Educação e exportação: as 11 ações que tiveram um 2013 para entrar para história

Titãs da Bovespa como CSN, Braskem e JBS tiveram um ano excelente, ao passo em que Kepler Weber, GPC e Indústrias Romi também subiram forte

Felipe Moreno

Publicidade

SÃO PAULO – Se o Ibovespa caminha para terminar o ano no negativo, com uma baixa de 16%, por outro lado, diversas empresas têm motivos para comemorar. Diversas empresas conseguiram passar o final de ano tranquilos – e vão lembrar de 2013 com carinho.

Clique aqui para acompanhar outras matérias do Especial InfoMoney Retrospectiva 2013/Perspectivas 2014

É o caso da JBS (JBSS3), dos irmãos Joesley e Wesley Batista, que devem comemorar a reviravolta na empresa com uma taça de champagne, cujas ações tiveram alta de 45,63% – depois de três anos fracos na BM&FBovespa. A empresa, a única “campeã nacional” que vem apresentando sucesso até agora, comprou a Seara da Marfrig e fez uma campanha de marketing de sucesso para agregar valor à companhia. 

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Se o champagne importado ficou mais caro com a disparada no dólar, que iniciou o ano próximo dos R$ 2,00, a moeda foi a grande mola propulsora para muitas das empresas que tiveram um excelente ano. É o caso das exportadoras Braskem (BRKM5) e CSN (CSNA3). A primeira ainda se beneficiou da elevação dos preços de produtos e desinvestimentos, apesar de ter sofrido um baque no final do ano em meio a negociação do contrato com a Petrobras (PETR3;PETR4) para fornecimento de nafta.

Enquanto isso, a siderúrgica CSN se deparou com um cenário mais positivo para as siderúrgicas, em meio à redução dos custos do setor e a maior lucratividade. Além disso, um dos principais fatores de pressão para a companhia, a possível compra da CSA da siderúrgica alemã ThyssenKrupp foi descartada. Os temores de que a companhia aumentasse a sua alavancagem com a aquisição pressionou os papéis da empresa. 

O governo, se foi alvo de protestos por investidores de muitos segmentos, ajudou mais uma vez as empresas de ensino superior através do FIES (Financiamento Estudantil), que fez com que muitas delas fechassem o ano com um boletim recheado de altas fortes – Kroton (KROT3) e Estácio (ESTC3), seguindo também a entrada de mais alunos no curso superior.

Continua depois da publicidade

E olha que 2014 pode ser mais um ano excelente para a Kroton, caso a sua fusão com a Anhanguera (AEDU3) tenha um final feliz, enquanto a Estácio adquiriu a Uniseb (União dos Cursos Superiores SEB) por R$ 615,3 milhões, para, enfim, ampliar sua exposição aos universitários paulistas. Também em destaque, estão as ações da TIM Participações (TIMP3), que subiram mais de 50% no ano. 

Veja quem está comemorando 2013: 

Empresa Alta* Cotação* Motivo
Kroton  69,85% R$ 38,48  O FIES traz melhores perspectivas de expansão orgânica de alunos no curso superior, além disso, empresa prepara a fusão com a Anhanguera, que pode lhe dar enorme escala e formar maior grupo educacional do mundo
Estácio  49,48% R$ 20,67  O FIES traz melhores perspectivas de expansão de alunos no curso superior, enquanto a aquisição da Uniseb para expansão das universidades paulistas
Braskem  59,92% (PNA) R$ 20,47  A empresa é exportadora e tem 100% de suas receitas atreladas ao dólar, que se fortaleceu bastante durante o ano. A Braskem também vem realizando um programa de redução de custos e desinvestimentos; a política de preços da Petrobras também lhe beneficia
TIM Participações  53,38% R$ 12,11  A empresa deverá ser vendida pela Telecom Italia após a Telefónica comprar uma grande fatia na controladora; além disso, vem apresentando números operacionais fortes, baixa base comparativa frente a 2012 
JBS  45,63% R$ 8,65 A empresa vem mostrando melhoras operacionais em muitas das aquisições e vem aumentando o valor agregado de seus produtos através de novas linhas de alimentos industrializados e uma campanha de marketing
Cielo  43,55% R$ 65,40  A empresa apresenta margens elevadas e não vê a concorrência se fortalecer como o esperado; o aluguel de um POS (Point of Sale) cresceu bastante em 2013
Suzano  34,03% R$ 9,28  A empresa é fortemente exportadora e se beneficia de um dólar cada vez mais forte
Indústrias Romi  31,60% R$ 6,08  A empresa é do setor industrial, que se beneficia do dólar forte, tanto para exportar (por serem receitas maiores, quando postas em reais) quanto por diminuir a atratividade dos produtos estrangeiros
CSN  34,43% R$ 14,42  Também exportadora, a empresa se beneficia do dólar forte tanto em suas exportações de minério de ferro quanto pela perda de atratividade do aço internacional
Kepler Weber 245,25% R$ 40,60 A empresa vem passando um processo reestruturação e quse faliu anos anteriores, que derrubou o preço da ação
GPC Participações 200,00% R$ 0,48 A empresa vem passando um processo reestruturação e quse faliu anos anteriores, que derrubou o preço da ação
*Até o fechamento do pregão de 26 de dezembro