 cai 3 pontos-base a 13,52%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 recua 22 pontos-base a 12,56%. 

Nos EUA, os índices Dow Jones e S&P 500, que passaram a maior parte do pregão registrando leves quedas, terminaram em altas de respectivamente, 0,28% e 0,16%. Os dois benchmarks viraram para o terreno positivo após a decisão do Fomc. 

Continua depois da publicidade

Decisão do Fomc
O Fomc omitiu o trecho em que dizia que “os desenvolvimentos econômicos e financeiros globais continuam a representar riscos”, em vez disso, os líderes do Fed afirmaram que vão “acompanhar de perto” essa evolução, de acordo com um comunicado divulgado hoje.

“As condições do mercado de trabalho melhoraram, mas o crescimento da atividade econômica parece ter abrandado”, disse o Fomc. “O crescimento do consumo privado registou foi moderado, embora a renda real das famílias tenha aumentado a uma taxa sólida e o sentimento do consumidor permaneceu elevado”, diz o comunicado.

O comitê reiterou que provavelmente irá aumentar as taxas em um ritmo “gradual”, mantendo a interpretação do mercado que este ano não deve ter mais do que duas altas nos juros.

Continua depois da publicidade

STF julga “bomba” de R$ 400 bilhões
O STF (Supremo Tribunal Federal) julga o mérito das liminares concedidas a alguns estados e que tratam da questão das dívidas com a União, passando dos juros composto para simples. Na pauta da sessão, está previsto o julgamento dos mandados de segurança de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. As três ações têm como relator o ministro Edson Fachin. Dados atualizados pelo Ministério da Fazenda indicam um impacto de R$ 402,3 bilhões nas contas públicas se todos os estados endividados conseguirem obter na justiça a mudança de cálculo.

O ministro Edson Fachin votou pela denegação das ações e revogação das liminares já concedidas.

Copom
Hoje também é dia da decisão do Copom, que definirá a taxa de juros básica da economia brasileira. Economistas esperam que a Selic se mantenha em 14,25%, mas é preciso ficar atento ao comunicado, pois uma votação unânime, com votos a favor da manutenção pelos diretores de liquidações, Sidnei Corrêa Marques e de Assuntos Internacionais, Tony Volpon, pode mostrar que haverá um relaxamento monetário em breve. Volpon e Corrêa são considerados os membros mais hawkish (agressivos, no sentido de elevar juros) do comitê. 

Ações em destaque
As ações da Petrobras (PETR3, R$ 13,40, +4,85%; PETR4, R$ 10,25, +6,00%), terminaram a sessão em forte alta, seguindo a disparada dos preços do petróleo. O barril do WTI (West Texas Intermediate) sobe 2,77% a US$ 45,26, ao mesmo tempo em que o barril do Brent tinha ganhos de 2,98% a US$ 46,94. 

Continua depois da publicidade

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano
 USIM5 USIMINAS PNA ES 2,58 +7,50 +66,45
 CSAN3 COSAN ON 32,60 +6,47 +33,24
 PETR4 PETROBRAS PN 10,25 +6,00 +52,99
 GGBR4 GERDAU PN 8,09 +5,48 +73,98
 BVMF3 BMFBOVESPA ON 17,65 +5,44 +62,08

Dentro do setor mais pesado no Ibovespa, o financeiro, bancos grandes subiram. Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 33,60, +3,42%), Bradesco (BBDC3, R$ 29,04, +2,36%; BBDC4, R$ 26,77, +3,52%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 22,30, +2,53%) registraram ganhos expressivos

Já a Vale (VALE3, R$ 19,45, +4,07%; VALE5, R$ 15,27, +3,11%) foi na contramão das cotações do minério de ferro e acabou subindo. A commodity spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao recuou de 2,7% a US$ 61,09.

Continua depois da publicidade

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano
 OIBR4 OI PN 1,02 -4,67 -47,69
 ESTC3 ESTACIO PARTON 11,79 -2,88 -15,48
 JBSS3 JBS ON 9,20 -2,13 -25,51
 FIBR3 FIBRIA ON 32,63 -1,72 -37,12
 BBSE3 BBSEGURIDADEON 31,31 -0,25 +33,12

A Oi (OIBR4, R$ 1,02, -4,67%) caiu após seu rating ter sido rebaixado de CCC para CCC- pela agência de classificação S&P. O rebaixamento ocorre após empresa anunciar, na segunda-feira, que chegou a acordo para Moelis & Co. atuar como consultor de um grupo de credores e tornar reestruturação de dívida provável.

A perspectiva continua negativa, refletindo “visão de uma grande probabilidade de que a empresa vá reestruturar sua dívida ou fazer uma troca de dívidas em risco ao longo dos próximos 6 meses”.

Continua depois da publicidade

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram :

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1
 PETR4 PETROBRAS PN 10,25 +6,00 861,50M
 VALE5 VALE PNA 15,27 +3,11 715,12M
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN 33,60 +3,42 476,50M
 BBDC4 BRADESCO PN EB 26,77 +3,52 373,08M
 ABEV3 AMBEV S/A ON 19,36 +0,62 344,92M
 VALE3 VALE ON 19,45 +4,07 273,03M
 CIEL3 CIELO ON 33,70 +2,87 269,37M
 PETR3 PETROBRAS ON 13,40 +4,85 227,96M
 BVMF3 BMFBOVESPA ON 17,65 +5,44 214,33M
 BBAS3 BRASIL ON 22,30 +2,53 202,27M

* – Lote de mil ações 
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão)
 

PSDB e Temer
Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a direção nacional do PSDB impôs condições ao vice-presidente Michel Temer para aderir a um eventual governo dele. A primeira delas é que qualquer conversa com o partido deve ocorrer em “caráter institucional”, o que significa dizer que o senador José Serra (SP) não é o único nome entre os tucanos a ser procurado pelo vice. A segunda e mais complexa é que Temer e o PMDB devem se manter distantes das eleições municipais deste ano em cidades que o PSDB considera prioridades eleitorais do partido. Na véspera, o senador Aécio Neves (MG), presidente nacional do PSDB, mudou seu discurso e disse que o partido não deverá se opor a eventuais participações de membros em um futuro governo Temer.

Especiais InfoMoney:

Carteira InfoMoney rende 17% no 1º trimestre; CLIQUE AQUI e baixe!

Trader que perdeu R$ 285.000 com Telebras conta como deu a volta por cima

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa