Abertura

Ibovespa Futuro opera entre perdas e ganhos com investidores atentos a Brexit

Mercado tem pouca força, mas pode hoje bater recorde histórico se conseguir andar os 400 pontos que o separam desta marca

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Ibovespa Futuro abre entre perdas e ganhos nesta quinta-feira (17) com os investidores atentos às notícias de que o Reino Unido e a União Europeia já concordaram em um esboço do acordo para o Brexit. Por outro lado, o Partido Unionista Democrático, o maior da Irlanda do Norte, estaria contra os termos colocados, de modo que nada está definido.

Às 9h12 (horário de Brasília) o contrato futuro do Ibovespa para dezembro tinha leve variação negativa de 0,01% a 106.040 pontos. Vale lembrar que ontem o índice à vista fechou a apenas 400 pontos da máxima histórica, então podemos ter quebra de recorde no pregão de hoje. O dólar futuro para novembro subia 0,17% a R$ 4,162.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2021 fica estável a 4,53% e o DI para janeiro de 2023 tem alta de dois pontos-base a 5,51%.

Aprenda a investir na bolsa

O Ministério de Comércio da China confirmou nesta quinta-feira que o país irá ampliar as compras de produtos agrícolas dos Estados Unidos, num momento em que Pequim e Washington trabalham no texto de um acordo comercial preliminar. A expectativa é de um acordo possa ser assinado, Donald Trump e Xi Jinping, durante a cúpula dos países Ásia-Pacífico, no Chile, nos dias 16 e 17 de novembro,.

No Brasil, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, afirmou que o julgamento sobre a validade da prisão em segunda instância deve se estender até a semana que vem. Segundo Toffoli, na sessão de hoje, quando o caso começará a ser analisado, somente as manifestações das partes envolvidas no processo serão ouvidas. Os votos serão proferidos na sessão da próxima quarta-feira (23).

Já os deputados do PSL ligados ao presidente Jair Bolsonaro formalizaram um pedido de destituição do líder do governo na Câmara, Delegado Waldir (GO), substituindo-o pelo deputado Eduardo Bolsonaro (SP). Por trás do gesto, está a tentativa do presidente Jair Bolsonaro de reduzir o espaço do líder da sigla, Luciano Bivar, que, por sua vez, reagiu, apresentando uma nova lista, para tentar manter Waldir.

Noticiário Corporativo

A B3 informou que o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) deu uma decisão favorável à empresa em um caso avaliado em cerca de R$ 3,3 bilhões. O caso refere-se a autos de infração sobre amortização fiscal do ágio nos exercícios 2012 e 2013, gerado por conta da incorporação da Bovespa pela BM&F, em 2008, que deu origem à B3. A Procuradoria Geral da Fazenda Nacional pode apresentar recurso da decisão, acrescentou a B3.

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, disse que a proposta de aumento de capital da companhia, de cerca de R$ 10 bilhões, busca preparar a companhia elétrica para o processo de privatização. Com esses valores, a empresa vai limpar e reforçar o caixa, além de poder liberar o pagamento da reserva especial de dividendos, de R$ 2,3 bilhões, referente a 2020. Segundo ele, o governo deve encaminhar este mês PL ao Congresso para privatização.

O Valor Econômico traz que a JBS se prepara para apresentar ao mercado, no primeiro trimestre de 2020, uma nova proposta societária e listagem de ações na bolsa de Nova York (Nyse). Segundo a publicação, a empresa busca reunir as operações internacionais, que representam 75% do faturamento do grupo, nesta nova empresa. Já no Brasil, na B3, ficaria listada, no Novo Mercado, apenas a estrutura nacional.

PUBLICIDADE

O presidente da Azul, John Rodgerson, diz que a empresa estuda abrir novas rotas internacionais, mas decidiu não fazer anúncios agora por causa da valorização do dólar ante o real, que encarece e desestimula viagens ao exterior. Rodgerson ressalta ainda que a companhia pretende expandir para 150 o número de localidades em que opera nos próximos cinco anos. Hoje, a empresa atende 114 cidades, sendo pouco mais de 100 dentro do País.

(Com Agência Estado, Agência Brasil e Bloomberg)

Não existia, agora existe: conheça o primeiro MBA em Ações e Stock Picking do Brasil