Abertura

Ibovespa Futuro despenca 4% em novo dia de pânico no exterior com coronavírus; dólar sobe

Índice segue estresse do mercado externo, com a Ásia caindo forte com o aumento do número de casos do coronavírus na Coreia do Sul e o medo de uma crise

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Ibovespa Futuro abre em queda nesta sexta-feira (6) seguindo o novo dia de estresse nas bolsas de valores internacionais. Na Ásia, os mercados despencaram com o aumento do número de casos do coronavírus na Coreia do Sul e o medo de uma crise econômica mundial.

As bolsas europeias abriram em baixa, com o avanço da doença na Alemanha e na França, enquanto nos Estados Unidos, que chegaram a 233 casos na manhã de hoje, empresas como o Facebook e a Microsoft recomendam aos empregados que evitem sair de casa e trabalhem em home office. O número de casos do coronavírus superou 98 mil, informou na manhã de hoje o mapa interativo do Hospital Johns Hopkins, de Baltimore (EUA).

Às 09h05 (horário de Brasília), o índice futuro registrava perdas de 4,24%, aos 98.450 pontos, enquanto o dólar futuro para abril subia 1,03%, para R$ 4,663. No câmbio, o Banco Central já marcou para a manhã de hoje leilões de swap cambial para conter a alta da moeda americana.

Aprenda a investir na bolsa

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 tem forte alta de 13 pontos-base, a 4,57% e o DI para janeiro de 2023 avança 15 pontos-base a 5,25%. O DI mais longo, para janeiro de 2025, operava com ganhos de 15 pontos a 6,17%.

Na Áustria, a Opep termina sua reunião de dois dias com a Arábia Saudita defendendo um corte de 1,5 milhão de barris de petróleo na produção diária. A Rússia ainda não se manifestou. Com isso, no mercado de commodities, o petróleo WTI cai a menos de US$ 45 na mínima; brent fechou abaixo de US$ 50 pela 1ª vez desde meados de 2017. Já o minério de ferro recua e reduz ganho semanal com receio sobre coronavírus e metais caem em Londres.

”O foco está na disseminação de coronavírus para fora da China e realmente os mercados não vão se estabilizar até vermos algum tipo de pico”, destacou Susan Buckley, diretora-gerente da QIC, para a Bloomberg TV.

Indicadores econômicos

No Brasil a Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, deve divulgar pela manhã a produção de veículos novos em fevereiro – um termômetro de como anda o consumo de bens duráveis.

Nos Estados Unidos, o Departamento do Trabalho divulga às 10h30 o payroll e a taxa de desemprego de fevereiro. A estimativa é de criação de 175 mil vagas, segundo consenso Bloomberg, enquanto a taxa de desemprego é de 3,6%; ainda saem dados de balança comercial e estoques no atacado.

Dólar em alta

Após o dólar atingir uma nova máxima histórica, chegando a R$ 4,66 mesmo após o Banco Central oferecer US$ 3 bilhões em leilões de swap, a autoridade monetária anunciou a oferta de mais 40.000 contratos nesta sexta-feira, equivalentes a US$ 2 bilhões.

PUBLICIDADE

Na véspera, questionado sobre a alta do dólar, o ministro da Economia, Paulo Guedes,  que “isso era perfeitamente previsível”. Em seguida, ensaiou uma lista de explicações: “Tem o coronavírus, a desaceleração global, incertezas… O que vocês (imprensa) estavam dizendo há um ou dois dias? Que está um caos, que o presidente não se entende com o Congresso, que não está havendo coordenação política, toda hora tem uma bomba… Se está havendo todo esse frisson, o dólar sobe um pouco.”

Guedes disse também que o câmbio preocupa quando sobe rápido, mas, para isso, o Banco Central (BC) atua. “Está provendo boa liquidez”, comentou. O ministro também afirmou que empresas que remetem recursos para fora do País também influenciam a cotação do câmbio.

Coronavírus no Brasil

O Brasil tem 9 casos confirmados do coronavírus, com destaque para o fato de que houve a transmissão local da doença em pelo menos um caso. Seis casos foram confirmados em São Paulo, 1 no Rio de Janeiro e 1 no Espírito Santo. No Distrito Federal, um paciente aguarda contraprova. Duas pessoas contaminadas em São Paulo têm relação com o primeiro caso registrado no país, de um homem de 61 anos que voltou de Milão, no Norte da Itália.

Por conta do surto de coronavírus, Jair Bolsonaro suspendeu viagem à Polônia, Hungria e Itália, segundo aponta o Estadão. Contudo, o presidente se reunirá com Donald Trump neste sábado (7), durante sua viagem aos Estados Unidos.Segundo o porta-voz da presidência, Otávio Rêgo Barros, “esta visita servirá para reforçar os vínculos com um dos principais estados americanos, que abriga uma comunidade de quase 400 mil brasileiros”.

Noticiário corporativo

O Grupo Pão de Açúcar (PCAR3) assinou um acordo para vender 43 imóveis para a gestora de fundos TRX. A transação tem o valor de R$ 1,25 bilhão e inclui combinações de aluguéis das lojas por 15 anos. Os imóveis pertencem ao grupo e neles funcionam supermercados e hipermercados das três bandeiras, Pão de Açúcar, Extra e Assaí.

Ainda em destaque, o Conselho de Administração da CVC anunciou o pedido de renúncia apresentado pelo CEO  Luiz Fernando Fogaça, com efeitos a partir de 30 de março de 2020, sendo certo que até tal data o executivo continuará no exercício de suas funções de forma a contribuir no processo de sucessão. “Para ocupar a posição de Diretor Presidente da Companhia, o Conselho de Administração aprovou a indicação do Sr. Leonel Andrade. Leonel Andrade foi Diretor Presidente da Losango, da Credicard e da Smiles Fidelidade, ocupando por 15 anos o principal cargo de gestão dessas empresas”

Já B3 (B3SA3), Natura (NTCO3), Hering (HGTX3) e a Santos Brasil (STBP3) publicaram balanços na noite de ontem. A operadora da Bolsa brasileira B3 fechou o quarto trimestre de 2019 com lucro líquido de R$ 732,9 milhões, o que representa uma alta de 25,7% sobre o mesmo período do ano passado. No acumulado do ano passado, a companhia teve lucro de R$ 2,713 bilhões, avanço de 29,9% sobre 2018. Veja mais clicando aqui. 

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações