Dólar sobe a R$ 4,90 com curva de Treasuries por cautela na volta de feriado nos EUA

O investidor local avalia ainda o volume de serviços prestados no País, divulgado na manhã desta terça-feira

Estadão Conteúdo

Notas de dólar (Foto: Getty Images)

Publicidade

O dólar opera em alta no mercado de câmbio local, refletindo a valorização dos rendimentos de Treasuries e da moeda americana no exterior ante divisas rivais e emergentes ligadas a commodities meio ao ambiente de maior cautela com a economia europeia.

O investidor local avalia ainda o volume de serviços prestados no País, divulgado na manhã desta terça-feira, 16, e monitora as negociações em torno de um acordo sobre a reoneração da folha de pagamentos. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, negociam uma transição para o fim da desoneração da folha de pagamentos que dê tempo de adaptação aos 17 setores hoje atendidos pelo programa.

O volume de serviços prestados subiu 0,40% em novembro ante outubro, abaixo da mediana projetada pelo mercado (+0,50%). Na comparação com novembro de 2022, houve recuo de 0,30% em novembro, já descontado o efeito da inflação. A taxa acumulada no ano – que tem como base de comparação o mesmo período do ano anterior – foi de alta de 2,70%. No acumulado em 12 meses, houve alta de 3,00%, ante avanço de 3,60% até outubro. A receita bruta nominal do setor de serviços subiu 0,60% em novembro ante outubro. Na comparação com novembro de 2022, houve avanço de 4,90% na receita nominal.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O dólar à vista registrou máxima intradia a R$ 4,9054 (+0,81%) no mercado à vista, puxado pelo exterior. Lá fora, o índice DXY do dólar, que acompanha as flutuações da moeda americana em relação a outras seis divisas relevantes, acelerou ganhos nas últimas horas à medida que o euro se enfraqueceu na esteira de comentários de dirigentes do Banco Central Europeu (BCE) mais favoráveis a cortes de juros, caso de Mario Centeno e de François Villeroy de Galhau.

Mais cedo, as moedas europeias foram pressionadas ante o dólar por dados da região. A inflação ao consumidor (CPI, pela sigla em inglês) da Alemanha subiu 3,7% em dezembro, de 3,2% de novembro, em linha com o esperado. Já a taxa de desemprego do Reino Unido segue na mínima histórica de 4,2% no trimestre até novembro de 2023, mas o salário semanal médio desacelerou para avanço anual de 6,6% ante o ganho de 7,2% registrado no trimestre até outubro, aumentando as chances de eventual relaxamento monetário por parte do Banco da Inglaterra (BoE), o que ajuda a enfraquecer a libra.

Os agentes de câmbio olham ainda a valorização do petróleo e sinais do primeiro-ministro da China, Li Qiang, de que o PIB do país cresceu 5,2% em 2023, pouco acima da meta oficial de 5%, que servem de contraponto à alta da moeda americana. O governo chinês deve publicar o resultado do PIB do quarto trimestre, da produção industrial e das vendas no varejo de dezembro na noite de hoje (23h).

Continua depois da publicidade

Com o retorno dos mercados americanos após o feriado, a corrente de comércio pode se normalizar, bem como a liquidez nos negócios.

Na agenda do dia, são esperados ainda nos EUA o índice de atividade industrial Empire State (10h30) e comentários do diretor do Federal Reserve Christopher Waller (13h).

Às 9h38 desta terça, o dólar à vista subia 0,68%, a R$ 4,8994. O dólar para fevereiro ganhava 0,91%, a R$ 4,9085.

Tópicos relacionados