Exxon Mobil: a posição da gigante petroleira na Guiana em meio à tensão com a Venezuela

Companhia mantém seus planos na Guiana apesar de tensões continuarem em Essequibo

Bloomberg

(FILES) In this file photo taken on January 5, 2016 An Exxon gas station is seen in Woodbridge, Virginia. - Exxon Mobil reported a second-quarter loss July 31, 2020, joining other petroleum giants in suffering the hit from lower oil prices due to crashing demand amid the coronavirus pandemic. (Photo by Saul LOEB / AFP) (Photo by SAUL LOEB/AFP via Getty Images)

Publicidade

(Bloomberg) — A Exxon Mobil Corp. prometeu não restringir os planos de exploração ou produção na Guiana em um momento em que o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, continua escalando as suas reivindicações territoriais na região.

A Exxon está “muito focada na execução de nossas operações dentro de nossa área contratual definida”, disse o presidente de upstream, Liam Mallon, em entrevista à Bloomberg TV. A gigante petrolífera do Texas produz agora cerca de 645 mil barris por dia em águas da Guiana, ante zero há cinco anos.

“Este projeto ainda tem muitos anos pela frente e não iremos a lugar nenhum”, disse Mallon. “Estamos entregando, desenvolvendo e continuamos a distribuir os benefícios para a Guiana dentro de nossa área de operações. O assunto para discussão com as fronteiras é realmente um assunto de governo.”

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Na segunda-feira, Maduro alertou a Exxon para não entrar numa área perto da fronteira “ainda a ser demarcada”. O líder venezuelano realizou um referendo em dezembro que reivindicou a região de Essequibo, que constitui dois terços da Guiana, uma disputa que remonta mais de 100 anos, mas que permaneceu em grande parte adormecida até à descoberta de petróleo no local, há uma década.

Anteriormente, a Exxon disse que os seus planos de exploração para 2024 seriam “bem ao sul” de qualquer área reivindicada pela Venezuela. A Guiana tem o apoio dos EUA e da maioria das nações ocidentais na disputa, que tramita atualmente no Tribunal Internacional de Justiça.

A Guiana monitora com preocupação as ameaças da Venezuela, mas os investidores não têm motivos para se preocupar porque “não há dúvidas sobre onde estão as nossas fronteiras”, disse o presidente guianês Irfaan Ali à Bloomberg TV. O país de 800 mil habitantes está trabalhando com parceiros internacionais, incluindo os EUA, Reino Unido, França, Canadá e Brasil, para manter a paz na região, disse ele.

Continua depois da publicidade

“Somos um país que cumpre o direito internacional e é por isso que pedimos respeitosamente à Venezuela que participe e seja um membro responsável da comunidade internacional e respeite a CIJ [Tribunal Internacional de Justiça]”, disse Ali. “Temos muita certeza do nosso caso. Temos muita certeza de nossas fronteiras.”

Já a Exxon espera chegar a uma decisão final de investimento no seu sexto campo de exploração offshore na Guiana até ao final do primeiro trimestre, enquanto se aguarda a aprovação do governo, disse Mallon. Também concluirá um gasoduto que levará gás dos poços offshore para uma nova central elétrica na Guiana no próximo ano.

“Isso por si só reduzirá pela metade os custos de eletricidade para o povo da Guiana e resultará em emissões significativamente mais baixas do que a alternativa, que é o óleo combustível importado”, disse Mallon. O projeto permitirá que “o país cresça, se expanda e espalhe esses benefícios pela sociedade em geral”.

© 2024 Bloomberg L.P.