Hapvida diz que não possui qualquer política para descumprimento sistemático de decisões judiciais

Fala vem em resposta à reportagem do jornal O Estado de S. Paulo da última quinta-feira, que alega a descoberta de mais de cem casos de descumprimento de decisões judiciais nos últimos oito meses

Equipe InfoMoney

Projeto de hospital da Hapvida (Divulgação)

Publicidade

A Hapvida (HAPV3) informou na última sexta-feira (19) , em resposta a questionamento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que “não possui qualquer política ou diretriz para o descumprimento sistemático ou ordenado de decisões judiciais”.

A companhia disse que não teve acesso integral aos levantamentos mencionados em reportagem dando conta de que é acusada de descumprir sistematicamente decisões judiciais favoráveis aos seus beneficiários, e que realizará diligências urgentes nesse sentido.

“Caso necessário, (a empresa) avaliará se existem quaisquer medidas a serem reportadas ou adotadas a respeito”, afirmou a Hapvida em esclarecimento ao mercado.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo da última quinta-feira alega a descoberta de mais de cem casos de descumprimento de decisões judiciais nos últimos oito meses. Conforme o jornal, a situação levou a investigações da Hapvida pelo Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP). Procurada pela Reuters na ocasião, a empresa disse que não iria se manifestar.

No comunicado desta sexta-feira, divulgado após o fechamento do mercado, a Hapvida informou ter tomado conhecimento da investigação do MPE-SP por meio da Promotoria de Defesa do Consumidor. A companhia afirmou que já obteve acesso aos autos e irá contribuir e prestar os esclarecimentos necessários.

As ações da operadora de planos de saúde encerraram o pregão na B3 com variação positiva de 0,5% na sexta-feira, a R$ 4,02, após fecharem com declínio de quase 7% na véspera.

Continua depois da publicidade

(com Reuters)