Bolsa

Ibovespa Futuro cai com tensões internacionais e monitorando política de preços da Petrobras

Mercado repercute mais uma piora no ambiente internacional após ataques a instalações de petróleo sauditas; hoje começam as reuniões do Fed e do Copom

arrow_forwardMais sobre
Ações em queda (Crédito: Shutterstock)

SÃO PAULO – O Ibovespa Futuro abre em baixa nesta terça-feira (17) em meio a preocupações com o cenário externo, que agora soma as tensões geopolíticas entre Estados Unidos e Irã aos problemas que já existiam antes, como guerra comercial, Brexit e crise da Argentina. 

Por aqui, os investidores monitoram o impacto da alta do petróleo sobre a política de preços da Petrobras. Em comunicado, a companhia informou que não faria o reajuste imediato dos preços do petróleo nos combustíveis, uma vez que o ambiente é de volatilidade e que a reação súbita pode ser atenuada na medida em que maiores esclarecimentos aconteçam. Ontem, em entrevista à RecordTV, Jair Bolsonaro havia antecipado que o aumento nos preços do petróleo não seria repassado ao consumidor imediatamente, citando conversa com o CEO Roberto Castello Branco. 

Às 09h13 (horário de Brasília) o Ibovespa Futuro tem queda de 0,54% a 103.595 pontos. Ao mesmo tempo, o dólar futuro registra ganhos de 0,38% a R$ 4,10. 

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2021 valoriza dois pontos-base a 5,28%, ao passo que o DI para janeiro de 2023 sobe um ponto-base, a 6,38%. 

Hoje, os preços do petróleo operam em leve queda, após a disparada de quase 20% durante o pregão de ontem, como consequência direta do ataque à unidade da petroleira da Saudi Aramco, na Arábia Saudita, por um drone, no final de semana.

Esse foi o maior salto nas cotações em quase 30 anos. No entanto, o preço da commodity desacelerou o WTI fechou com alta de 14,67% e Brent de 16,61%.

Invista contando com a melhor assessoria do mercado: abra uma conta gratuita na XP.

Depois do atentado, o presidente dos EUA, Donald Trump, comentou que “certamente parece” que o Irã foi o responsável pelos ataques de drones à planta de petróleo saudita.

Trump destacou ainda que as sanções contra o regime teocrático não serão retiradas e que não pretende entrar em guerra, mas que está preparado para uma eventualidade. 

PUBLICIDADE

No exterior, enquanto os investidores se mantém cautelosos, à espera da reunião do Federal Reserve (Fed), que começa hoje e vai até amanhã, que tenderá a reduzir os juros em 0,25 ponto porcentual, na avaliação majoritária do mercado, a boa notícia é retomada das conversas entre EUA e China, com negociadores comerciais de segundo escalão se reunindo na quinta-feira em Washington.

Noticiário Corporativo

A Telefônica Brasil enviou ofício à CVM em resposta à informações sobre um possível interesse na aquisição de ativos da Oi. Segundo a tele, “não há qualquer fato relevante a ser comunicado a respeito.”

“Nada obstante, a companhia informa que está tomando providências para averiguar junto à Telefónica S.A., acerca do conhecimento de informações a respeito do referido assunto que deveriam ser divulgadas ao mercado”, afirmou a Telefônica.

Já a Oi afirmou, também em resposta à CVM, que “desconhece por completo a informação” de interesse da Telefônica na operadora.

A Oi informou ainda que a geração de caixa operacional líquida das recuperandas foi negativa em R$ 540 milhões em julho deste ano; que os investimentos atingiram o patamar de R$ 702 milhões (o maior valor desde o início do processo de recuperação judicial); e que o seu saldo final de caixa teve retração de R$ 524 milhões, somando R$ 3,621 bilhões.

Bolsas Internacionais

Os mercados futuros de Nova York, que abriram operando perto da estabilidade, ampliaram as perdas, em meio a um universo de incertezas geopolíticas. Se por um lado, a guerra comercial entre EUA e China traz preocupações em relação aos possíveis efeitos sobre a desaceleração econômica global, por outro a disparada das cotações do petróleo – elevando os preços da energia – amplia os receios quanto ao ritmo de velocidade de corte dos juros nos EUA por parte do Fed.

Segundo a CNBC, o aumento das cotações do petróleo ajudou a aumentar a percepção do mercado de que o Federal Reserve poderia não ter tanta pressa em cortar as taxas de juros.

Hoje, com o início da reunião do Fomc – que termina amanhã, com o anúncio do novo patamar de juros da economia norte-americana –, traders do mercado futuro de fed funds já consideram uma chance de 34% de que as de que o Fed mantenha as taxas inalteradas. Há um mês essa probabilidade era zero e há uma semana de apenas 5,4% há uma semana, segundo o CME.

PUBLICIDADE

De positivo, a informação sobre a retomada das conversas entre EUA e China para buscar um acordo comercial. O vice-ministro das Finanças da China, Liao Min, disse que vai visitar Washington na quarta-feira, 18, para “preparar o caminho” das negociações comerciais previstas para outubro entre as duas maiores economias do mundo. O anúncio da visita foi feito nesta terça-feira, 17, pelo governo chinês.

Liao vai chefiar uma delegação de autoridades chinesas, segundo a agência de notícias oficial Xinhua News, mas Pequim não detalhou a agenda do vice-ministro na capital dos Estados Unidos. Os dois países travam desde o ano passado uma guerra comercial que envolve a fixação de tarifas para a importação de produtos pelas duas partes.

Na semana passada, no entanto, líderes americanos e chineses acenaram com uma trégua, ao adiar ou cancelar o início de cobrança de tarifas de importação. A última rodada de negociações, realizada em Xangai, em julho, terminou em fracasso.

(Com Agência Estado, Agência Senado, Agência Brasil e Bloomberg)