Dólar cai a R$ 4,95 após bater R$ 5, em dia de ajustes após salto da véspera

Na segunda-feira, o dólar à vista subiu 1,23% após o governo divulgar o plano “Nova Indústria Brasil”

Reuters

Gráfico do mercado de ações em nota de 100 dólares.

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – Após subir mais de 1% na véspera em função dos receios com o equilíbrio fiscal brasileiro, o dólar à vista fechou a terça-feira em queda ante o real, numa sessão marcada por ajustes de posições e a despeito da alta da moeda norte-americana ante outras divisas no exterior.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9554 reais na venda, em baixa de 0,65%. Em janeiro, a moeda acumula elevação de 2,14%.

Na B3, às 17:18 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,70%, a 4,9605 reais.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Dados da B3 indicaram que, na última sexta-feira, os investidores estrangeiros retiraram 3,45 bilhões de reais da bolsa brasileira, o que não passou despercebido entre os players que atuam no câmbio.

Ao mesmo tempo, na segunda-feira o dólar à vista subiu 1,23% ante o real, após o governo divulgar o plano “Nova Indústria Brasil”, que prevê 300 bilhões de reais em financiamentos até 2026. O anúncio piorou a percepção no mercado sobre o risco fiscal brasileiro, ainda que operações do BNDES sustentem o programa — o que não necessariamente trará impacto fiscal para o Tesouro.

“Descobrimos que houve uma saída grande de ‘gringos’ da bolsa no dia 19 (sexta), talvez pelo vencimento de opções (sobre ações). A combinação disso com o desconforto fiscal gerou um ‘sell-off’ na segunda-feira” descreveu Cleber Alessie Machado, gerente da mesa de Derivativos Financeiros da Commcor DTVM. “Hoje (terça-feira) o dólar acomoda um pouco o que pode ter sido exagerado”, acrescentou.

Continua depois da publicidade

Na prática, houve recomposição de posições e realização de lucros por parte de alguns investidores, em especial quando a moeda norte-americana se reaproximou dos 5,00 reais — uma marca psicológica que tem atraído vendedores para o mercado.

“Na região de 5,00 reais podemos vender um pouco mais, aumentando o médio da venda”, opinou pela manhã o diretor da consultoria Wagner Investimentos, José Faria Júnior, em comentário enviado a clientes.

Além disso, dando suporte aos ativos brasileiros, os contratos futuros de minério de ferro subiram nesta terça-feira, atingindo o nível mais alto em mais de uma semana, depois que autoridades da China prometeram estabilizar seus mercados.

Durante a sessão, dados sobre a arrecadação federal em dezembro melhoraram a percepção de risco fiscal entre os investidores, o que favoreceu o fechamento da curva de juros futuros e contribuiu para maior otimismo também no mercado de câmbio.

Neste contexto, o dólar à vista oscilou entre a cotação máxima de 5,003 reais (+0,30%), às 9h10, e a mínima de 4,9483 reais (-0,79%), às 15h57.

O recuo da divisa dos EUA no Brasil ocorreu apesar de, no exterior, o dólar registrar ganhos firmes ante uma cesta de moedas fortes e também subir ante boa parte das demais moedas.

Às 17:18 (de Brasília), o índice do dólar –que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas– subia 0,19%, a 103,580.

Pela manhã, o Banco Central vendeu todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de março.

Tópicos relacionados