Dólar desacelera alta após dados de inflação dos EUA em linha com o esperado

Segundo participantes do mercado, a leitura do PCE em linha com as expectativas não deve levar a adiamentos ainda maiores nas apostas para o início do afrouxamento monetário do Federal Reserve, atualmente concentradas em junho

Reuters

Dólar e Real (Foto: Getty Images)

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar subia em ritmo instável frente ao real nesta quinta-feira, mais ainda assim perdeu fôlego frente às máximas do dia após dados de inflação dos Estados Unidos amplamente em linha com o esperado.

Dados desta manhã mostraram que o índice de preços PCE subiu 0,3% no mês passado, ante ganho de 0,1% no final do ano passado, enquanto nos 12 meses até janeiro avançou 2,4%. Ambas as leituras ficaram em linha com a expectativa de economistas consultados pela Reuters.

“Já se antecipava que o índice PCE viria mais forte, viria mais aquecido esse mês, após uma sequência de dados econômicos aquecidos como geração de emprego, índice de preço ao consumidor e ao produtor, portanto não afeta tanto as expectativas dos agentes em relação ao futuro”, disse Leonel Mattos, analista de inteligência de mercados da StoneX.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“De toda forma, o contexto que se desenha, particularmente para o mês de janeiro, é de uma economia americana mais aquecida… o que deve contribuir para um comportamento de cautela do Federal Reserve na condução da sua política monetária.”

Por volta de 11h23 (de Brasília), o dólar à vista ganhava 0,28%, a 4,9852 reais na venda, depois de mais cedo ter chegado a subir 0,57%, a 4,9997 reais, antes da divulgação dos dados de inflação norte-americana.

Segundo participantes do mercado, a leitura do PCE em linha com as expectativas não deve levar a adiamentos ainda maiores nas apostas para o início do afrouxamento monetário do Federal Reserve, atualmente concentradas em junho.

Continua depois da publicidade

Quanto mais altos os juros em determinado país, mais atraente fica a rentabilidade de seu mercado de renda fixa, o que beneficia sua moeda. No caso dos EUA, o dólar fica ainda mais interessante pelo fato de ser considerado seguro em momentos de turbulência econômica ou geopolítica.

Segundo participantes do mercado, ficava no radar nesta quinta-feira a participação do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, na reunião de ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do G20, em São Paulo.

Em discurso durante a sessão desta quinta-feira, Haddad afirmou que o Brasil buscará construir uma declaração do grupo sobre tributação internacional até a reunião ministerial do grupo agendada para julho, no Rio de Janeiro.

Na quarta-feira, o dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9712 reais na venda, em alta de 0,77%.