Resumo da Bolsa

Gol dispara 8% com queda do petróleo e MMX cai após subir 70% ontem; veja destaques

Entre os destaques estiveram ainda as ações da Petrobras, que despencaram 5% nesta sessão, com os bancos seguindo o mesmo movimento, após oficialização de novos ministros

SÃO PAULO – No dia em que governo oficializou sua equipe econômica, a Bolsa operou com bastante volatilidade, com o Ibovespa fechando com queda nesta sessão, com perdas de 0,87%, a 55.618. A presidente decidiu por Joaquim Levy como ministro da Fazenda, Nelson Barbosa para o Planejamento e Alexandre Tombini permanecerá na presidência do Banco Central.

Entre os destaques estiveram as ações da estatal Petrobras, que fecharam com forte queda após subirem 4% nesta sessão. Os papéis dos bancos também reagiram com queda após a oficialização, com destaque para Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 38,74, -1,48%), Bradesco (BBDC3, R$ 37,93, -1,56%; BBDC4, R$ 39,74, -1,88%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 29,14, -1,04%). Além dela, estiveram os papéis da Gol, que disparou nesta quinta em meio à queda do petróleo, após anúncio da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) de que irá manter o teto da produção da commodity. 

Também entre os destaques estiveram as ações da Vale, que após subirem 3% em sua máxima intradiária, fecharam com leve queda nesta sessão, após despencarem na véspera. Vale mencionar também as ações das elétricas, que fecharam entre os ganhos do Ibovespa desta quinta.

PUBLICIDADE

Fora do índice, as ações da MMX Mineração e da OSX Brasil, que fecharam entre os ganhos desta sessão. Os papéis da mineradora chegaram a subir 113% desde ontem (considerando sua máxima intradiária), enquanto as ações da OSX registram ganhos de 233% no acumulado do mês. 

Confira os principais destaques desta sessão:

Petrobras (PETR3, R$ 12,75, -3,92%; PETR4, R$ 13,44, -4,68%)
As ações da Petrobras fecharam em queda nesta quinta-feira, após Dilma oficializar Joaquim Levy como ministro da Fazenda, Nelson Barbosa no Planejamento, e Alexandre Tombini no comando do Banco Central. Thiago Souza, analista da XP Investimentos, explica que o mercado reagiu negativamente aos discursos dos novos ministros, que de acordo com ele não trouxeram nenhuma sinalização que era aguardada pelo mercado, além de os nomes dos ministros já terem sido precificados antes da oficialização.

No radar da companhia também está a queda do petróleo nesta quinta, após anúncio de que a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) decidiu manter o teto de sua produção inalterado em 30 milhões de barris por dia.

Vale e siderúrgicas
Após pregão extremamente negativo na véspera, quando CSN e Usiminas caíram mais de 7% e Vale despencou cerca de 4%, esses papéis fecharam entre ganhos e perdas nesta sessão. Destaque para os papéis da Vale (VALE3, R$ 22,98, +0,26%; VALE5, R$ 19,75, 0,00%), CSN (CSNA3, R$ 6,00, -2,44%), Usiminas (USIM5, R$ 5,10, +0,39%), Gerdau (GGBR4, R$ 10,60, +0,95%) e Metalúrgica Gerdau (GOAU4, R$ 12,60, +0,64%) fecharam no positivo. As altas das ações da Rio Tinto e da BHP no exterior também contribuem para a melhora. 

Gol (GOLL, R$ 14,56, +7,61%)
As ações da Gol dispararam e fecharam como a maior alta do Ibovespa nesta sessão, deixando dois dias de pregão negativo para trás, em meio à queda do petróleo, que veio após anúncio de que a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) decidiu manter o teto de sua produção inalterado em 30 milhões de barris por dia. Com os ganhos desta sessão, os papéis da companhia atingem o maior patamar de fechamento desde setembro deste ano. 

PUBLICIDADE

Elétricas
Também fecharam entre as maiores altas do índice hoje as ações das elétricas: Copel (CPLE6, R$ 36,10, +2,62%), Energias do Brasil (ENBR3, R$ 10,03, +2,77%), Cemig (CMIG4, R$ 14,05, +2,11%) e Cesp (CESP6, R$ 26,50, +0,30%). Desde a abertura do dia 14, esses papéis já subiram 17,8%, 13,4%, 13,6% e 8,5%, respectivamente. 

MMX (MMXM3, R$ 0,72, -7,69%) e OSX (OSXB3, R$ 0,49, +2,08%)
As ações do “mundo X” mostraram um movimento atípico nos últimos dias. Sem nenhum alarde por parte das empresas, os papéis da MMX Mineração dispararam 70% ontem, chegando a disparar 113% em dois dias (considerando sua máxima intradiária, quando os papéis subiram 20%, cotados a R$ 0,94) enquanto as ações da OSX Brasil subiram impressionantes 233% no acumulado de novembro, atingindo nesta quinta-feira seu maior patamar de fechamento desde março deste ano.

Apesar da disparada, operadores do mercado comentam que não há nenhuma informação nova que pudesse ter acionado essa “compra desenfreada” em cima dos papéis. Procurados pelo InfoMoney, o departamento de relações com investidores das duas empresas não foram encontrados.