Gerdau (GGBR4), CSN (CSNA3) e mais: siderúrgicas têm começo de ano difícil, com pressão da China

Analistas se dividem em perspectivas para 2024, de olho na China, nos pacotes americanos e na retomada do mercado brasileiro

Vitor Azevedo

Publicidade

As ações preferenciais da Gerdau (GGBR4) são, por enquanto, uma das maiores quedas de 2024 do Ibovespa, em baixa de quase 10%. Outras siderúrgicas, como Usiminas (USIM5) e CSN (CSNA3), também ocupam a lista, com ambas tendo quedas de cerca de 9%.

O setor vem sofrendo já há algum tempo na Bolsa. Em 2023, a “invasão do aço chinês” no Brasil, motivada pelo desaquecimento da economia do gigante asiático e pela crise do setor imobiliário por lá, derrubou os lucros e se tornou uma detratora dos resultados das metalúrgicas.

“A China vem produzindo um volume maior de aço plano e focando em exportação para diversas regiões. Com isso, o resultado das siderúrgicas no Brasil estão pressionados desde então”, explica João Abdouni, analista da Levante Corp. “É incerto falar se ela continuará em 2024, pois a China pretende manter o patamar de crescimento do PIB em 5%. Neste sentido é difícil que o gigante asiático mude a postura. Em contrapartida, há quem especule que o ritmo das siderúrgicas chinesas será menor”.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Apesar de o setor imobiliário chinês estar desacelerando, o país continua produzindo aço para manter sua economia rodando – diferentemente de em outros anos, quando o governo chegou a ordenar o interrompimento da produção.

Outro fator que pesou neste começo de 2024 é que o minério de ferro, nos últimos dias, também vem caindo, justamente por conta da baixa demanda na China. O recuo sinaliza, para especialistas, que as siderúrgicas estão com bastante aço estocado. Um menor estoque por lá pode sinalizar novas ondas de exportação, inclusive para o Brasil. 

Fernando Ferrer, analista da Empiricus Research, menciona que o aço chinês chega ao Brasil com “preços predatórios”, reduzindo a atratividade das empresas locais. Já Fabrício Gonçalvez, CEO da Box Asset Management, destaca que há previsões de que as importações brasileiras de aço chinês podem voltar a subir em 2024.

Continua depois da publicidade

Por fim, não ajuda também o fato de o preço minério estar alto, apesar das quedas recentes, o que pressiona ainda mais as margens da Gerdau, da CSN e da Usiminas.

Visões para 2024

As visões para 2024 se dividem. 

A Levante Corp, por exemplo, diz enxergar o setor pressionado, ainda por conta do cenário imobiliário chinês, preferindo mineradoras. Ferrer, da Empiricus, avalia que os próximos 12 meses não devem ser empolgantes para Gerdau, Usiminas e CSN. “Teremos uma manutenção de tendência do que aconteceu no ano passado, ou seja, não vai ser um grande ano. Obviamente que pode ser muito importante que a indústria consiga um aumento da taxa de importação”, pondera.

No entanto, ele menciona que o fator Estados Unidos pode ser positivo, principalmente para a Gerdau, que tem forte participação no país norte-americano na sua receita.

Angelo Belitardo, gestor da Hike Capital, vai no mesmo caminho, apontando que a sinalização dos EUA de retirar o direito da sobretaxa de 103,4% da produção de aço brasileira, uma barreira comercial, pode ser positiva. Isso com o acréscimo de que a maior economia do mundo ainda estar rodando estímulos para o setor de infraestrutura, que demanda aço longo e flertando com o início do ciclo de queda dos juros, que normalmente impulsiona o setor imobiliário e de veículos. 

“A sobretaxa era considerada por mais de 30 anos uma barreira comercial para exportação brasileira no segmento de tubos soldados de aço ao continente norte-americano. A medida deve fortalecer as operações da Gerdau frente à concorrência chinesa”, diz Belitardo. 

“Fora isso, a potencial queda de juros nos EUA ainda em 2024 torna as ações da Gerdau ainda mais atrativas na cotação atual e o setor de aço tende a ser beneficiado com a retomada do setor de e construção e infraestrutura no Brasil, China e nos países desenvolvidos. Tudo isso por conta do ciclo de queda na taxa de juros, o que impulsionará a demanda e cotação da commodity”, completa.

De acordo com compilação LSEG com analistas de mercado, Gerdau segue na preferência entre as siderúrgicas brasileiras. Veja as recomendações detalhadas no quadro abaixo:

EmpresaAção (ticker)Recomendação de compraRecomendação neutraRecomendação de vendaPreço-alvo médioPotencial de valorização*
GerdauGGBR41060R$ 30,81+43%
CSNCSNA3452R$ 16,68-7%
UsiminasUSIM52120R$ 8,66+3%
*em relação ao fechamento de 10 de janeiro de 2024