Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa fecha com leve alta de 0,23% em início de semana marcada por ata do Copom e balanços; dólar cai 0,17%

Semana será marcada por divulgação do IPCA e de balanços corporativos

Camille Bocanegra

Publicidade

O Ibovespa fechou com alta de 0,23% nesta segunda-feira (6), aos 118.431,25 pontos. O índice acompanhou a movimentação lá fora, em sessão marcada por oscilação e fechamento com leve avanço para os principais índices de Nova York.

Na primeira sessão com horário ampliado, a Bolsa brasileira também refletiu movimentos de realização de lucros após uma semana mais curta, mas positiva, que teve como principal suporte expectativas de que o ciclo de alta da taxa de juros nos Estados Unidos tenha chegado ao fim. A partir desta segunda-feira, o horário de negociação no mercado de ações brasileiro muda em razão do término do horário de verão nos EUA. No mercado à vista, o call de fechamento agora tem início às 17h55 e acaba às 18h.

“Bolsas americanas, que passaram a maior parte do dia no positivo, ficaram bem voláteis. Embora os dados de Payroll tenham vindo melhores que o esperado, o mercado segue esperando novos dados americanos e declarações do Federal Reserve que possam de certa forma confirmar o início de queda de juros por lá, o que ainda não aconteceu”, destacou Fabio Louzada, economista e fundador da Eu me banco

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em Wall Street, os principais índices fecharam com leve alta após apresentarem sua melhor semana do ano. Os índices encerram o dia com Dow Jones crescendo 0,10%, S&P 500 avançando 0,18% e Nasdaq subindo 0,30%.

No mercado de Treasuries, o título de dez anos subiu 9,1 pontos-base (pb), a 4,649%, enquanto o título com vencimento de 2 anos teve alta de 10,9 pb em seus rendimentos, a 4,941% e com vencimento de 5 anos subiu 10,8 pb em seus retornos, 4,596%.

O dólar encerrou o dia com queda de 0,17%, cotado a R$ 4,887 na compra e R$ 4,888 na venda. A divisa norte-americana foi na contramão e avançou na comparação com as principais moedas do mundo, com o DXY em alta de 0,18%.

Os preços do petróleo fecharam em alta, apoiados por expectativa de aperto na oferta, após a notícia de que Arábia Saudita e Rússia vão manter sua produção restrita até o fim do ano.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para dezembro fechou em alta de 0,38% (US$ 0,31), a US$ 80,82 o barril. Enquanto isso, o Brent para janeiro, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), subiu 0,34% (US$ 0,29), a US$ 85,18 o barril.

Por aqui, os juros encerram o dia em alta, acompanhando o avanço dos Treasury yields lá fora.

“Os juros futuros subiram e acompanharam os yields externos, devolvendo parte da queda recente causada pelo FOMC dovish e payroll, com a questão fiscal interna sem maior impacto sobre os preços, mesmo com noticiário sobre a resistência de Fernando Haddad em alterar a meta de déficit zero e declaração de Arthur Lira de que não vê mudança por parte do Congresso”, considera Alexsandro Nishimura, economista e sócio da Nomos.

A taxa do DI para janeiro de 2025 estava em 10,86%, ante 10,826% do ajuste anterior, enquanto a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 10,715%, ante 10,606% do ajuste anterior.

Entre os contratos mais longos, a taxa para janeiro de 2027 estava em 10,91%, ante 10,776%, enquanto a taxa para janeiro de 2028 estava em 11,145%, ante 11,016%.

O dia foi de volatilidade no Ibovespa, com destaque para o desempenho de Vale (VALE3) e Petrobras (PETR4).

“As ações das aéreas recuaram, com uma combinação de fatores conjunturais, como as altas do DI, petróleo e dólar, além da nova revisão do guidance para o final do ano e o balanço do terceiro trimestre de 2023 da Gol”, destacou Nishimura.

Entre as maiores altas do dia, estiveram BRFS (BRFS3), com avanço de 12,87%, cotada a R$ 12,80 e Marfrig (MRFG3), com alta de 8,61%, a R$ 7,32.

(com Reuters)