Conteúdo editorial apoiado por

Tendência “Barbiecore” chega ao mercado financeiro e ações da Mattel sobem com filme, mas movimento vai continuar?

Analista destaca que filme da Barbie pode render bons frutos no curto prazo com faturamento de bilheteria e licenciamento, mas mais está por vir

Equipe InfoMoney

Publicidade

O mundo cor de rosa da Barbie não está somente nas telas do cinema. Com a onda do universo do filme da boneca mais famosa do mundo chegando a diversos produtos, espalhados por diversos países, as ações da sua fabricante, Mattel, registram períodos de fortes ganhos.

A dona da marca Barbie viu suas ações subirem 18% no acumulado do ano. Em junho, o avanço foi superior a 15% na Nasdaq, enquanto a Hasbro, concorrente da empresa, teve avanço de apenas 4,75% dos seus ativos no mesmo período.

Isso porque o filme, cuja estreia acontece nesta quinta-feira (20) no Brasil, pode trazer benefícios financeiros para a fabricante da boneca, em meio a últimos anos voláteis para o faturamento da companhia.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Cabe destacar que, em 2022, a Mattel faturou US$ 1,49 bilhão com a venda de Barbies em todo o mundo, equivalente a R$ 7,16 bilhões. Porém, o número foi 11% abaixo em relação a 2021, quando o segmento rendeu uma receita de US$ 1,67 bilhão (o equivalente a cerca de R$ 8,02 bilhões).

“O filme da Barbie é um momento monumental para a marca, e nós mal podemos esperar para que os fãs tenham a experiência da Barbie na tela grande como nunca antes”, afirmou Lisa McKnight, head global de Barbie e bonecas da Mattel.

A companhia pode ganhar com o faturamento nas telas do cinema, mas também por outros meios. Stifel Nicolaus, analista da Drew Crum, estimou na última terça-feira que o filme pode ter uma bilheteria nos EUA de US$ 90 milhões a US$ 100 milhões no fim de semana de estreia. Crum havia projetado anteriormente uma arrecadação inicial de US$ 50 milhões.

Crum acha que o forte fim de semana de estreia pode levar o filme a arrecadar US$ 450 milhões a US$ 550 milhões em todo o mundo.

Assumindo que US$ 450 milhões (estimativa mais conservadora) é sobre o valor bruto mundial do filme, Crum estima que a Mattel pode ter um aumento de lucro de 10 centavos por ação este ano. As vendas e os lucros refletiriam a demanda por bonecas Barbie e as taxas de licenciamento cobradas sobre vestuário e outros itens vinculados ao filme.

O analista manteve uma classificação de compra e preço-alvo de US$ 26 para as ações da Mattel, cerca de 18% acima dos níveis atuais.

Desta forma, como destacado, além de ganhar com a bilheteria em si, a companhia pode ganhar com o licenciamento de seus produtos, uma vez que a marca Barbie tem invadido os grandes centros de compra do mundo inteiro, com a mania “Barbiecore” ganhando força com o filme.

A Mattel tem apostado nos licenciamentos, modelo que permite que outras empresas, de diversos segmentos,  possam usar a marca “Barbie” para desenvolver produtos promocionais ligados a ela, por tempo limitado. Desde o “combo do Burger King” à coleção de roupas, dezenas de marcas fizeram parcerias com a companhia, inundando os centros de comércio do mundo todo com o universo rosa-choque.

As expectativas da Mattel são de um lucro anual de até US$ 950 milhões em 2023, puxados pelo lançamento do filme, conforme destaca o g1. Esse resultado seria quase três vezes maior que o de 2022, uma vez que o lucro líquido da fabricante de brinquedos foi de US$ 394 milhões, 56% menor em relação a 2021.

Além do filme da Barbie em si, o outro catalisador em jogo para a Mattel é um futuro de conteúdo baseado em suas populares franquias de brinquedos além da boneca.

Uma estreia bem-sucedida do longa-metragem poderia validar outros 14 projetos de conteúdo em desenvolvimento da Mattel, incluindo um filme apoiado pela Skydance baseado na marca de carros de brinquedo Matchbox.

Apesar do ânimo recente, Crum adverte que a empolgação em torno do filme será testada quando a Mattel divulgar os lucros do segundo trimestre em 26 de julho. O trimestre deve ser desafiador devido à fraca demanda por brinquedos.

“Acreditamos que a alta das ações antes do lançamento nos cinemas tem sido um fator-chave por trás da mudança de sentimento e, portanto, a realização de lucros pode se seguir perto do momento do lançamento”, avalia.

Por outro lado, pondera que o filme da Barbie pode ser apenas o primeiro de muitos. Assim, um filme de sucesso comercial pode ajudar a confiança do investidor em relação a essa parte da estratégia da empresa. Desta forma, o desempenho dele pode ter implicações para as ações além dos próximos dias ou semanas. ”

Assim, as próximas semanas dirão se a tendência “Barbiecore” seguirá na Bolsa americana.