Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa cai 0,29%, seguindo exterior em dia de leve realização; Dólar sobe 0,32%

Bolsa brasileira recuou a despeito de queda das taxas de juros, que geralmente leva a uma valorização do índice

Vitor Azevedo

Publicidade

O Ibovespa fechou em leve queda de 0,29% nesta quarta-feira (29), aos 126.165 pontos, seguindo o mercado americano, em um dia marcado por uma leve realização de lucros tanto aqui quanto lá fora.

O principal índice da Bolsa brasileira caiu a despeito do recuo da curva de juros. Taxas mais baixas, normalmente, fazem os ativos de risco subirem, gerando fluxo de capital para as ações e também com a perspectiva de melhora da economia interna no futuro.

“Em dia de queda nos juros futuros, papéis de varejistas e setor de consumo sobem”, fala Fabio Louzada, economista e fundador da Eu me banco.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A notícia de que o IGP-M de novembro ficou em 0,59%, contra projeção de 0,60% da Refinitv, é parte da explicação para o recuo dos juros brasileiros. Os DIs para 2027 perderam nove pontos-base, a 10,14%, e os para 2029, sete pontos, a 10,56%. Os contratos para 2031 foram a 10,77%, com menos seis pontos.

“A gente também vê o avanço de pautas importantes no Senado, pautas importantes no Congresso. Isso, naturalmente, dá um fôlego adicional para esse movimento”, comenta Felipe Moura, sócio e analista da Finacap Investimentos.

O Senado brasileiro, hoje, aprovou o projeto de lei que altera as regras de tributação sobre aplicações financeiras mantidas por brasileiros no exterior, regulamenta o instrumento dos trusts no Brasil e modifica a taxação de fundos exclusivos (PL 4.173/2023). Ele deve ajudar o governo a alcançar sua meta fiscal para o próximo ano.

Fora o cenário inteiro, a curva de juros nacional também reagiu a uma nova queda dos treasuries yields, os rendimentos pagos pelos títulos do tesouro americano. O para dez anos, por exemplo, perdeu 7,7 pontos-base, a 4,259%, no menor patamar desde setembro deste ano.

“A gente vem tendo uma percepção crescente nos últimos dias de que os Estados Unidos estão finalmente conseguindo controlar a inflação. Isso levanta a possibilidade de não haver a necessidade do Banco Central Americano, Federal Reserve, voltar a elevar os juros”, menciona Moura.

O Livro Bege, do Federal Reserve, trouxe hoje que os aumentos de preços se moderaram em grande parte dos distritos avaliados, com ajuda, principalmente, do recuo do custo de frete.

Nem mesmo a notícia de que o produto interno bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu 5,2% no terceiro trimestre, acima dos 5% esperados, minimizou a crença de que novas altas da fed funds serão desnecessárias.

Em Nova York. assim como no Brasil, o dia também foi de realização. Apesar do Dow Jones ter subido 0,04%, S&P 500 e Nasdaq recuaram, respectivamente, 0,09% e 0,16%.

“A nossa bolsa estava no valuation mais deprimido das últimas décadas. Esse assunto já era figurinha carimbada. Todo mundo já estava cansado de saber e realmente precisava de um gatilho macro para essa distorção começar a ser corrigida. E é justamente o que vemos agora”, completa Moura.

Entre as quedas do Ibovespa que puxaram o índice para baixo, ficaram as ações preferenciais da Petrobras (PETR4), com menos 1,04%.

“Os papeis de Petrobras engatam queda na véspera da assembleia geral extraordinária, que ocorre nesta quinta, e ignoram a valorização do petróleo lá fora”, diz Louzada. A reunião discutirá a mudança de estatuto da companhia, que desagrada o mercado.

O dólar, por fim, fechou em alta de 0,32% frente ao real, a R$ 4,887 na compra e a R$ 4,888 na venda.