Ex-rico

Fortuna de Eike pode ter acabado; empresário é “chamado” a depor na assembleia do Rio

No momento, a Bloomberg estima um patrimônio de US$ 75 milhões para o megaempresário, mas há grandes chances de o ex-7º homem mais rico do mundo agora tenha mais dívidas do que dinheiro

SÃO PAULO – Toda a fortuna de Eike Batista já pode ter acabado – e seu patrimônio já é negativo -, alertou a Bloomberg. “Ele pode ter alguns milhões de dólares se você somar tudo e ele tiver algum dinheiro guardado, ou ele pode ter patrimônio negativo a esse ponto”, disse Matthew Miller, editor da Bloomberg, em vídeo disponibilizado na internet

No momento, a Bloomberg estima um patrimônio de US$ 75 milhões para o megaempresário, mas há grandes chances de o ex-7º homem mais rico do mundo agora tenha mais dívidas do que dinheiro. Algumas delas, são pessoais, como as que obrigaram o empresário a dar a AUX – sua mineradora de ouro na Colômbia – como garantia para o fundo Mubadala.

Além disso, Eike começou uma enorme venda de ativos para sanear seus problemas financeiros. Nessa semana, o megaempresário colocou à venda as suas duas últimas aeronaves, um jatinho e um helicóptero – remanescentes de uma frota que já foi de seis aeronaves.  

Isso incluí a venda de empresas: MPX Energia, atual Eneva (MPXE3) e LLX Logística (LLXL3) já foram vendidas, ao passo que o Porto Sudeste, um importante ativo da MMX Mineração (MMXM3) também já foi negociado. As dívidas de sua empresas são enormes: apenas a OGX Petróleo (OGXP3) deve cerca de US$ 3,6 bilhões ao mercado. 

Intimidado a depor
Além disso, Eike foi convidado para falar à Comissão Especial da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), instalada nesta quarta-feira, para acompanhar a situação do Porto de Açu. O convite feito para Eike é para que o empresário acompanhe a situação dos trabalhadores e colaboradores envolvidos no porto de Açu. O deputado Roberto Henriques, do PSD, destacou a importância de ouvir o presidente das empresas X.

Além de prestar esclarecimentos sobre o porto de Açu, a assessoria do deputado Henriques, autor da comissão, afirmou que o empresário precisa prestar esclarecimentos após anunciar que a OGX deixará de pagar US$ 45 milhões para os credoresA data para o pronunciamento é 11 de outubro, às 10h (horário de Brasília), no Palácio da Cidade. Porém, segundo a Alerj, o empresário ainda não confirmou presença. 

Henriques afirmou que, além de Eike, serão chamados o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços, Júlio Bueno, e a presidente da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro, Maria da Conceição Ribeiro. 

O objetivo dos parlamentares é basear-se nos estudos que já existem sobre Porto de Açu e receber informações sobre o que está pronto e quando as obras serão concluídas. Conforme apontam deputados participantes da Comissão, comerciantes e trabalhadores das obras do porto temem que haja prejuízos caso a obra não seja concluída.