Emprego nos EUA, ata do Fomc e indicadores de atividade marcam 1ª semana de 2024

Dados da 1ª semana de janeiro vão calibrar apostas do Fed e devem movimentar as Bolsas

Vitor Azevedo

Publicidade

A primeira semana de 2024 promete ser quente com a primeira rodada de indicadores de atividade econômica nos EUA, o que deverá calibrar ainda mais as apostas dos investidores em relação aos rumos do Federal Reserve, o banco central dos EUA, em relação ao juros.

O ano de 2023 terminou com o aumento das apostas pelo início da redução dos juros nos Estados Unidos, a partir de março, impulsionando as bolsas mundo a fora.

Portanto, os números de emprego nos EUA e a ata da última reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) podem dar continuidade a esse movimento de euforia.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No mais, está prevista uma bateria de indicadores de atividade econômica, com diversos PMIs (índices de gerentes de compra, na sigla em inglês).

Perspectivas do mercado

Na segunda-feira, dia 1º, às 22h45 (horário de Brasília), está prevista a publicação, na China, do PMI Industrial Caixin de dezembro, que pode fazer preço no Ibovespa na terça (2), em ações ligadas às commodities metálicas, quando o mercado local reabrir, após o feriado de final de ano.

Na terça-feira, uma nova rodada de PMIs promete movimentar os mercados, com dados na União Europeia, em seus principais países, como Alemanha e França, além dos Estados Unidos e do Brasil. No Velho Continente, as publicações acontecem por volta das 6h, no Brasil, às 10h, e nos EUA, às 11h45.

Continua depois da publicidade

Por aqui, além do tradicional Focus, às 8h30, saem os dados da balança comercial de dezembro e do acumulado de 2023, às 15h.

Na quarta-feira, o BC divulga, às 8h30, os números sobre as transações correntes de novembro e de investimento estrangeiro.

Enquanto isso, nos Estados Unidos, o ISM divulga sua leitura para o PMI industrial de dezembro, às 12h, e há, no mesmo horário, a publicação da oferta de empregos JOLTs do último mês de 2023.

O destaque do dia, porém, na maior economia do mundo, fica para publicação da ata da última reunião do Fomc, quando os membros decidiram manter a taxa de juros inalterada, dando pistas, adicionalmente, sobre possíveis cortes em breve.

O documento em questão deve trazer mais informações sobre como os integrantes da autoridade monetária estão enxergando o momento no país. O mercado, portanto, buscará, nas entrelinhas, dicas sobre quando o ciclo de baixa se iniciará.

Mais para o fim do dia, às 22h45, há os PMIs chineses do setor de serviço e o composto.

Na quinta-feira, volta a bateria de indicadores. Nos Estados Unidos, saem os novos pedidos de seguro-desemprego e a pesquisa ADP de empregos privados.

Vale lembrar que o Fed monitora de perto dados do mercado de trabalho norte-americano, já que eles indicam, usualmente, como está a economia do país.

Se mais aquecida, aumenta a chance da inflação, com leitura de 3,1% no último dado, se sustentar acima da meta, de 2%, e de as autoridades serem mais rígidas em suas políticas monetárias.

No Brasil, além dos PMIs, há, às 9h, a publicação pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) da inflação ao produtor (IPP, na sigla em inglês) de novembro, às 9h.

Por fim, na sexta-feira, sairá o indicador mais aguardo pelo mercado, que é o Payroll de dezembro – o mais importante dado dos Estados Unidos quando o assunto é mercado de trabalho, às 10h30.

Por lá, o ISM também divulga seu PMI não-manufatura, às 12h.

Na Europa, mais cedo, terá a publicação, às 7h, da inflação ao consumidor (PCI, na sigla em inglês) de dezembro e ao produtor de novembro – dados importantes para as próximas decisões do Banco Central Europeu (BCE).

No Brasil, encerrando a primeira semana do ano, o Ministério da Fazenda divulga dados das contas públicas de novembro, como, por exemplo, a relação entre a dívida líquida brasileira e o PIB.

Enquanto isso, às 9h, o IBGE divulga os dados da produção industrial.