Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa Futuro cai com atenção a PIB dos EUA e antes de PCE; reunião de ministros no radar

Resultados do 4º tri e IGP-M também estão no radar dos investidores

Felipe Moreira

Publicidade

O Ibovespa Futuro opera em baixa nesta quarta-feira (28), com as atenções voltadas para primeiro dia da reunião de ministros das Finanças e presidentes de Bancos Centrais dos países do G20 em São Paulo, enquanto exterior aguarda dados de inflação na quinta-feira.

Na véspera, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assinou uma medida provisória (MP) revertendo a reoneração da folha de pagamentos.

Às 9h14 (horário de Brasília), o índice futuro com vencimento em abril operava com desvalorização de 0,40%, aos 132.830 pontos.

Continua depois da publicidade

Em Wall Street, índices futuros dos EUA operam em baixa, com investidores à espera da divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) americano do quarto trimestre, enquanto se preparam para o índice de preços de gastos com consumo, PCE, medida de inflação preferida da Federal Reserve (Fed), na quinta-feira.

Nesta manhã, o Dow Jones Futuro caía 0,28%, S&P Futuro recuava 0,30% e Nasdaq Futuro registrava baixa de 0,37%.

Dólar e mercado externo

O dólar comercial opera com alta de 0,24%, cotado a R$ 4,944 na compra e R$ 4,945 na venda. Já o dólar futuro (DOLFUT) subia 0,20%, indo aos 4,942 pontos.

Continua depois da publicidade

No mercado de juros, os contratos futuros operam com queda. O DIF25 opera estável, a 9,98%; DIF26, -0,01 pp, a 9,79%; a DIF27, -0,01 pp, a 9,99%; DIF28, -0,01 pp, a 10,26%; DIF29 -0,01 pp, a 10,44%.

As cotações do petróleo operam em baixa após abertura positiva, em meio à incerteza sobre as perspectivas de um cessar-fogo na guerra Israel-Hamas, enquanto alguns investidores esperam que a OPEP+ estenda seus cortes de produção para além do primeiro trimestre.

As cotações do minério de ferro na China fecharam em alta pela segunda sessão consecutiva nesta quarta-feira, impulsionadas pelas esperanças renovadas de recuperação da demanda no principal comprador, a China, após uma melhora no mercado de aço, embora preocupações persistentes sobre seu difícil mercado imobiliário tenham limitado os ganhos.

Continua depois da publicidade

Os mercados asiáticos fecharam majoritariamente em baixa nesta quarta-feira em meio a preocupações renovadas com o combalido setor imobiliário chinês. Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 1,51%, a 16.536,85 pontos, pressionado por ações de incorporadoras. A da Country Garden Holdings tombou 6,5%, após um credor pedir liquidação judicial da companhia pelo não pagamento de um empréstimo superior a US$ 200 milhões. Do mesmo setor, os papéis da Longfor Group e da China Resources Land sofreram perdas de 7% e 4,3%, respectivamente. Por outro lado, empresas do ramo focadas em Hong Kong avançaram após o governo do território semiautônomo aliviar restrições com o objetivo de impulsionar o setor imobiliário.

Os mercados europeus operam majoritariamente em baixa, dando continuidade ao sentimento cauteloso observado no início desta semana. Já as ações da Vodafone
subiram 2,2% depois que a empresa confirmou negociações avançadas com a Swisscom sobre a venda de seus negócios italianos por 8 bilhões de euros (US$ 8,7 bilhões).