Gol (GOLL4): ações fecham em queda de 9,19%; contratação de consultoria sugere desafios financeiros significativos, diz Citi

Companhia aérea brasileira informou que contratou a Seabury Capital, uma consultora financeira de destaque na indústria global da aviação

Felipe Moreira

Atualmente, Azul, Gol e Lata, sao as companhias que dominam o mercado aéreo no Brasil. Foto: Pixabay

Publicidade

Na última sexta-feira (1), a Gol (GOLL4) informou ter contratado a Seabury Capital para ajudar a empresa em uma “ampla revisão” de sua estrutura de capital. O mercado não reagiu bem a essa notícia e as ações caíram 9,19%, a R$ 8,30, na sessão desta segunda-feira (4) após anúncio, enquanto o Ibovespa caiu cerca de 1%; a queda dos papéis também impactou Azul (AZUL4, R$ 16,02, -5,82%), que fechou com baixa de mais de 5%.

A Seabury, segundo a Gol, é uma das “principais consultorias globais do setor de aviação”, e vai apoiar a empresa também em gestão de passivos, transações financeiras e outras medidas para “melhorar a liquidez”. A companhia também tem interesse nos trabalhos da Seabury para auxiliá-la em ajuste de frota no “curto a médio prazo…assim como outras obrigações financeiras”.

“A Seabury, trabalhando em conjunto com a Skyworks, prosseguirá com as negociações em andamento com seus arrendadores de aeronaves com o objetivo de alcançar uma reestruturação consensual abrangente das obrigações de frota da Gol”, afirmou a companhia aérea sem dar detalhes.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O Citi comenta que a contratação de consultor financeiro para ajudar na reestruturação de suas obrigações de frota e auxiliar nas estratégias de gestão de passivos sugere que a Gol ainda enfrenta desafios financeiros significativos. “Esse comunicado também parece aprofundar o que já parece ser uma trajetória difícil de entender para os acionistas minoritários da Gol”, destaca.

O banco americano também ressalta que o anúncio dá a impressão de que a entrada da Gol na holding ABRA não foi suficientemente eficaz para estabilizar a situação financeira da companhia aérea.

Mesmo sem a Gol mencionar quaisquer prazos ou datas de conclusão para as iniciativas mencionadas, o Citi comenta ser possível que possa haver alguma medida em breve. “No final de setembro, o caixa e equivalentes da Gol ficaram em R$ 905 milhões, em comparação com seus empréstimos de curto prazo de R$ 3 bilhões.”

Continua depois da publicidade

Em termos de avaliação, o Citi reiterou recomendação de venda para ADR (recibo de ações negociado nos EUA) da Gol e traçou o preço-alvo de US$ 3,00 por ADR usando um múltiplo alvo EV/Ebitda de cerca de 5 vezes para 2024, considerando uma faixa de valor justo de 4,5 vezes a 5,5 vezes. Esse nível está cerca de 30% abaixo da média ajustada de longo prazo das ações. O Citi havia rebaixado a recomendação dos ativos para venda na semana passada. 

“Isso leva em consideração a contínua e significativa incerteza sobre como a GOL poderá eventualmente funcionar dentro da ABRA, juntamente com as potenciais implicações relacionadas para os acionistas minoritários da empresa”, explica o banco. “Considerando uma dívida líquida esperada mais alta pós-conversão, o valor do patrimônio líquido parece menor para o mesmo múltiplo.”

Já o Goldman Sachs comenta que, embora não tenha uma opinião sobre o resultado destas renegociações, acredita que este anúncio poderá ser o primeiro passo para uma ampla reorganização das obrigações com os arrendadores e outros fornecedores, o que poderia potencialmente aliviar a pressão sobre o balanço e as obrigações de de curto prazo. Para referência, a Gol reportou liquidez no 3T23 de R$ 994 milhões (incluindo caixa, investimentos de curto prazo, caixa restrito), que se compara à dívida de curto prazo (empréstimos e financiamentos correntes) de R$ 1,2 bilhão.

O banco ainda ressalta que a principal concorrente, a Azul, anunciou recentemente uma ampla reestruturação de seu balanço patrimonial.