Dólar sobe com menor otimismo sobre Fed após comentários de Powell e dados de emprego

Powell disse no domingo ao programa "60 Minutes" da CBS que o Federal Reserve deve ser "prudente"

Reuters

Notas de dólar (Foto: Getty Images)

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar subia frente ao real nesta segunda-feira, com investidores repercutindo novas falas do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, minimizando as chances de cortes iminentes de juros nos Estados Unidos.

Às 9:55 (horário de Brasília), o dólar à vista avançava 0,40%, a 4,9858 reais na venda.

Na B3, às 9:55 (horário de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,25%, a 4,9965 reais.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Powell disse no domingo ao programa “60 Minutes” da CBS que o Federal Reserve deve ser “prudente” ao decidir quando reduzir sua taxa básica de juros, uma vez que a economia forte permite às autoridades do banco central dos Estados Unidos tempo para criar confiança de que a inflação continuará caindo.

“Investidores ainda refletindo o ‘payroll’ surpreendente de sexta e a fala de Powell ontem, de que o início dos cortes de juros não deve acontecer em março, o que leva à nova disparada das taxas de juros… e a alta dos juros beneficia o dólar”, disse Nicolas Borsoi, economista-chefe da Nova Futura Investimentos.

Na última sexta-feira, dados mostraram que a economia norte-americana abriu 353 mil vagas de trabalho no mês passado, superando todas as expectativas: a mediana das projeções dos economistas consultados pela Reuters previa abertura de 180 mil postos de trabalho em janeiro, com as projeções variando de 120 mil a 290 mil.

Continua depois da publicidade

Na esteira desses dados e dos comentários de Powell, probabilidades implícitas em contratos de juros futuros dos EUA passaram a mostrar apenas 15,5% de chance de um corte de taxa pelo Fed em março — cenário que, no final do ano passado, era visto como praticamente garantido.

Quanto mais tarde o Fed começar a reduzir os juros, mais o dólar tende a se beneficiar, já que investimentos de renda fixa denominados na moeda ficam mais atraentes em termos de rentabilidade. Ao mesmo tempo, sinais de resiliência da economia — como o robusto relatório de empregos de sexta — são argumentos a favor da visão de que o banco central dos EUA não encerrou sua luta contra a inflação e precisa esperar antes de afrouxar a política monetária.

O índice do dólar –que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas– subia 0,27%, a 104,320.

No Brasil, o foco de investidores deve se voltar para a agenda do Congresso Nacional ao longo dos próximos dias, já que os parlamentares retomam suas atividades nesta segunda-feira após recesso.

O líder do governo no Congresso, senador Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), disse nesta segunda-feira, em entrevista à GloboNews, que o governo está disposto a discutir a reoneração da folha de pagamentos de 17 setores por projeto de lei, em meio a uma disputa entre a equipe econômica e o Legislativo sobre o tema.

A semana trará ainda a ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central e os dados de janeiro do IPCA.

Na última sessão, na sexta-feira, o dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9661 reais na venda, em alta de 1,04%.

Tópicos relacionados