Grupo Casas Bahia (VIIA3), antiga Via, vê percentual de ações alugadas e taxas dispararem; papéis recuam

A taxa de aluguel média das ações da varejista, por sua vez, já bateu mais de 279,5% do preço de tela do papel

Vitor Azevedo

Publicidade

A fatia de ações do Grupo Casas Bahia, antiga Via (VIIA3), alugadas vem disparando recentemente, bem como a taxa paga por investidores pelos aluguéis. De acordo com dados da Economatica, o percentual do free float alugado chegou a mais de 26% na última sexta-feira (18).

No pregão desta segunda-feira (18), as ações da varejista passaram por um novo movimento de queda, fechando com perdas de 3,95%, cotadas a R$ 0,73. Na mínima da sessão, o papel bateu hoje nos R$ 0,68.

Ainda segundo a Economatica, a taxa de aluguel média, por sua vez, bateu mais de 279,5% do preço da ação. Por ano, para realizar uma operação do tipo, um investidor, então, toparia pagar quase três vezes o preço do papel para manter a posição

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Fonte: Economatica/L4 Capital

Casas Bahia busca se reestruturar

Toda essa situação das ações acontece em meio à uma série de acontecimentos. Na última semana, a Via, agora Grupo Casas Bahia, precificou um follow on, com as ações ordinárias valendo R$ 0,80, um desconto de 28% frente ao preço de tela. Os papéis acumulam um recuo de mais de 37% nos últimos cinco pregões.

Antes disso, após divulgar seu resultado do segundo trimestre de 2023, a companhia havia anunciada toda uma reestruturação que conta com fechamento de até 100 unidades, descontinuação de categorias e levantamento de caixa com a estruturação de um FDIC para o seu crediário.

“O mercado teme muito uma entrada em recuperação judicial do grupo, dado que a situação financeira da empresa não está na confortável e recentemente a S&P rebaixou a nota de crédito da empresa, aumentando o risco de descumprir as covenants e fazer com que a empresa tenha que antecipar o pagamento de suas dívidas, o que poderia causar insolvência da empresa”, fala Felipe Pontes, da L4.

Continua depois da publicidade

Ele pontua que a empresa nunca passou por um movimento de “especulação” tão intenso quanto esse com as suas ações – nem mesmo durante o pico da pandemia da Covid-19.

VIIA3: Taxa de aluguel

“A taxa de aluguel está alta porque tem muita gente buscando os papéis para fazer trades rápidos. Ao considerarmos a negociação por dia ela dá menos de 1%”, completa.

“Contudo, é importante alertar a quem estiver querendo shortear a ação neste patamar de preço, que já caiu muito e a taxa de aluguel passa dos 100% ano. Se surge alguma notícia muito positiva, como a possibilidade de uma varejista que queira aproveitar a capilaridade dela para aumentar exposição ao Brasil, os que estão apostando na queda podem se machucar muito forte”, pondera.

De acordo com fontes especializadas no assunto, gestoras como a Squadra e a Legacy estariam vendidas no papel.

Veja o desempenho das ações de VIIA3 em 2023

Gráfico diário de VIIA. Fonte: Clear Trader