Bolsa

Discurso de Obama desaponta mercados e Ibovespa vira para o negativo

Presidente reeleito não anunciou nenhuma nova medida e desapontou os mercados

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A notícia de que Barack Obama iria discursar na tarde desta sexta-feira (9) fez com o que o Ibovespa zerasse as perdas da manhã e virasse para o campo positivo. O discurso, porém, decepcionou e fez o índice retomar o caminho negativo, operando com perdas 0,22% por volta das 16h30 (horário de Brasília), aos 57.400 pontos.

O presidente reeleito dos Estados Unidos não anunciou nenhuma nova medida, como era esperado – apenas disse que deverá elevar os impostos para os mais ricos do país. Obama deve agora trabalhar com os democratas e republicanos do congresso para conseguir evitar que o país passe pelo abismo fiscal em janeiro. 

Outras referências
Na China, o Congresso do Partido Comunista continua, mas a previsão é de que novidades sobre a nova liderança do país só sejam anunciadas na próxima semana. Na agenda econômica, as vendas do varejo chinês cresceram 14,5% em outubro em relação a um ano antes; a produção industrial do país avançou 9,6% no mesmo período.

No continente europeu, as negociações sobre a liberação de uma nova parcela do pacote de resgate à Grécia continuam no radar. Na véspera, líderes europeus advertiram que o país ainda tem deveres a cumprir para receber o próximo lote de seu resgate financeiro e evitar o default.

Dados econômicos
Na agenda europeia, a produção industrial da França caiu 2,7% em setembro sobre agosto. Na Itália, o mesmo indicador apresentou contração de 1,5% em igual intervalo.

No mercado nacional, o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) que recuou 0,19% na primeira prévia de novembro – mostrando deflação. Já o emprego na indústria brasileira caiu 0,3% na passagem de agosto para setembro, na série sem influências sazonais. 

Nos EUA, o destaque fica com o índice de confiança do consumidor da Universidade de Michigan, que veio acima do esperado nesta sessão. Por lá, o preço das exportações diminuiram em outubro.