Mercados

Ibovespa sobe e volta aos 96 mil pontos com ânimo com China e Previdência; dólar cai mais de 1%

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Após um mês de março turbulento, abril começa com ânimo para os mercados mundiais e também para o Brasil, em meio ao maior otimismo com relação à reforma da Previdência após a tensão política se apaziguar, enquanto a China impulsiona os índices pelo mundo.

Ibovespa registra ganhos de 1,16% às 10h09 (horário de Brasília) desta segunda-feira (1), a 96.520 pontos, enquanto o dólar comercial tem queda de 1,27%, a R$ 3,8655 na venda. Já o contrato de dólar futuro com vencimento em maio tem queda de 1,39%, a R$ 3,874. 

Os juros futuros também abrem o trimestre em queda em linha com a baixa do dólar. O contrato com vencimento em janeiro de 2021 tem queda de 7 pontos-base, a 7,07%, enquanto o com vencimento em janeiro de 2023 tem queda de 20 pontos-base, a 8,14%. 

PUBLICIDADE

Os dados da atividade manufatureira da China são o destaque do mercado internacional, com os números apresentando seu maior ritmo de crescimento em oito meses. O índice PMI da indústria chinesa, que registrou um avanço inesperado, encerrou março em 50,5, ante uma projeção do mercado de 49,5. A notícia gera alívio aos investidores em meio aos receios de uma desaceleração da economia chinesa.

As bolsas operam em alta sob à expectativa de avanço nas negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China, com representantes dos dois países se reunindo essa semana em Washington. Autoridades norte-americanas apresentaram propostas, como de transferência tecnologias, que vão além dos compromissos estabelecidos anteriormente.

O movimento de redução das tensões entre as duas maiores economias globais e especulações sobre eventuais reduções dos juros nos EUA podem ajudar a impulsionar alguns ativos de risco ao redor do mundo.

No mercado de commodities, os contratos futuros do preço do minério de ferro fecharam no maior nível em quase duas semanas, em meio a dados mais positivos da indústria e chinesa e os desdobramentos da redução da produção da Vale.

Previdência

O governo do presidente Jair Bolsonaro ingressa no seu quarto mês de mandato com todas as atenções voltadas à articulação de seu governo com o andamento da Reforma da Previdência no Congresso.

Os investidores e os analistas vão seguir atentos às manifestações dos parlamentares em relação à tramitação do texto, principalmente após a escolha do relator da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o deputado Delegado Marcelo Freitas, pertencente ao PSL. 

PUBLICIDADE

Guedes deverá falar na CCJ na próxima quarta-feira sobre a reforma da Previdência, o que deverá trazer uma melhor indicação ao mercado sobre as expectativas de andamento da proposta.

De acordo com informações do Valor Econômico, a Previdência saiu do ponto morto e tem maioria na CCJ. Se votação fosse hoje, o levantamento do jornal mostra que reforma teria 35 votos a favor na CCJ, 21 contra e 10 indecisos.

Altas e baixas

Entre os destaques do mercado, a Vale e a CSN registram forte alta acompanhando a forte alta do minério de ferro. 

Enquanto isso, a Equatorial tem a maior queda do índice após os resultados do quarto trimestre. A companhia encerrou o período de outubro a dezembro do ano passado com um lucro líquido ajustado de R$ 290 milhões, cifra 1% superior aos ganhos do mesmo intervalo de 2017. 

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 CSNA3 SID NACIONALON17,00+4,62+92,3141,40M
 VALE3 VALE ON52,63+3,34+3,20228,23M
 BRAP4 BRADESPAR PN32,80+2,82+5,655,45M
 ELET3 ELETROBRAS ON37,65+2,62+55,397,72M
 GGBR4 GERDAU PN15,53+2,58+5,4922,43M

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 EQTL3 EQUATORIAL ON78,85-1,44+5,7522,10M
 KROT3 KROTON ON10,45-1,42+17,816,95M
 CYRE3 CYRELA REALTON16,11-0,98+4,141,45M
 SMLS3 SMILES ON EJ47,12-0,97+8,02835,30K
 ECOR3 ECORODOVIAS ON9,51-0,83+1,392,49M
* – Lote de mil ações
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão)

 Impostos

Pelo Twitter, o presidente Bolsonaro afirmou no final de semana que o Ministério da Economia estuda reduzir a carga de tributos sobre as empresas, em uma tentativa de reaquecer a economia, aos moldes da praticada nos Estados Unidos, pelo governo Trump.

Segundo ele, a redução da alíquota de Imposto de Renda sobre a Pessoa Jurídica seria compensada pela tributação dos dividendos das companhia. Bolsonaro afirmou que a medida tem como objetivo gerar “competitividade interna, empregos, barateamento de produtos e competitividade também no exterior”.

Seja sócio das maiores empresas da bolsa: invista em ações com TAXA ZERO na Clear