Fleury (FLRY3): Goldman eleva recomendação para neutro e preço-alvo para R$ 20

Rígido controle de despesas ajudou as margens e o ROIC a se manterem, apontam analistas do banco

Felipe Moreira

Publicidade

O Goldman Sachs elevou a recomendação para ação da Fleury (FLRY3) de venda para neutra, com preço-alvo passando de R$ 16,50 para R$ 20, o que implica em um potencial de valorização de 9,6% em relação aos níveis atuais.

A equipe research do banco explica que tinha classificação de venda para o nome devido às preocupações de que o crescimento da receita da empresa poderia desacelerar, pois acreditava que a frequência de uso da medicina diagnóstica se normalizaria aos níveis pré-pandêmicos e que as margens poderiam enfrentar ventos contrários mais fortes do que o esperado devido ao mix e desaceleração do crescimento na marca premium.

Também pesava a expectativa que o retorno sobre capital investido (ROIC) poderia se deteriorar ainda mais. No entanto, segundo o Goldman, nenhuma das preocupações mencionadas se materializou até agora.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Analistas destacam que a frequência de uso do segmento se estabilizou em um nível marginalmente mais alto, enquanto novas verticais amadureceram.

Além disso, a sólida execução da administração no rígido controle de despesas operacionais ajudou as margens e o ROIC a se manterem. Com isso, o banco está mais confiante de que as sinergias do acordo com o Pardini são suficientes para compensar a pressão nas margens das novas verticais.

Com relação setor, o banco avalia que os prestadores de serviços de saúde no Brasil estão atualmente em um ambiente de alto endividamento (alocação pesada de capital para fusões e aquisições durante a pandemia, cobrança fraca de contas a receber e repasse de preços à medida que as taxas de sinistralidade MLR dos pagadores aumentaram), além de revisões para baixo nas estimativas de crescimento.

Continua depois da publicidade

Por outro lado, o Goldman Sachs observou tendências diferentes na Fleury: i) balanço sólido (dívida líquida/Ebitda de 1,4 vez/1,1 vez em 2024/2025), boa conversão de fluxo de caixa operacional (64%/65% em 2024/25) e robusta taxa de crescimento anual composta (CAGR) de lucro por ação (+16% em 2024-2026). Tudo considerado, acreditamos que essas dinâmicas estão precificadas de forma justa em 14,2x/11,6 vezes P/L para 2024/2025, motivando a mudança para uma recomendação neutra no nome.