Federal Reserve prepara três novas estratégias para retomada econômica dos EUA

Indicação explícita sobre juros, redução das taxas pagas pelas reservas de bancos e nova rodada de estímulo são opções

Publicidade

SÃO PAULO – Caso a fragilidade da recuperação econômica norte-americana se mostre mais duradoura do que o previsto, o Federal Reserve já elenca três possíveis programas de estímulo para o país, disse o presidente da autarquia, Ben Bernanke, nesta quarta-feira (13). Há apenas duas semanas, o Federal Reserve completou o programa de flexibilização quantitativa 2, que através da compra de treasuries, injetou US$ 600 bilhões na economia.

Os executivos do banco consideram que o ritmo de recuperação deve melhorar, mas permanecer moderado nos próximos trimestres. Desta forma, a taxa de desemprego recuaria “apenas gradualmente”. Desde março, a porcentagem de desempregados no país passou de 8,8% para 9,2% em junho. No quarto trimestre, deve cair para um patamar entre 8,6% e 8,9%, planejam os executivos.

“O andamento da recuperação econômica nos próximos trimestres provavelmente continuará moderado, e a taxa de desemprego consequentemente irá recuar apenas gradualmente, e a inflação irá ceder”, disse Bernanke perante a Câmara dos Representantes, durante a apresentação do relatório semestral de política monetária. O executivo voltou a frisar que a menor criação de vagas em maio e junho é devida à “fatores temporários”.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Três estratégias
A autarquia pode abrir mão de três diferentes estratégias para melhorar as condições financeiras do país. Uma destas formas seria uma indicação mais explicita de que os juros na economia norte-americana vão continuar em patamares reduzidos por um período de tempo prolongado. 

Outra maneira de estimular a economia dos Estados Unidos seria reduzir a taxa de juro que o Fed paga pelas reservas dos bancos, medida que teria como objetivo pressionar o juro no curto prazo. Por fim, uma nova rodada de compra de títulos, estendendo o programa de estímulo terminado no último mês, também não estaria descartada.

Duas possibilidades para o país
“Como o mercado de trabalho permanece em situação frágil, a ação do Fed será guiada pelo ritmo da melhoria da conjuntura e da evolução da inflação”, disse Bernanke. Segundo ele, é possível que a fragilidade mostre-se extensa, com riscos de deflação, exigindo novos estímulos. Por outro lado, a economia pode evoluir em um sentido que justifique “iniciar uma política monetária menos flexível”.