Fluxo de saída e pausa em rali pós-Powell levam dólar a subir para R$ 4,93

Assim, a divisa dos EUA encerrou a semana com ganho de 0,16% em relação à brasileira; no mês, sobe 0,45%

Estadão Conteúdo

Dólar e Real (Foto: Getty Images)

Publicidade

O dólar subiu 0,45% hoje, a R$ 4,9372, acompanhando a valorização global da moeda americana, em um movimento de correção após as perdas recentes. O fluxo de saída de fim de ano levou o real a um desempenho pior do que outros pares emergentes, apesar do avanço da agenda fiscal no Congresso. Assim, a divisa dos EUA encerrou a semana com ganho de 0,16% em relação à brasileira. No mês, sobe 0,45%.

O ajuste global do dólar após as fortes perdas anotadas desde quarta-feira, com a virada dovish do Federal Reserve (Fed, o BC americano), manteve a moeda americana em alta contra o real durante quase todo o pregão. Ela chegou a tocar pontualmente a mínima de R$ 4,9056 (-0,19%) logo após a abertura, mas logo firmou-se em alta. Na máxima, avançou até R$ 4,9509 (+0,73%).

A variação aqui acompanhou o índice DXY, que mede o desempenho do dólar contra seis pares fortes. No fim da tarde, ele subia 0,58%, aos 102,55 pontos. Outras divisas emergentes e de exportadores de commodities desempenharam melhor que o real, mesmo com perdas modestas do petróleo. O dólar caía contra o rand sul-africano (-0,07%) e subia levemente ante o peso mexicano (+0,06%) no fim da tarde.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O dólar futuro para janeiro subiu aos R$ 4,9390 (+0,44%). O giro financeiro, termômetro do apetite por negócios no mercado de câmbio, foi de US$ 14 milhões.

“O peso mexicano ficou de lado, o dólar caiu contra o rand e, aqui, subiu, mesmo com as agendas andando no Congresso. Isso parece ser a pressão do fluxo de fim de ano, remessas de dividendos de empresas para o exterior”, afirma o head da tesouraria do banco de câmbio Travelex Bank, Marcos Weigt. “Não parece ter outra razão, externa ou interna, para o real desvalorizar tanto hoje.”

Nem o avanço da agenda fiscal no Congresso foi suficiente para apoiar o real. A Câmara aprovou no início da tarde a medida provisória da subvenção do ICMS e rejeitou todas os destaques que tentavam alterar o texto-base da proposta. Agora, a MP vai à análise do Senado. Ela é a principal aposta do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para turbinar a arrecadação e zerar o déficit primário em 2024.

Continua depois da publicidade

Também à tarde, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), colocou em pauta a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma tributária, que foi aprovada em primeiro turno. O relator da matéria na Casa, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), divulgou um novo relatório após negociações para chegar a um texto de acordo com o Senado. Ele diminuiu as exceções no ao excluir cinco setores dos regimes específicos, que têm tratamento tributário diferenciado.

Para o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo, parte da alta do dólar hoje ainda pode ser atribuída ao temor fiscal deflagrado ontem pela derrubada do veto presidencial à desoneração da folha de pagamentos. Ele também cita um movimento de realização dos lucros em vários ativos, devido à proximidade do fim do ano, que pode ter ajudado a derrubar o real.

Tópicos relacionados