Destaques da Bolsa

Educacionais chegam a cair 12%; Localiza dispara 6% e Petrobras cai 4,5%

Confira abaixo os principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão

SÃO PAULO – O Ibovespa amenizou a queda, mas não evitou fechar no negativo nesta terça-feira (22), se descolando do desempenho das bolsas internacionais. Por aqui, a melhora do mercado ocorreu após a publicação em edição extra do Diário Oficial da União de novas medidas fiscais e da expectativa dos vetos de Dilma serem votados hoje. Em meio a instabilidade, o dólar comercial fechou pela primeira vez na história acima dos R$ 4,00.

Em meio a esse cenário, empresas com fortemente endividadas em dólar caíram forte, como a Smiles e a Gol, que têm no radar ainda corte de recomendação. Enquanto isso, se “salvaram” aquelas com receitas expostas à moeda americana, como as empresas de papel e celulose Fibria e Suzano.

Na ponta negativa do Ibovespa ainda chamou atenção os papéis das educacionais, que afundaram com notícia de que, em breve, o Fies pode ser alvo de uma CPI. A Kroton foi a maior queda do setor. Na mínima do dia, suas ações chegaram a cair 12,41%, a R$ 7,27 – voltando para o menor patamar desde outubro de 2013.

Confira abaixo os principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão:

Educacionais
As ações das educacionais afundaram hoje após notícia de que, em breve, o Fies pode ser alvo de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), segundo informações da coluna Radar, da Veja. Na Bolsa, caíram forte as ações da Kroton (KROT3, R$ 7,64, -7,95%), Estácio (ESTC3, R$ 12,28, -5,54%), Ser Educacional (SEER3, R$ 7,35, -8,81%) e Anima (ANIM3, R$ 9,39, -3,00%) – todas empresas expostas ao programa de financiamento estudantil do governo. 

Em nota divulgada pela assessoria de imprensa nesta tarde, a Kroton disse que segue “rigidamente e com total lisura” as regras de oferta estabelecidas pelo Ministério da Educação. Na noite de ontem, a coluna da Veja disse que o programa de financiamento estudantil do governo deve ser alvo em breve de uma CPI, apontando que as investigações poderiam ser um tiro de canhão sobre a Kroton. A nota aponta que a empresa, do mineiro Walfrido Mares Guia, empresta ultimamente jatos executivos para o transporte do ex-presidente Lula. 

Em esclarecimento, a Kroton disse ainda que é uma companhia de capital aberto pulverizado, sem controle definido, e que, ao contrário do publicado na coluna, o empresário não detém posição de controle da empresa, sendo acionista minoritário e membro do conselho de administração. 

Gol e Smiles 
As ações da empresa de aviação Gol (GOLL4, R$ 3,76, -8,07%) e sua controlada Smiles (SMLE3, R$ 30,75, -9,53%) voltaram a desabar nessa sessão, em meio ao cenário cada vez mais nebuloso que vai sendo traçado para as empresas. Com a derrocada de 50% desde 16 de julho (quando bateu máxima histórica), as ações da Smiles voltam ao menor patamar desde abril de 2014 nesta terça-feira. 

O movimento acompanha revisão dos papéis pelo UBS hoje. O banco suíço cortou a recomendação das ações da Gol e Smiles para venda. O preço-alvo para os próximos 12 meses é de R$ 2,00 e R$ 32,40 por ação, respectivamente. 

PUBLICIDADE

Vale e siderúrgicas
As ações da Vale (VALE3, R$ 19,46, -2,36%; VALE5, R$ 15,35, -2,23%) e siderúrgicas recuaram em meio à preocupação sobre a economia chinesa, queda dos preços das commodities e acompanhando o forte movimento negativo das ações das mineradores e montadoras europeias. No setor siderúrgico, caem forte as ações da CSN (CSNA3, R$ 5,12, -9,54%) e Usiminas (USIM5, R$ 3,91, -8,22%). Já Gerdau (GGBR4, R$ 6,12, -1,61%) e Gerdau Metalúrgica (GOAU4, R$ 3,51, -3,04%) tiveram quedas mais amenas. 

Localiza (RENT3, R$ 24,40, +6,60%)
As ações da Localiza subiram hoje após o Santander ter elevado a recomendação de suas ações de neutra para compra. O banco espera que o resultado do segmento de aluguel de carros da companhia deve se estabilizar no terceiro trimestre na comparação com o segundo trimestre deste ano. 

Exportadoras 
As ações das exportadoras se “salvaram” nesta sessão, com escalada do dólar, que superou o patamar de R$ 4,00 pela primeira vez. Entre as altas do Ibovespa, ficaram as ações das empresas de papel e celulose Fibria (FIBR3, R$ 56,75, +3,96%) e Suzano (SUZB5, R$ 19,15, +1,86%). 

Petrobras (PETR3, R$ 8,35, -3,13%; PETR4, R$ 6,97, -4,52%)
As ações da Petrobras afundaram, acompanhando a forte queda dos preços do petróleo no mercado internacional, que recuou mais de 1%. A commodity cai como reflexo das preocupações dos investidores com o excesso de oferta. Os níveis dos estoques permanecem em níveis elevados. 

Bancos
As ações do setor financeiro seguiram o dia da Bolsa e amenizaram as perdas, com alguns papéis virando para alta, com investidores de olho no Congresso e em meio a declarações mais “hawkish” (agressivas) do presidente do Federal Reserve de Atlanta, Dennis Lockhart. No setor, todos os grandes bancos caíam: Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 27,49, +0,95%), Bradesco (BBDC3, R$ 25,10, -0,24%; BBDC4, R$ 22,70, +0,40%), Banco do Brasil (BBAS3, R$ 16,28, -0,06%) e Santander (SANB11, R$ 13,62, +0,52%). 

Oi (OIBR4, R$ 3,20, -9,60%)
As ações da Oi estenderam as perdas pelo segundo dia seguido após terem disparado 40% na semana passada. Ontem, o CFO da operadora, Flávio Guimarães, disse que a companhia tem caixa para cobrir as dívidas até parte de 2017, lembrando que 100% de sua dívida em moeda estrangeira tem hedge com derivativo. Segundo ele, a queda do real ante o dólar e euro não tem impacto sobre o balanço – citando que 50% de sua dívida está em CDI, parte em juro flutuante e o resto prefixada. 

Eletropaulo (ELPL4, R$ 11,82, -3,43%)
A Arsesp multou a Eletropaulo em R$ 35,8 milhões por concluir que a distribuidora de energia demorou muito para resolver os problemas de falta de luz ocorridos após chuvas ao longo de 2014, prejudicando os clientes. A Eletropaulo disse que aguarda a notificação para ter os detalhes dessa atuação. 

A companhia também foi multada em R$ 1,6 bilhão devido à interrupção entre 5 e 6 de janeiro, que deixou sem energia por mais de 9 horas o Hospital Municipal de Maternidade Amador Aguiar, de Osasco. 

PUBLICIDADE

As multas se juntam ao laudo pericial divulgado recentemente pela sobre a disputa judicial envolvendo a responsabilidade pelo pagamento do saldo de empréstimo junto à Eletrobras (ELET3, R$ 5,08, -4,87%; ELET6, R$ 8,54, -3,06%), no valor estimado de R$ 1,7 bilhão.

Insira seu melhor email e receba dicas e conteúdos exclusivos sobre como investir com sucesso