ETF brasileiro EWZ cai com efeito Petrobras; IBC-Br, inflação nos EUA e mais

Falas de Campos Neto e de Gabriel Calípolo também devem ser monitoradas por investidores

Felipe Moreira

Compra e venda de ações das startups listadas serão feitas via home broker. Foto: Divulgação

Publicidade

A demissão do presidente da Petrobras (PETR3;PETR4) , Jean Paul Prates, na noite de ontem, deve ser o grande vetor para os negócios na Bolsa brasileira nesta quarta-feira (15), trazendo grande volatilidade ao mercado. A Petrobras confirmou a saída de Prates da presidência da estatal e que Ministério de Minas e Energia (MME) indicou Magda Chambriard para exercer o cargo de Presidente da estatal.

Os ADRs (American Depositary Receipts, ou recibo de ações negociados na Bolsa de Nova York) da Petrobras PBR, equivalente as ações ordinárias, encerraram as negociações no pós-mercado de NY na terça com queda de 6,89% (US$ 15,54), enquanto os PBR-A (equivalentes aos preferenciais) tiveram baixa de 5,48% (US$ 15). Nesta quarta, no pré-mercado (por volta das 7h), PBR cai 9,5% e PBR-A tinha perdas de 8%. O EWZ, iShares MSCI Brazil, ETF (fundo de índice) que representa os recibos de ADRs das ações de empresas listadas na bolsa de NY, tinha baixa de 1,78% no mesmo horário.

Ainda no Brasil, sai o IBC-Br, considerado a prévia do PIB, de março, com consenso LSEG projetando queda mensal de 0,25%. Já o presidente do BC, Roberto Campos Neto, discursa em evento da própria autarquia, enquanto Gabriel Galípolo, diretor de Política Monetária, participa de evento em Nova York.

Continua depois da publicidade

Na agenda internacional, depois da inflação ao produtor acima do esperado na véspera, serão divulgados os dados de inflação ao consumidor (CPI) nos Estados Unidos, que podem reforçar receios de que o Federal Reserve possa atrasar o seu ciclo de redução das taxas de juros. Além do CPI, são aguardados dados do varejo de abril e do Empire State de atividade industrial.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita 

1.Bolsas Mundiais

Estados Unidos

Os índices futuros dos EUA operam próximos à estabilidade, com investidores se preparando para o índice de preços ao consumidor e dados do varejo.

Continua depois da publicidade

O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) de terça-feira contribuiu para aumentar temores de juros mais altos por mais tempo, mostrando uma alta de 0,5%, acima da estimativa de 0,3% do Dow Jones, ainda que tenha havido revisões para baixo dos meses anteriores. O presidente do Fed, Jerome Powell, ainda reiterou na terça-feira que a inflação está caindo mais lentamente do que o esperado.

Veja o desempenho dos mercados futuros:

Dow Jones Futuro: +0,02%

Continua depois da publicidade

S&P 500 Futuro: +0,06%

Nasdaq Futuro: +0,01%

Ásia

Os mercados asiáticos fecharam sem direção única nesta quarta-feira, com investidores à espera de novos dados da inflação dos EUA, que podem influenciar a trajetória dos juros da maior economia do mundo.

Continua depois da publicidade

Shanghai SE (China), -0,82%

Nikkei (Japão): +0,08%

Hang Seng Index (Hong Kong): -0,22%

Continua depois da publicidade

Kospi (Coreia do Sul): +0,11%

ASX 200 (Austrália): +0,35%

Europa

Os mercados europeus operam mistos, com investidores globais esperando os últimos dados da inflação nos EUA.

FTSE 100 (Reino Unido): +0,21%

DAX (Alemanha): +0,48%

CAC 40 (França): -0,17%

FTSE MIB (Itália): +0,55%

STOXX 600: +1,52%

Commodities

As cotações do petróleo operam em alta devido às expectativas de redução dos estoques dos EUA, enquanto a divulgação de dados de inflação ao consumidor americano pode apontar para uma perspectiva económica mais favorável.

As cotações do minério de ferro na China fecharam em baixa. Na quarta-feira, o volume total negociado de 12 contratos futuros de minério de ferro listados na bolsa foi de 465.161 lotes, com um faturamento de cerca de 39,85 bilhões de yuans.

Petróleo WTI, +0,26%, a US$ 78,22 o barril

Petróleo Brent, +0,23%, a US$ 82,57 o barril

Minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve queda de 1,55%, a 858,00 iuanes, o equivalente a US$ 118,82

Bitcoin

2. Agenda

A agenda desta quarta-feira é marcada por dados de inflação ao consumidor e do varejo nos Estados, além da prévia do PIB do Brasil

Brasil

9h: Presidente do BC discursa na abertura da II Conferência Anual do Banco Central do Brasil

9h: IBC-Br de março; consenso LSEG prevê queda mensal de 0,25%

9h35: Galípolo participa, como palestrante, do Seminário Summit Brazil USA, promovido pelo Valor Econômico, em Nova York.

12h30: Lula anunciará medidas relacionadas ao Rio Grande do Sul

14h30: Fluxo cambial semanal

EUA

9h30: Preços ao consumidor de abril; consenso LSEG projeta alta de 0,4% na base mensal e de 3,4% na base anual

9h30: Vendas no varejo de abril; consenso LSEG prevê alta de 0,4% na comparação mensal

11h: Estoques empresariais

11h30: Estoques de petróleo semanal – EIA

3. Noticiário econômico

Lula demite presidente da Petrobras

O CEO da Petrobras, Jean Paul Prates, foi demitido na última terça-feira (14), após um longo período de desgaste com os ministros de Minas e Energia, Alexandre Silveira, e da Casa Civil, Rui Costa. A decisão foi tomada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A Petrobras informou que recebeu ofício do Ministério de Minas e Energia (MME) com a indicação de Magda Maria de Regina Chambriard para exercer os cargos de Presidente da companhia e de membro do Conselho de Administração. Ela foi diretora-geral da Agência Nacional de Petróleo (ANP) no governo Dilma Rousseff.

4. Noticiário político

Câmara aprova texto-base da suspensão da dívida do RS com a União

A Câmara dos Deputados aprovou na última terça-feira (14) o texto-base do projeto de lei complementar que suspende o pagamento da dívida do Rio Grande do Sul com a União em razão das enchentes que devastam o estado. A proposta enviada pelo governo federal prevê a suspensão do pagamento da dívida do Rio Grande do Sul pelo período de 36 meses.

Lula escolhe Paulo Pimenta para posto de autoridade federal no RS

O ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), Paulo Pimenta, assumirá o cargo de ministro extraordinário que atuará na articulação para a reconstrução do Rio Grande do Sul, estado afetado por uma catástrofe climática que já matou 149 pessoas e deixou mais de 617,7 mil pessoas desabrigadas e desalojadas, segundo o último balanço desta terça-feira (14).

 

5. Radar Corporativo

JBS (JBSS3)

A JBS, maior empresa de proteínas animais do mundo, encerrou o primeiro trimestre do ano com lucro líquido de R$ 1,646 bilhão, revertendo o prejuízo de R$ 1,453 bilhão registrado em igual período de 2023. 

(Com Estadão, Reuters e Agência Brasil)