Fique de olho

Dia sugere atenção para ações de elétricas, com destaque para Eletrobras

ADRs da estatal despencaram 9% durante o feriado no Brasil, após governo sinalizar indenização menor do que a empresa esperava

SÃO PAULO – O movimento dos ADRs (American Depositary Receipt) do setor de energia na última sexta-feira – quando a BM&F Bovespa permaneceu fora de operação por conta do feriado do Dia de Finados – sugere um dia de atenção para as ações de companhias do setor elétrico nesta segunda-feira (5).

O destaque fica para a Eletrobras (ELET3,ELET6), que acompanhou os papéis ordinários despencarem 8,99%, a R$ 5,16, durante o feriado no Brasil. As ações preferenciais da estatal também tiverem forte queda no feriado, fechando com desvalorização de 7,97%

O movimento negativo dos papéis ocorreu depois de o governo do Brasil propôr menos compensação para a redução de taxa do que a empresa esperava. As quedas das ações foram acompanhadas por ADRs de outras companhias do mesmo setor, com a Cemig (CMIG4:-2,70%) e CPFL (CPFE3: -1,78%) também encerrando em fortes quedas.

Na noite da última quinta-feira (1), o ministério de Minas e Energia anunciou que deve pagar R$ 20 bilhões às elétricas, de acordo com o DOU (Diário Oficial da União).  A Chesf (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco), subsidiária da Eletrobras receberá R$ 6,7 bilhões. O grupo receberá, ao todo, R$ 14 bilhões, mas esperava indenização de cerca de R$ 30 bilhões pelas concessões. Por sua vez, a Cesp (CESP6) receberá R$ 1 bilhão.

Pressão sobre as receitas
De acordo com publicação do O Estado de S.Paulo, contas preliminares indicam que com as novas tarifas de geração para 81 usinas que poderão renovar seus contratos de concessão, haverá uma redução média de mais de 70% nas receitas.

Segundo a publicação, cálculos iniciais feitos pelo presidente da  Abiape (Associação Brasileira de Investidores em Auto Produção de Energia), Mário Menel, indicam que considerando um fator de 0.55 correspondente à produtividade média de todas as usinas do setor interligado brasileiro, chegam a um resultado médio de R$ 23,46 por mW/h para o grupo das 81 unidades em processo de renovação. O valor é 72,4% menor que a média de R$ 85 por mW/h praticada no País atualmente.